Setor de serviços surpreende e avança 3,7% em fevereiro; consenso era de 1,5%

Cláudia Zucare Boscoli
Jornalista formada pela Cásper Líbero, com pós-graduação em Jornalismo Econômico pela PUC-SP, especialização em Marketing Digital pela FGV e extensão em Jornalismo Social pela Universidade de Navarra (Espanha), com passagens por IstoÉ Online, Diário de S. Paulo, O Estado de S. Paulo e Editora Abril.
1

Crédito: Reprodução/IBGE

A Pesquisa Mensal de Serviços (PMS), do IBGE, apontou nesta quinta-feira (14) que o setor avançou 3,7% na comparação entre janeiro e fevereiro de 2021. O resultado é bem melhor do que o consenso de 1,5%. Porém, não reflete as novas medidas de distanciamento adotadas em março.

Na comparação com fevereiro de 2020, sem ajuste sazonal, porém, há recuo de 2%. No acumulado de doze meses, a queda é de 8,6%.

Já na análise com ajuste sazonal, o setor supera, pela primeira vez, o nível em que se encontrava antes da pandemia. Em nove meses de altas consecutivas, serviços tem crescimento de 24%. E, com isso, fica 0,9% acima do patamar de fevereiro de 2020.

serviços

Reprodução/IBGE

Serviços: destaque para transportes

Entre as atividades, a expansão de maior importância em fevereiro foi a dos transportes, serviços auxiliares aos transportes e correio (4,4%), que acumulou ganho de 8,7% nos dois primeiros meses do ano e agora supera em 2,8% o patamar de fevereiro do ano passado.

“Nesse segmento vêm se destacando as empresas que prestam serviço de logística. Elas já vinham tendo alta expressiva por conta do aumento das exportações de petróleo e do agronegócio. Mas, durante a pandemia, tiveram uma grande escalada de demanda, devido ao crescimento das vendas no comércio online”, afirma o gerente da pesquisa, Rodrigo Lobo.

Todas as cinco atividades pesquisadas apresentaram avanço:

  • Transportes, serviços auxiliares aos transportes e correio: 4,4%
  • Serviços profissionais, administrativos e complementares: 3,3%
  • Serviços prestados às famílias: 8,8%
  • Outros serviços: 4,7%
  • Informação e comunicação: 0,1%

Serviços: 18 de 27 unidades da federação têm avanço

Dezoito das 27 unidades da federação apresentaram avanço no indicador.

São Paulo (4,3%), Minas Gerais (3,5%), Mato Grosso (14,8%) e Santa Catarina (3,9%) registaram as principais altas. O Distrito Federal (-5,1%) a retração mais relevante.

Turismo tem alta de 2,4% em fevereiro

Em fevereiro de 2021, o índice de atividades turísticas subiu 2,4 % frente ao mês anterior, sua segunda taxa positiva seguida, após a variação de -0,1%, em dezembro de 2020.

O segmento de turismo avançou 127,5% entre maio de 2020 e fevereiro de 2021, mas ainda necessita crescer 39,2% para retornar ao patamar de fevereiro de 2020.

Pesquisa não reflete, porém, novas restrições

Em relatório, a equipe de economia do BTG (BPAC11) ressalta que, apesar do resultado bem acima das expectativas, o resultado é referente ao mês de fevereiro. Logo, não reflete as novas medidas de isolamento social devido à pandemia.

Em março, o resultado deve ser de mais cautela, com recrudescimento da curva de contágio e um mercado de trabalho ainda fragilizado e sem auxílio emergencial. Isso porque o setor necessita, por definição, de circulação de pessoas, principalmente o subgrupo de serviços às famílias.

“Vale destacar que, apesar das medidas mais restritivas, a mobilidade social não sofreu a mesma retração que em 2020, ou seja, serviços deve apresentar resultados negativos nos próximos meses, mas não tão negativos quanto no ano passado”, afirmam os economistas do banco.

“Entendemos que a recuperação consistente do setor de serviços ocorrerá com a aceleração do cronograma de vacinação, que permitirá a retomada de grande parte das atividades presenciais”, complementam.