Estreia de estatal saudita na Bolsa pode indicar redução da dependência petrolífera do país

Juliana Gusmão
null

Crédito: Divulgação/Saudi Aramco

Petroleira saudita, a Saudi Aramco terá parte de suas ações disponibilizadas na bolsa de valores de Riad. Enquanto o governo da Arábia Saudita confirma o que pode vir a ser a maior oferta pública inicial da história (IPO), a gigante estatal ainda oculta informações.

A estatal divulgou no último sábado (9) o prospecto preliminar de sua abertura de capital. No documento de 658 páginas só ficou claro o interesse em vender até 0,5% das ações. Informações sobre a data da oferta de ações, ou a faixa de preço indicativa dos papéis, não foram informadas.

Por ser o braço do Estado saudita, investir na Aramco pode implicar riscos. Em setembro, ataques de drones atingiram as refinarias de Abquaiq  e o campo de Khurais. Ambas pertencem a petroleira. Mísseis também foram direcionados as refinarias, causando a maior parte dos danos.

Ferramenta ajuda na escolha de suas ações de acordo com balanços

Outras tentativas de vender as ações da estatal já foram realizadas. Mas, devido à incompatibilidade do valor avaliado pela agência de notícias financeiras Bloomberg e o governo saudita, as tentativas foram adiadas. De acordo com a agência, a companhia está avaliada em US$ 1,2 trilhão. Enquanto, para o governo da Arábia Saudita, ela está valendo cerca de US$ 2 trilhões.

Tentativa de reduzir sua dependência do petróleo

Em 2016, o príncipe herdeiro Mohammad Bin Salman revelou a iniciativa, chamada Saudi Vision 2030. O propósito é modernizar a Arábia Saudita, tanto como sociedade interna como potência financeira mundial. O programa Saudi Vison busca eliminar a dependência que o país tem sobre combustíveis fósseis.

Com a visão cada vez mais conhecidas sobre o petróleo ser fonte de energia nociva e ultrapassada, o Saudi Vision quer capacitar jovens para adquirirem sucesso em outros ramos empresariais. A ideia é alterar fundamentalmente os conjuntos de habilidades e competências da força de trabalho local com as tecnologias modernas. O governo quer utilizar a reforma política para implementar essas mudanças necessárias.

 

LEIA MAIS:

O que são os fundos de debêntures incentivadas?

Money Week: conheça o maior evento online de investimentos do Brasil