Secretário elogia PEC Emergencial e defende consolidação fiscal

Paulo Amaral
Jornalismo é meu sobrenome: 20 anos de estrada, com passagens por grandes veículos da mídia nacional: Portal R7, UOL Carros, HuffPost Brasil, Gazeta Esportiva.com, Agora São Paulo, PSN.com e Editora Escala, entre outros.
1

Crédito: Agência Brasil

Adolfo Sachsida, secretário de Política Econômica do Ministério da Economia, classificou como “um grande acerto” o texto da PEC Emergencial, recentemente aprovado em segundo turno pela Câmara.

Na visão de Saschida, a nova PEC foi um “grande acerto da política econômica”, pois “providencia um arcabouço de credibilidade fiscal que permite pagar o auxílio emergencial ancorando as expectativas de inflação”.

Praticidade e precisão, saiba quais melhores investimentos e como melhorar rentabilidade de suas ações

Durante participação ao vivo e online nesta quarta (17), para comentar os números do Boletim Macro Fiscal, o secretário defendeu o processo de consolidação fiscal como forma mais efetiva de retomar o crescimento econômico no País.

Para isso, ele citou mais uma vez a PEC Emergencial, lembrando que ela estabelece contrapartidas fiscais à nova rodada do auxílio emergencial.

Além da PEC, Saschida teceu comentários positivos à outras medidas tomadas pelo governo em 2020.

Ele citou, por exemplo, o Benefício Emergencial de Preservação do Emprego e da Renda (BEm), responsável por frear uma onda de demissões no setor formal de empregos.

Vacinação e expansão de crédito, pontos além da PEC

O secretário do Ministério da Economia engrossou o coro cada vez maior de vozes por uma vacinação em massa no País.

Segundo Saschida, “o mercado de trabalho se ajustará rapidamente com a vacinação”.

Além disso,  o economista citou que como fatores importantes para a retomada: a expansão do crédito, a elevação da taxa de poupança, e a demanda internacional por commodities das quais o Brasil.