Secretário do Tesouro diz que Governo não quebrará teto de gastos

Paulo Amaral
Jornalismo é meu sobrenome: 20 anos de estrada, com passagens por grandes veículos da mídia nacional: Portal R7, UOL Carros, HuffPost Brasil, Gazeta Esportiva.com, Agora São Paulo, PSN.com e Editora Escala, entre outros.
1

Bruno Funchal, secretário do Tesouro Nacional, assegurou que o Governo Federal fará de tudo para respeitar a regra do teto de gastos.

Dúvidas sobre como investir? Consulte nosso Simulador de Investimentos

Em participação na videoconferência promovida pelo site Jota, Funchal assegurou que a ideia é ter o máximo de transparência para “fazer as coisas da forma correta”.

“A gente não quer romper o teto de gastos de forma nenhuma. A gente quer o máximo de transparência possível e fazer o que é correto”, avisou.

“Fazer o que é correto e respeitar o teto de gastos. Não existe jeitinho, tem que fazer o correto do jeito que tem que ser feito. Jeitinho, isso acaba sendo percebido e não tem outra alternativa”, complementou o secretário do Tesouro.

Maia concorda, mas vê desafio para manter teto

O teto de gastos foi aprovado via emenda constitucional em 2016 e tem validade de 20 anos.

Os benefícios de se ter um assessor de investimentos

De acordo com o texto, os gastos da União não podem ser superiores à inflação do ano imediatamente anterior.

Apesar de alguns setores do governo defenderem a ideia de “flexibilizar” o teto, Rodrigo Maia, presidente da Câmara, tem ideia similar à apresentada por Bruno Funchal.

Segundo Maia, “não há espaço” para o governo aumentar as despesas obrigatórias, mas será um “grande desafio” para 2021 impedir mudanças na regra do teto de gastos.

Taxa de juros

Segundo Funchal, uma das razões que levaram a taxa básica de juros (Selic) ao menor patamar da História – 2% ao ano – foi, justamente, a manutenção do teto de gastos.

“Cada vez que a gente observa algum tipo de discussão sobre o teto, esse tipo de discussão isso se reflete na taxa de juros, se reflete no risco e acaba encarecendo para o próprio governo rolar essa dívida”, alertou.

“Será que vale a pena fazer um pouco mais investimento público ao custo de ter juros mais altos e menos investimentos privados?”, complementou, questionando.

Planilha de Açõesbaixe e faça sua análise para investir