Seja quem for o próximo presidente, PIB tende a crescer 3% nos próximos anos

Independente de quem seja o presidente eleito, o crescimento do Produto Interno Bruto (PIB) nos próximos dois anos tende a ficar entre 3% e 3,5%. A afirmação foi feita pelo presidente do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), Dyogo de Oliveira, durante o fórum organizado pela Associação Brasileira de Incorporadoras Imobiliárias (Abrainc), em São Paulo.

Patrícia Auth
Patrícia Auth é jornalista formada pela Univali de Itajaí/SC. Trabalhou em impressos, como o Jornal de Santa Catarina, e também, como repórter na Rede Record e RBS TV. É casada, mãe da Lívia e adoradora de boa música e gastronomia.Na equipe EuQueroInvestir, é responsável pela produção de vídeos, e também escreve e edita artigos para o site.Entre em contato com a Patrícia pelo e-mail: patricia.auth@euqueroinvestir.com

Crédito: Crédito da imagem: Reprodução/Internet

Oliveira argumentou dizendo que, essa ordem de crescimento do PIB irá acontecer de forma natural, sem intercorrências, e que hoje o “impacto prático das eleições nas nossas vidas é muito menor do que no passado”.

O presidente do BNDES aproveitou para tranquilizar os representantes da construção civil afirmando que, a volatilidade atual é característica de toda a eleição e que, o avanço já dado, não pode mais ser revogado.

“Preparemo-nos, porque o Brasil vai dar certo”, afirmou Dyogo de Oliveira.

Porém, as previsões otimistas de Oliveira foram rebatidas por participantes do fórum. O presidente da Câmara Brasileira de Indústria da Construção (CBIC), José Carlos Martins, por exemplo, foi convicto em dizer que não existe crescimento de 3% (PIB) com investimentos na casa dos 15% do PIB.

Uma das formas mais eficientes de identificarmos o nosso perfil de investidor, é realizando um teste de perfil.

Você já fez seu teste de perfil? Descubra qual seu perfil de investidor! Teste de Perfil

Reforma fiscal

Dyogo de Oliveira acredita numa reforma fiscal já no início do próximo governo, independente de quem seja o novo presidente. Assim sendo, a saída para o país é o crescimento do mercado imobiliário, aposta o presidente do BNDES.

Dyogo de Oliveira, presidente do BNDES.

Ele destacou ainda que, se a taxa Selic permanecer no atual patamar por dois anos, os R$ 6 trilhões de recursos que estão “estagnados” em fundos de renda fixa, reservas dos fundos de pensão e das seguradoras, e nos Family Offices, podem fortalecer o setor.

Falando em PIB…

Como andam os seus investimentos, ou, a sua vontade de investir? A nossa dica é começar pelo teste de perfil. E nisso, nós te ajudamos de maneira bem rápida!

[banner id=”teste-perfil”]