Shoppings e comércio também são opções em small caps

Matheus Gagliano
Colaborador do Torcedores
1

Crédito: Foto: Pixabay

O setor de shoppings e comércio oferece opções atraentes em small caps. Entre as ações listadas no índice de small caps, estão a Multiplan (MULT3) e Iguatemi (IGTA3), que são proprietários de shopping centers pelo país.

Assim como diversos outros setores, estas small caps também sofreram os impactos do isolamento social e fechamento das lojas por parte de algumas prefeituras e estados.

Praticidade e precisão, saiba quais melhores investimentos e como melhorar rentabilidade de suas ações

Apesar disso, o segmento, após a reabertura controlada ao pública, já começa a se adaptar aos novos tempos. Aos poucos vai recuperando seu potencial.

Conheça as small caps de shopping e comércio

Multiplan (MULT3)

Proprietária do Barra Shopping, no Rio de Janeiro, a Multiplan é listada como administradora de shopping centers. Esta foi a primeira small cap que separamos para te apresentar.

A maioria das ações da Multiplan – 48,98% – são negociadas em bolsa. A Multiplan Planejamento. Participações e Administração detém 22,36% dos papéis negociados e a empresa 1700480 Ontario Inc. é dona de 22,80%. Já a empresária Mara Helena Kaminitz Peres possui 1,31% das ações da empresa. Além dela, outro acionista individual é José Isaac Peres, que possui 4,06% da companhia. Por fim, ações de tesouraria representam 0,49% do total. No total, estão em circulação, 276,8 milhões de ações.

No ano passado, a Multiplan lucrou R$ 963,9 milhões. Com isso, o resultado foi em superior ao de 2019: R$ 469,1 milhões.

Aliansce Sonae (ALSO3)

No grupo de small caps de shoppings também aparece a Aliansce Sonae (ALSO3). A exemplo da Multiplan, a empresa também tem como atividade principal o planejamento, desenvolvimento, implantação e investimentos na área imobiliária, nomeadamente em shoppings e participação em outras sociedades ou em fundos de investimento imobiliário.

A maioria das ações – 45,70% – são negociados em bolsa. Em seguida, aparecem o fundo Canada Pension Plan Investment Board, que detém mais 17,53%, e a Cura Brazil S.A, com 12,86%. Assim, eles são os maiores acionistas.

Outros acionistas têm menos de 10%. Este é o caso da Sierra Brazil 1, que possui 6,30%, e do Itaú-Unibanco, que tem 5,01%. Além deles, Rique Empreendimentos e Participações possui 3,24%, entre outros, com menos de 1%. Estão em circulação, 127,3 milhões de ações.

Nos nove primeiros meses de 2020, a companhia registrou lucro líquido de R$ 189,8 milhões. Assim, reverteu um prejuízo de R$ 63,1 milhões, registrados em igual período em 2019.

Iguatemi (IGTA3)

Mais uma administrador de shoppings, a Iguatemi (IGTA3), tem ainda em sua atividade principal a concepção, o planejamento, o desenvolvimento e a administração de shopping centers regionais e complexos imobiliários.

O fundo Jereissati Participações é o maior acionista individual, com 50,59% de participação. Outra fatia de 48,86% pertencem a acionistas na bolsa. O empresário Carlos Francisco Ribeiro Jereissati, presidente do conselho de administração da companhia, detém 0,18% dos papéis. No total, são 85,7 milhões de ações em circulação no mercado.

No ano passado, até setembro, a companhia reportou lucro líquido de R$ 120,3 milhões. Já no ano anterior, o resultado havia sido de lucro de R$ 202,4 milhões.

Log Commercial Properties (LOGG3)

A Log Commercial Properties (LOGG3) também está entre as small caps. Tem como atividade principal administração de bens próprios, prestação de serviços de engenharia e construção, incorporação, construção, comercialização e locação de imóveis, participação em outras sociedades como sócia ou acionista.

A Conedi Participações é o principal acionista individual, possuindo 24,38% dos papéis. A Starwood Brasil Fundo de Investimento em Participações possui ainda 14,75% de participação.

Já o empresário Rubens Menin Teixeira de Souza, que está à frente do Conselho de Administração, possui mais 10,18%. O Fundo de Investimento em Participações Bradesco Mplus tem ainda 7,61%. Por fim, a fatia restante de 42,16% está distribuída aos demais acionistas em bolsa. No total, são 59,7 milhões de ações em circulação.

A empresa obteve em 2020 lucro de R$ 142,5 milhões contra R$ 93,3 milhões do ano anterior.

Small caps de investimento

JHSF Participações (JHSF3)

A JHSF possui diversos negócios, que vão desde hotéis a até projetos urbanísticos. Por isso, ela é enquadrada como atividade principal como empresa de investimentos. Tem como público-alvo a chamada alta renda. É focada no desenvolvimento e administração de projetos de shopping centers, hotéis e restaurantes e ainda incorporações.

A própria JHSF Participações, que faz parte do grupo, detém a maioria das ações – 39,44%. Outros 35,52% estão distribuídos aos demais acionistas em bolsa de valores. O empresário José Auriemo Neto, conhecido no mercado de luxo, possui 13,12% dos papéis, ao passo que a Capital Research Global Investors tem 7,13% e Fábio Roberto Chimenti Auriemo, possui 3,53%. Ações de tesouraria representam 0,41% dos papéis. Estão em circulação 240,5 milhões de ações.

A empresa obteve lucro de R$ 638,8 milhões no acumulado de 2020. Já em 2019 o lucro líquido foi de R$ 326,6 milhões.

Jereissati (JPSA3)

A Jereissati Participações (JPSA3) faz parte do grupo Iguatemi (IGTA3) e investe em participação no capital de outras sociedades, como sócia ou acionista, bem como a prestação de serviços de assessoria e consultoria econômica, financeira e tributária.

A GJ Investimentos e Participações é a maior acionista, com 55,43% de participação na companhia. Outros 39,68% são detidos por demais investidores em bolsa. Além disso, posições minoritárias são detidas por membros da família Jereissati como Vera Ribeiro Jereissati e Diana Jereissati Legey. Cada uma delas detém 1,54% do total das ações. No total, são 34,8 milhões de papéis que circulam no mercado.

Nos nove primeiros meses de 2020, o lucro da companhia desacelerou, quando comparado com o mesmo período do ano anterior. A empresa registrou lucro de R$ 105,3 milhões ante lucro de R$ 182,1 milhões obtido no mesmo período do ano anterior.

Small caps de locação

BR Properties (BRPR3)

A BR Properties (BRPR3) tem em seu portfólio projetos imóveis de escritórios e industriais, principalmente em São Paulo e no Rio de Janeiro. Mas também atua em outros estados como Minas Gerais, Brasília e Rio Grande do Sul. É listada como empresa de compra, venda e incorporação de imóveis comerciais prontos ou em processo de construção, administração de imóveis próprios ou de terceiros, arrendamento, exploração comercial, locação ou sublocação de imóveis comerciais – próprios ou de terceiros.

Tem como principal acionista o fundo GP Capital Partners, com 58,04% de participação, ao passo que a fatia de 40,61% é negociada em bolsa. Estão em circulação 198,8 milhões de ações.

No ano passado, a companhia viu seu lucro líquido sofrer uma redução. Em resumo, passou de R$ 311,3 milhões em 2019 para R$ 206,2 milhões em 2020.

Lopes Brasil Consultora de Imóveis (LPSB3)

A Lopes Brasil (LPSB3) tem como principal atividade a intermediação na compra, venda, permuta e locação de imóveis ou de direitos e obrigações a eles relativos.

O empresário Francisco Lopes Filho é o principal acionista individual, com participação de 22,72%. Já seu filho, Francisco Lopes Neto, tem uma participação menor, de 3,92%. A gestora Leblon Equities Gestão de Recursos possui 5,18% dos papéis, e 49,99% estão distribuídos aos demais investidores em bolsa. No total, a empresa tem 114,8 milhões de ações em circulação.

A companhia reportou, até setembro do ano passado, prejuízo líquido de R$ 5,1 milhões contra R$ 4,5 milhões do mesmo período do ano anterior.

Small caps de construtoras

Cyrela Commercial Properties – CCP (CCPR3)

A Cyrela Commercial Properties – CCP (CCPR3) é um braço da construtora Cyrela, lançada em 2007, para investir em shoppings centers e sua atividade principal é listada como incorporação de empreendimentos imobiliários.

Tem como acionistas Elie Horn, com 23,58% de participação, Leo Krakowiak com mais 21,97%. Ao mesmo tempo, estão distribuídas a demais investidores na bolsa uma fatia de 31,36%, do total de 59,3 milhões de papéis em circulação. A Verde Asset Management Gestora de Recursos possui ainda 8,06% de participação e Danubio do Brasil Administração e Participações, 9,20%. Por fim, a EH Capital Management tem ainda 2,64%.

Ao longo do ano passado, a empresa registrou lucro líquido de R$ 127,9 milhões . Mas em 2019, o resultado havia sido maior: R$ 96,7 milhões.

Mills Estruturas de Serviços e Engenharia (MILS3)

Em resumo, a Mills Estruturas de Serviços e Engenharia (MILS3) é uma empresa de engenharia e tem como atividade principal, serviços especiais de engenharia e Locação de plataforma.

Em quadro societário, 37,55% das ações estão distribuídas a acionistas na bolsa. No entanto, Sun Fundo de Investimento em Participações Multiestratégia possui 20,47%, Snow Petrel posseui 9,40% e o Fundo de Investimento em Participações Axxon Brazil Private Equity Fund, 4,88%. As demais ações, com participações minoritárias individuais, que variam de 2,09% a 5,49%.

Até setembro do ano passado, a companhia registrou prejuízo líquido de R$ 12,3 milhões. No entanto, o valor é bem menor do que o prejuízo de 2019 (R$ 42,3 milhões).

Onde encontrar small caps?

Empresas small caps são listadas no índice que leva o mesmo nome. Para investir, você pode escolher fundos que acompanham o índice.

Na B3, há ainda as cotas de ETFs – fundos de ações negociação na bolsa. Ou seja, é uma outra maneira de aplicar em small caps.

Para entender a melhor estratégia para o seu caso, o melhor é contar com um profissional que possa te assessora. No EuQueroInvestir, você pode ter essa consultoria ao preencher o formulário abaixo.

Money Week 5ª Edição

5 Dias de Evento | 70 Autoridades do Mercado Financeiro | 20 Horas de Conteúdo