Novos pedidos de seguro-desemprego nos EUA ficam em 444 mil, melhor que a projeção

Cláudia Zucare Boscoli
Jornalista formada pela Cásper Líbero, com pós-graduação em Jornalismo Econômico pela PUC-SP, especialização em Marketing Digital pela FGV e extensão em Jornalismo Social pela Universidade de Navarra (Espanha), com passagens por IstoÉ Online, Diário de S. Paulo, O Estado de S. Paulo e Editora Abril.
1

Crédito: Reprodução/Flickr

Na semana finalizada em 15 de maio, os novos pedidos de seguro-desemprego nos Estados Unidos ficaram em 444 mil, ante 478 mil da semana anterior (ajustados dos 473 mil anunciados anteriormente).

O resultado veio melhor do que o mercado projetava, que eram 450 mil novos pedidos.

Este é o nível mais baixo para reivindicações desde 14 de março de 2020, antes do início da pandemia, quando os pedidos chegavam a 256 mil. E reforça a tese de que o mercado de trabalho e a economia americana estão em recuperação – e dá argumentos ao debate quanto à alta da inflação e, consequentemente, dos juros; e também à necessidade ou não de mais estímulos do governo em um cenário de retomada já em andamento.

A média móvel de pedidos em quatro semanas foi de 504,75 mil, com diminuição de 30,5 mil em relação à semana anterior.

seguro-desemprego

Reprodução/Departamento de Trabalho dos EUA