Serasa indica que pedidos de recuperação judicial têm queda de 1,5% em 2019

Fernando Augusto Lopes
Redator e editor

Crédito: Divulgação / AcidadeOn

O Indicador Serasa Experian de Falências e Recuperações Judiciais mostra que os pedidos de recuperação judicial tiveram uma queda de 1,5% em 2019, com relação ao ano anterior. Foram 1.387 requisições, em comparação às 1.408 registradas no mesmo período de 2018.

“A queda nos pedidos de recuperação judicial reflete a melhora da economia em 2019, reforçada pelas reduções nas taxas de juros. O crescimento das grandes empresas vai na contramão da tendência geral por conta de pedidos específicos de empresas relevantes dos setores de construção civil e editorial. Se não essa questão, os pedidos teriam caído também”, explicou o economista da Serasa Experian Luiz Rabi.

Números do indicador

As micro e pequenas empresas lideraram as requisições. Foram 851 em 2019, volume menor do que nos anos anteriores. O movimento foi seguido pelas médias empresas, que tiveram 309 solicitações, contra 327 em 2018, que também já era menos do que em 2017, com 357. Já as grandes empresas apresentam alta no total de pedidos, com 227 em 2019.

O setor de serviços foi o que registrou maior volume de pedidos, com 598 solicitações. O comércio vem logo na sequência, com 349 pedidos. E indústria teve 271 requisições.

Entretanto, analisando apenas o mês de dezembro, os pedidos de recuperação judicial tiveram alta de 7,2%. Foram 119 pedidos no último mês de 2019, contra 114 pedidos no último mês de 2018. As micro e pequenas empresas lideraram as requisições, com 83.

Quer começar o dia bem-informado com as notícias que vão impactar o seu bolso? Clique aqui e assine a newsletter EQI HOJE!

Requisição judicial

Quando a empresa entra com o pedido de recuperação em juízo, acompanhado da documentação prevista em lei, ele será analisado pelo juiz. Neste momento, verificará se o pedido poderá ser aceito.

Depois dessa etapa, se tudo estiver certo, é apresentado um plano de recuperação. Se acatado o pedido, a empresa permanecerá em recuperação judicial até que se cumpram todas as obrigações previstas no plano.