Seguro-desemprego: pedidos nos EUA caem para mínima em 7 meses

Paulo Amaral
Jornalismo é meu sobrenome: 20 anos de estrada, com passagens por grandes veículos da mídia nacional: Portal R7, UOL Carros, HuffPost Brasil, Gazeta Esportiva.com, Agora São Paulo, PSN.com e Editora Escala, entre outros.
1

Os pedidos de seguro-desemprego na semana encerrada em 7 de novembro alcançaram o menor índice dos últimos sete meses, de acordo com o Departamento de Trabalho dos EUA.

Segundo o órgão, foram registrados 709 mil pedidos no período, 48 mil a menos do que os 757 mil efetuados na semana imediatamente anterior.

Além de ter sido o menor índice registrado desde abril, o número também marcou a quarta redução semanal seguida do indicador, mostrando pequenos sinais de de recuperação da economia.

Perdeu a Money Week?
Todos os painéis estão disponíveis gratuitamente!

A média móvel das quatro últimas semanas foi de 747 mil, o que representou uma baixa de 33 mil em relação à semana anterior, que era de 788 mil pedidos de seguro-desemprego.

Pedido por seguro-desemprego: maior que no pré-pandemia

O novo recuo estabeleceu boas marcas na semana encerrada em 7 de novembro, mas ainda insuficientes quando comparadas ao período pré-pandemia.

Segundo o Departamento do Trabalho dos Estados Unidos, o número de pedidos por seguro-desemprego segue mais do dobro do registrado antes da Covid-19 explodir.

Em março, primeiro mês em que os efeitos da pandemia foram observados na economia, foram registrados 282 mil pedidos semanais.

Payroll em outubro: acima dos níveis pré-Covid

O Departamento de Trabalho dos EUA informou, na última sexta-feira (6), os dados do payroll, relatório de emprego de outubro. A taxa de desemprego voltou a cair no país, recuando para 6,9% no mês passado.

O número de desempregados diminuiu de 12,6 milhões para 11,1 milhões, configurando a sexta queda seguida tanto no indicador de desemprego quanto no de desempregados.

O órgão ressaltou, no entanto, que ambos os índices seguem muito acima do que eram registrados antes do início da pandemia da Covid-19, no fim de fevereiro.

Segundo os dados do Departamento de Trabalho dos EUA, no mês em questão o desemprego tinha uma taxa de 3,5% no país, que registrava 5,8 milhões de desempregados.

Criação de novas vagas de emprego

Os dados do órgão apontaram ainda que foram criados 638 mil novos postos de empregos em outubro, número abaixo do registrado em setembro, que bateu perto das 900 mil vagas de trabalho.

Apesar da queda no total de novas vagas criadas, o Departamento de Trabalho norte-americano soltou nota oficial em tom otimista com relação à recuperação econômica do país.

“A forte retomada econômica continua. A participação de asiáticos, negros e hispânicos na força laboral ajudou a diminuir substancialmente o desemprego”, declarou.

Seguro-desemprego tem terceira queda seguida

Os pedidos por seguro-desemprego caíram pelo terceiro mês consecutivo nos Estados Unidos. Segundo o Departamento de Trabalho, foram 751 mil impetrados na semana que se encerrou em 31 de outubro, 7 mil a menos que na semana anterior.

Mesmo com o novo recuo, os pedidos por seguro-desemprego seguem bem acima da média registrada antes da pandemia. Em março, no início da crise do coronavírus, os Estados Unidos registraram 282 mil pedidos semanais.

Precisa de orientação para investir no mercado acionário? AEQI Investimentos pode ajudar. Basta preencher o formulário abaixo que um assessor entrará em contato. 

Leia mais: Pedidos de seguro-desemprego nos EUA tem terceira queda seguida