Saudi Aramco anuncia aumento na produção diária de petróleo

Paulo Amaral
Jornalismo é meu sobrenome: 20 anos de estrada, com passagens por grandes veículos da mídia nacional: Portal R7, UOL Carros, HuffPost Brasil, Gazeta Esportiva.com, Agora São Paulo, PSN.com e Editora Escala, entre outros.
1

Crédito: Imagem/reprodução/aramco.com

A Saudi Aramco, grupo petroleiro saudita, informou nesta terça-feira que dará um impulso em sua produção diária de barris de petróleo.

Em meio à guerra de preços do produto entre árabes e russos, a Saudi Aramco informou, segundo a AFP, que aumentará a produção diária em 2,5 milhões de barris.

“A Saudi Aramco anuncia que fornecerá a seus clientes 12,3 milhões de barris de petróleo bruto por dia em abril”, diz comunicado publicado no site da Bolsa de Riad.

“A empresa estabeleceu com seus clientes fornecer estes volumes a partir de 1 de abril de 2020. A espera que tenha um efeito financeiro positivo a longo prazo”, completa o texto.

De acordo com a AFP, a Arábia Saudita, maior exportadora de petróleo do mundo, diz ter capacidade de produzir mais de 12 milhões de barris por dia, mas é difícil precisar por quanto tempo.

A reportagem informa que o país tem dezenas de milhões de barris em reservas estratégicas e pode retirar delas os adicionais necessários, mas não é possível saber por quanto tempo manterá tal produção.

A “guerra” com os russos

As consequências de um não acordo entre a Arábia Saudita e a Rússia é a possibilidade do início de uma guerra de preços, com futuros brutos a caminho de registrar sua maior queda diária desde a Guerra do Golfo, em 1991.

Os preços do petróleo desabaram quase 30% no início das negociações do último domingo (8) em meio ao fracasso das negociações da Organização dos Países Exportadores de Petróleo (OPEP) para o corte da produção.

A turbulência ocorre após a implosão da aliança entre a OPEP e a Rússia na última sexta-feira (6), elevando as tensões nos mercados, que sofrem perdas com o avanço da epidemia do coronavírus.

Coronavírus derruba o preço do petróleo ao menor nível em sete semanas

A pior crise do petróleo desde a guerra do Golfo Pérsico?