Shopping Centers registram queda de até 90% após reabertura em SP

Paulo Amaral
Jornalismo é meu sobrenome: 20 anos de estrada, com passagens por grandes veículos da mídia nacional: Portal R7, UOL Carros, HuffPost Brasil, Gazeta Esportiva.com, Agora São Paulo, PSN.com e Editora Escala, entre outros.
1

Crédito: Reprodução/Wikimedia

Os Shopping Centers de São Paulo, liberados para reabertura mesmo com a pandemia de coronavírus batendo recordes diários, ainda sentem os efeitos da crise.

Dúvidas sobre como investir? Consulte nosso Simulador de Investimentos

Segundo levantamento divulgado pela Alshop (Associação Brasileira de Lojistas de Shopping), o faturamento está até 90% menor desde o retorno ao trabalho.

“A queda foi vertiginosa nas vendas, o que mostra o quanto o setor do comércio foi comprometido com a pandemia”, comentou Nabil Sahyoy, presidente da Alshop.

“Os prejuízos estimados estão em 35 bilhões de reais e só na grande São Paulo 10% das lojas não vão mais reabrir por falta de condições o que irá aumentar o desemprego, além da queda da arrecadação”, emendou o executivo.

O levantamento da entidade comprova as palavras do presidente. A pesquisa realizada entre os dias 24 e 26 de junho apontou outros dados preocupantes para o setor, e mostram que a recuperação, além de demorada, para alguns pode sequer acontecer.

Estado tem 180 shopping centers

A Alshop conversou com associados que representam cerca de 4 mil pontos de vendas no País. Só no Estado de São Paulo, de acordo com o órgão, há 180 shopping centers.

A pesquisa revelou que 32% dos lojista da capital relataram que o faturamento caiu 90%, enquanto para 41% deles a receita caiu em até 80%.

Fora de São Paulo, 35% dos associados afirmaram que tiveram queda de até 80% no faturamento, enquanto uma parcela de 29% dos entrevistados registraram queda de até 70% nas vendas.

Os benefícios de se ter um assessor de investimentos

Vendas online não ajudam

Ações de comércio eletrônico sobem 24%

Apesar de o e-commerce estar crescendo bastante durante a pandemia de coronavírus, os lojistas de shopping centers afirmaram que essa modalidade de negócio pouco ajudou a eles.

Uma parcela de 41% afirmou que as vendas online “não são relevantes” para o faturamento, enquanto 26,5% disseram que o e-commerce movimenta cerca de 10% das vendas. Outra parcela, de 23,5%, responderam que as vendas online representam 20% do total.

Planilha de ações: baixe e faça sua análise para investir