Série Certificações: entenda o que é CPA-10 e CPA20

Ronaldo Araújo
Engenheiro e Agente Autônomo de Investimentos, hoje me dedico a divulgar ensinamentos sobre como funciona a Previdência Privada. Acredito que com mais conhecimento é possível fazer melhores escolhas para a formação do patrimônio de longo prazo. Para saber mais acesse www.ronaldoaraujo.com.br
1

Existe um grupo de certificações no mercado financeiro muito conhecido entre os profissionais do ramo. Trata-se da certificação de profissionais ANBIMA, mais conhecida por sua sigla CPA. Ela é dividida em duas categorias e cada uma delas tem uma aplicação específica no mercado financeiro.

Este artigo explica melhor o seu funcionamento. Ao ler o texto, você saberá como as certificações estão estruturadas. Conhecerá a diferença entre elas, como se dá o exame e quais são os tópicos que são necessários conhecer.

Siga na leitura agora mesmo e absorva todo esse conhecimento!

O que é a certificação CPA?

As certificações CPA são tidas como uma espécie de certificação básica do mercado financeiro. Sua sigla quer dizer Certificação Profissional ANBIMA e não existem pré-requisitos de formação superior ou experiência prévia no mercado financeiro para prestar o exame. Essa é a razão de considerá-la uma primeiro passo rumo a atuação em finanças.

As certificações CPA são exigidas a todos que queiram atuar na distribuição de produtos de investimento junto à instituições financeiras comerciais, como os bancos de varejo. A atuação dos profissionais pode se dar em agências bancárias ou via plataformas de atendimento, quer seja de modo físico ou virtual. Trata-se de um mecanismo para refinar os conhecimentos de quem atua nesse tipo de mercado para prestar o melhor serviço possível.

Qual é a diferença entre as certificações CPA-10 e CPA-20?

A certificação CPA-10 é considerada mais básica e é requerida para praticamente todos os funcionários de instituições bancárias que lidam com a distribuição de produtos de investimentos. Tem-se como exemplos as funções de atendente comercial, gerentes de bancos e até mesmos os caixas que lidam com o público em geral.

Já a CPA-20 representa um grau superior à CPA-10. A razão disso é que todas as funções desempenhadas por um CPA-10 podem ser exercidas por um CPA-20. No entanto, existem atribuições adicionais a estes últimos: eles são habilitados a tratarem com o público de alta renda, com perfil de investimento de grandes valores. Os clientes privates e os investidores institucionais são exemplos desse tipo de público.

Como se dá o exame para conquistar as certificações?

O passo inicial para se certificar em qualquer uma das CPAs é realizar a inscrição. Essa etapa deve ser feita no próprio site da ANBIMA e há valores diferentes para quem é associado e para quem não é. No caso da CPA-10, os valores são de R$ 284,00 e 342,00 respectivamente. Já a CPA-20 custa R$ 429,00 e R$ 514,00, também de modo respectivo.

Após pagar a taxa, basta marcar uma data e escolher um local credenciado para prestar o exame. A prova da CPA-10 conta com 50 questões de múltipla escolha e pode durar 2 horas no máximo, enquanto o exame da CPA-20 é composto por 60 questões e tem duração limite de 2 horas e meia.

Como todo o exame é computadorizado, é possível ter acesso ao resultado logo após sua realização. É necessária uma taxa de acerto mínima de 70% para ser considerado aprovado em ambos os casos. Por fim, vale citar o prazo de validade da certificação: caso o profissional esteja vinculado a uma instituição financeira, o tempo é de 5 anos. Do contrário, a validade é de apenas 3 anos. Isso vale para as duas categorias da CPA.

Quais são os conteúdos dos exames?

Ambas as certificações requerem o mesmo campo de estudo. O que difere um exame do outro é o nível de profundidade requerido nas questões. Sendo assim, é necessário deter conhecimentos sobre o Sistema Financeiro Nacional, sobre finanças e economia, princípios básicos de investimento e análise de perfil do investidor.

Também são requeridos conhecimentos a respeito da indústria de fundos de investimentos, sobre os instrumentos que compõem a renda fixa e a renda variável e também conceitos a respeito da previdência complementar. Cada um dos tópicos é dividido por um percentual de peso considerado sobre o total de questões do exame.