Seguradora usou recursos do DPVAT para bancar festas de fim de ano, diz Folha

Paulo Amaral
Jornalismo é meu sobrenome: 20 anos de estrada, com passagens por grandes veículos da mídia nacional: Portal R7, UOL Carros, HuffPost Brasil, Gazeta Esportiva.com, Agora São Paulo, PSN.com e Editora Escala, entre outros.

Crédito: imagem/reprodução/sintelrio

O jornal Folha de S.Paulo divulgou, neste sábado (4), uma matéria em que aponta o suposto uso de recursos do DPVAT por parte de uma seguradora para bancar as festas de fim de ano da empresa.

De acordo com a reportagem, a Susep (Superintendência de Seguros Privados), vinculada ao Ministério da Economia, questionou R$ 20 milhões em despesas administrativas da Seguradora Líder, consórcio de seguradoras que administra o Seguro de Danos Pessoais Causados por Veículos Automotores de Via Terrestre.

A festa, que custou R$ 274 mil, foi um dos pontos usados pela Susep para defender os valores cobrados pelo DPVAT em 2020.

Abra agora sua conta na EQI Investimentos e tenha acesso a opções de investimentos de acordo com seu perfil. Invista em suas Escolhas

Segundo a Superintendência de Seguros Privados, bancar a festa de fim de ano com dinheiro do DPVAT está em desacordo com a legislação ou determinações do órgão, pois “trata-se de patrocínio não diretamente relacionado a objetos operacionais e institucionais do seguro”.

O outro lado

A Líder Seguradoras, por sua vez, alegou que a festa de fim de ano foi feita para “promover a valorização dos funcionários, gerando integração entre as áreas, que veem naquele momento uma oportunidade para conhecer melhor os setores, objetos e metas da empresa e gerar laços com gestores e subordinados”.

O DPVAT, segundo a Líder, seria gerido pelos funcionários da seguradora, e a festa “é parte do conjunto de elementos que permitem o adequado desempenho de suas atividades.”