Segredos que você deveria saber para escolher uma previdência privada

Mateus de Moura Oliveira
Contador, graduando em Direito, especialista em Metodologia do Esino Superior e Contabilidade Tributária. Amante de temas que envolva tributos.

Para muitos, chegar à velhice e depender da Previdência Social significa reduzir seu padrão de vida, assim, investir em previdência privada é uma excelente alternativa para evitar esse tipo de situação.

Muitos, por falta de conhecimento, fogem desse tipo de aplicação e, portanto, deixam de aproveitar uma terceira idade mais tranquila.

Nesse contexto, relacionamos alguns segredos que você precisa saber para escolher uma previdência privada que caiba no seu bolso.

EQI, BTG Pactual Forpus Capital lançam novo fundo de ações

Qual a diferença entre Previdência Social e Previdência Privada

Na Previdência Social a contribuição ocorre sobre o salário, é obrigatória para quem está sob o regime CLT (Consolidações das Leis do Trabalho)

Na Previdência Social, o valor que receberá em benefício não se limita ao recolhido no período de contribuição.

Diferente dela, na Previdência Privada  o contribuinte pode escolher o valor e o período que pode contribuir.

Realize o teste e descubra investimentos perfeitos para seus objetivos

Em contrapartida, o dinheiro recebido será proporcional ao que contribuiu.

Dessa maneira, ela funciona como uma poupança, em que se deposita periodicamente valores que são acumulados e corrigidos por índices. 

Características da previdência privada

Para você que está pensando em investir em previdência privada precisa saber de três informações importantes que te ajudarão a tomar decisões mais assertivas, são elas:

Simule seus rendimentos de acordo com seu potencial de investimento.

  • a categoria dos planos disponíveis;
  • o tipo de tributação incidente sobre o investimento;
  • a estratégia de gestão adotada.

Ao conhecer esses aspectos, além de optar por um plano vinculado ao seu perfil, isso evitará surpresas futuras, como impostos não recolhido ou perdas provenientes de riscos de investimentos.

Categoria dos planos de previdência

Existem duas categorias de planos previdenciários:

  • Vida Gerador de Benefício Livre (VGBL) ;
  • Plano Gerador de Benefício Livre (PGBL).

Em ambos, o investidor passará por duas fases:

Ferramenta ajuda na escolha de suas ações de acordo com balanços

  • de investimento – momento em que é feita a aplicação;
  • de benefício –  período em que o resgate ocorre.

Quando falamos em VGBL uma das características mais marcantes é que a incidência do Imposto de Renda (IR) incide sobre a rentabilidade. 

No PGBL o IR incide sobre o valor total do resgate, porém os aportes podem ser usados para abater no imposto.

Tipo de tributação do fundo de previdência

Também existem diferenças quanto ao tipo de tributação.

Não importa qual o plano de previdência escolhido, você terá que optar por um dos dois regimes abaixo:

  • progressivo: nele, os percentuais da tributação de Imposto de Reda vão de 0% (isentos) a 27,5%, recomendado para investimentos a curto prazo;
  • regressivo: existe uma retenção de 35% a 10%, valores que variam conforme o tempo que o recurso aplicado.

No regressivo, quanto maior for o tempo da aplicação, menor será o valor do imposto que deverá ser recolhido, dessa forma, investimento indicado a longo prazo.

Se atente para questões tributárias e evitar surpresas futuras com a Receita Federal.

Escolha do modelo de estratégia de gestão

Como os fundos conseguem alocar seus recursos em diferentes mercados, os rendimentos podem ser pré-fixados ou pós-fixados.

Dessa forma, a escolha sobre o melhor tipo deve alinhar-se com a estratégia e ao seu perfil de investidor.

Taxas cobradas ao realizar um plano de Previdência Privada

Os planos de previdência costumam cobrar três tipos de taxas:

  • de carregamento – incidente sobre cada contribuição;
  • de gestão – geralmente cobrada anualmente;
  • de saída – cobrada no momento do resgate dos valores.

É necessário se informar sobre os valores de cada uma delas.

Saiba quais os requisitos para aderir a um plano de Previdência Privada

Aderir a um plano de previdência privada é muito simples, não exige idade mínima, comprovação de renda e qualquer pessoa pode realizar esse investimento.

Então, até mesmo uma criança pode começar a investir, lembrando que é um plano de investimento à longo prazo.

 

Investir em previdência privada é uma maneira de garantir mais conforto para o seu futuro, entretanto, como todo investimento, demanda reflexão consciente sobre seu contexto financeiro e conhecimento das características de cada um deles.

Dessa maneira, conhecer modalidades, taxas, deduções e outras características do seu plano auxilia para na realização da escolha certa.

Portanto, investir em previdência privada, converse com o seu gerente e busque informações sobre os pormenores do plano que irá contratar.