Fundos multimercados são opção para ter carteira diversificada

Ronaldo Araújo
Ex-assessor de investimentos agora atuante no marketing digital; habilidades em produção de conteúdo, copywriting e gestão de tráfego pago, com proficiência no gerenciador de negócios do Facebook e campanhas no Google Ads.
1

Crédito: Foto: Advantus Media Inc. and QuoteInspector.com

Dados da Associação Brasileira das Entidades dos Mercados Financeiros Anbima — mostram que os fundos multimercados já são a segunda modalidade preferida de investimento dos brasileiros. Já somam mais de 23% do mercado, ficando atrás apenas dos fundos de renda fixa. Isso denota uma inteligente diversificação de carteira e uma maior aceitação pelo risco nos investimentos.

Atingir um patrimônio de R$ 100 mil é para poucos, o que amplia o desafio de busca pelas melhores aplicações para multiplicá-lo

Para compreender melhor o assunto, trazemos este artigo até você. Nele, você encontrará informações importantes acerca dessa modalidade de investimento flexível e suas vantagens. Você verá quais são os riscos associados e os tipos de fundos multimercados existentes. Para saber de tudo isso, basta prosseguir com a leitura agora mesmo!

O que são fundos multimercados?

Todo fundo de investimento é um veículo de aplicação financeira que conta com gestores especializados para alocar os recursos. Cada categoria de fundo tem suas regras específicas. Por exemplo, os fundos de renda fixa precisam ter pelo menos 80% em títulos dessa natureza. Já os fundos de ações são obrigados a manterem ao menos 67% de seu valor em títulos acionários.

Mas os fundos multimercados não obedecem a nenhuma regra de composição de patrimônio. Isso quer dizer que o gestor de um fundo desses pode fazer a alocação do capital da forma que bem entender, seguindo a política de investimentos descrita no regulamento, é claro. Na prática isso significa muito mais liberdade para a equipe de gestão fazer as escolhas de investimento que julgar melhor.

Dessa forma, os fundos multimercados são ótimas opções de investimento como forma de diversificação de carteira sob dois aspectos. O primeiro deles diz respeito ao fato de que um fundo desse tipo tem a liberdade de aplicar seus recursos da forma que bem entender. Por si só isso já constitui uma boa diversificação do portfólio, visto que podem existir ativos de todos os mercados dentro do fundo.

A segunda forma é ter investimentos de maior risco compondo todo o patrimônio pessoal. Pessoas muito acostumadas apenas com a renda fixa podem iniciar no mercado de risco adquirindo cotas de fundos multimercados moderados. Esses são fundos com baixa volatilidade e servem como uma espécie de treino para quem está iniciando sua jornada em mercados mais arriscados.

Quais são os riscos associados a fundos desse tipo?

De praxe, existem os riscos inerentes a qualquer tipo de fundo. Além desses tradicionais, o fundo correrá os riscos dos papéis que detém em sua carteira. Essa é uma regra inescapável de qualquer tipo de investimento. Por fim, o fator liquidez deve sempre ser considerado de acordo com a estratégia de aplicação de cada investidor, pois a maior parte desses fundos tem resgate de cota por volta de trinta dias.

Em relação aos riscos enfrentados pelos fundos em geral, os fundos multimercado também estão sujeitos ao risco de crédito. Isso tem relação com a capacidade de pagamento da instituição emissora de determinado título. Caso haja problemas financeiros, o pagamento de um dado investimento pode não ser feito e, com isso, existiram problemas no fluxo de caixa do fundo.

Outro risco é aquele referente ao mercado. Nele estão inclusos as variações ocorridas por conta dos cenários político e econômico. Decisões dessa ordem costumam ter reflexos no mercado financeiro. A depender da exposição do patrimônio do fundo a títulos de risco, a volatilidade será maior ou menor nesses períodos. Daí existirem fundos multimercados moderados e agressivos, pois quanto mais títulos de risco o fundo possui, maior será a variação de suas cotas.

Quais são os principais tipos de fundos multimercados?

A classificação dos multimercados é ampla e possui categorias e subcategorias. Em relação ao primeiro aspecto da categoria, eles podem ser divididos em fundos de alocação, estratégia ou investimento no exterior. Apenas este último não possui subcategorias.

Alocação

Em relação à alocação, um fundo multimercado pode ser balanceado ou dinâmico. A diferença entre os dois está em três aspectos basicamente: a estratégia do primeiro é predeterminada enquanto a do segundo não tem comprometimento com nenhuma classe de ativos especificamente.

Além disso, os fundos balanceados tentam superar um benchmark específico, já os dinâmicos têm mais flexibilidade para responder as diferentes nuances do mercado. Por fim, os primeiros não podem operar alavancado, ou seja, com investimentos maiores que seu próprio patrimônio líquido. Isso é permitido aos segundos que o podem fazer deliberadamente.

Estratégia

A classificação de estratégia é referente ao modo de alocação de recursos que a política de investimentos do fundo determina. A seguir são explicados as principais subcategorias presentes nessa modalidade.

Macro

Essa subcategoria de fundo investe considerando o médio e longo prazo. Para isso, baseia suas estratégias considerando o cenário macroeconômico, ou seja, decisões político-econômicas tomadas por um governo que guiam a economia de todo o país.

Long and short

Esse termo é usado para designar operações “casadas” de compra e venda. A ideia é buscar ativos correlacionados de alguma forma e explorar distorções apresentadas no curto prazo. Pode ser também que essa relação ocorra entre um ativo e seu derivativo, proporcionando uma oportunidade de obter ganho com o retorno ao comportamento histórico.

Juros e moedas

Como o próprio nome remete, os multimercados comprometidos com essa estratégia alocam seus recursos em títulos ligados à variação de juros e em moedas estrangerias. Normalmente os ativos de moedas estão ligados ao euro e dólar, enquanto os ativos relacionados aos juros estão atrelados à SELIC, IPCA e IGPM.

Livre

Os fundos livres não têm comprometimento aberto com nenhuma estratégia pré-determinada em suas aplicações. O gestor é livre para fazer alocação (e sua movimentação) da maneira que achar melhor, de acordo com as condições apresentadas pelo mercado. Com isso, grande flexibilidade de aplicação é conseguida.

Investimentos no exterior

Essa é a única classificação dos fundos multimercados que não tem subcategoria. Isso é decorrente de sua fácil identificação, pois os fundos dessa modalidade são caracterizados por manterem um mínimo de 40% de seu patrimônio aplicados em ativos financeiros estrangeiros.

Os fundos multimercados servem como uma estratégia inteligente de diversificação de carteira. Ao mesmo tempo que uma parte do capital é destinado a investimentos de risco desse tipo, sua alocação permite trazer certa tranquilidade visto que parte do recurso do fundo pode permanecer em renda fixa.

Com isso, os multimercados podem apresentar baixa volatilidade, preservando a oscilação do patrimônio. Ao mesmo tempo, existem os fundos mais agressivos, com grande participação em ações e com alavancagem. O perfil de cada investidor indicará o multimercado mais apropriado.