Sentimento do consumidor tem melhora nos EUA

Cláudia Zucare Boscoli
Jornalista formada pela Cásper Líbero, com pós-graduação em Jornalismo Econômico pela PUC-SP, especialização em Marketing Digital pela FGV e extensão em Jornalismo Social pela Universidade de Navarra (Espanha), com passagens por IstoÉ Online, Diário de S. Paulo, O Estado de S. Paulo e Editora Abril.
1

Crédito: Reprodução/Pixabay

Depois de uma queda recorde em abril, quando caiu 17,3 pontos, o Índice de Sentimento do Consumidor norte-americano, calculado pela Universidade de Michigan, registrou uma melhora de 1,9 ponto em maio.

O indicador foi de 71,8 pontos para 73,7.

A ligeira alta foi garantida pelo Índice de Condições Atuais, que teve alta de 74,3 pontos para 83.

No entanto, o índice de expectativas com o futuro foi de 70,1 para 67,7 pontos.

Segundo o relatório da Universidade de Michigan, as perspectivas quanto à situação financeira para o próximo ano continuaram a enfraquecer, caindo para o nível mais baixo em quase seis anos, com quedas especialmente acentuadas entre as famílias de alta renda.

Houve melhora no sentimento do consumidor sobre as condições de compra, decorrente da queda dos preços na baixa demanda e também pelas taxas de juros em níveis mínimos, que incentivam os empréstimos.

confiança do consumidor

Sentimento do consumidor: ameaça à saúde ainda é principal preocupação

Os entrevistados foram instados a responder qual seria a maior preocupação: ameaça à saúde, isolamento social ou impacto nas finanças.

Para 57%, a ameaça à saúde é o que mais preocupa. Para 17%, são as questões financeiras. E para 21%, o isolamento social. Em termos comparativos, em abril estes dados eram 61%, 22%, e 14%, respectivamente.

Leia também: Varejo nos EUA despenca 16,4% em abril
Prévia do PIB nos EUA prevê queda de 4,8% no primeiro trimestre
Vendas no varejo no Brasil cai 2,5%; supermercados evitam tombo maior

Os benefícios de se ter um assessor de investimentos