EUA: pedidos de seguro-desemprego ficam em 376 mil, pouco acima dos 370 mil projetados pelo mercado

Cláudia Zucare Boscoli
Jornalista formada pela Cásper Líbero, com pós-graduação em Jornalismo Econômico pela PUC-SP, especialização em Marketing Digital pela FGV e extensão em Jornalismo Social pela Universidade de Navarra (Espanha), com passagens por IstoÉ Online, Diário de S. Paulo, O Estado de S. Paulo e Editora Abril.
1

Crédito: EUA/Freepik/Divulgação

Na semana finalizada em 5 de junho, os novos pedidos de seguro-desemprego nos Estados Unidos ficaram em 376 mil, ante 385 mil da semana anterior.

O mercado aguardava leitura pouco melhor, de 370 mil.

Este resultado é o nível mais baixo para solicitações iniciais desde março do ano passado, quando foram de 256 mil.

Análises e Resumos do mercado financeiro com leituras de 5 minutos. Conheça a EQI HOJE

A média móvel de pedidos em quatro semanas foi de 402,5 mil, com diminuição de 25,5 mil em relação à semana anterior.

seguro-desemprego

Reprodução/Departamento do Trabalho

Payroll também veio abaixo da expectativa

Divulgado na semana passada, o payroll, folha de pagamentos oficial dos Estados Unidos, apontou a criação de 559 mil empregos em maio.

A projeção do mercado era maior: 650 mil novas vagas.

A taxa de desemprego recuou para 5,8%, ante leitura prévia de 6,1%.

Os dados de emprego vêm sendo acompanhados de perto pelos investidores, já que são considerados pontos-chave para a política do Federal Reserve (Fed).

Uma leitura abaixo da projeção pode sinalizar que o banco central americano não irá mexer nos estímulos tão cedo. Da mesma forma, leituras acima aumentam as apostas em retirada de estímulos em breve.

Com isto, diante do resultado do payroll, o mercado entendeu que faz sentido o discurso do Federal Reserve (Fed) de que a economia americana ainda demanda estímulos por conta da retomada ainda lenta do emprego. E que, portanto, a taxa de juros e a compra de títulos públicos atuais devem ser mantidas ainda por um bom tempo.

A próxima reunião do Fed acontece na quarta-feira (16) e as apostas predominantes são pela manutenção de sua política monetária.