EUA: novos pedidos de seguro-desemprego ficam em 576 mil, bem abaixo da projeção

Cláudia Zucare Boscoli
Jornalista formada pela Cásper Líbero, com pós-graduação em Jornalismo Econômico pela PUC-SP, especialização em Marketing Digital pela FGV e extensão em Jornalismo Social pela Universidade de Navarra (Espanha), com passagens por IstoÉ Online, Diário de S. Paulo, O Estado de S. Paulo e Editora Abril.
1

Crédito: Reprodução/Pixabay

Os novos pedidos de seguro-desemprego nos Estados Unidos vieram bem melhor do que a projeção: ficaram em 576 mil, quando eram aguardados 700 mil reivindicações.

Na semana passada, os pedidos foram 769 mil – revisados dos 744 mil anunciados anteriormente.

Este é o nível mais baixo para reivindicações iniciais desde 14 de março de 2020, quando 256 mil pedidos foram feitos.

O resultado tende a aumentar os temores com a possibilidade de alta inflacionária. Isto porque os EUA vivem um cenário de vacinação bem-sucedida, indicadores apontando retomada do mercado de trabalho e da produção, e ainda os efeitos do pacote de auxílio de US$ 1,9 trilhão do presidente Joe Biden.

BTG (BPAC11): resultado positivo pode desidratar pacote de infraestrutura

Para a equipe do BTG Pactual (BPAC11), o resultado positivo deve influenciar as discussões em torno do pacote de infraestrutura proposto por Biden.

O valor estimado do pacote, de mais de US$ 2 trilhões, e a proposta de aumento de impostos para empresas, já encontram resistência dos republicanos e até de alguns democratas.

Para o BTG, a retomada da economia em ritmo muito acima do esperado pode provocar a desidratação da proposta.

seguro-desemprego

Reprodução/Departamento do Trabalho