Governo investiga possível 1º caso do coronavírus no Brasil

Rodrigo Petry
Editor-chefe, com 18 anos de atuação em veículos, como Estadão/Broadcast, InfoMoney, Capital Aberto e DCI; e na área de comunicação corporativa, consultoria e setor público; e-mail: rodrigo.petry@euqueroinvestir.com.
1

Crédito: Base Aérea de Anápolis ,novo coronavírus,avaliações clínicas, coronavírus, covid-19, repatriados

O governo Federal, por meio do Ministério da Saúde, e as secretarias estadual e municipal de São Paulo investigam e podem confirmar nesta quarta-feira (26) o primeiro caso do coronavírus no Brasil.

De acordo com Folha de S.Paulo, Estadão e G1, o teste de contraprova do paciente deu positivo. Caso seja confirmado, seria o primeiro caso na América Latina da doença.

A expectativa é de que uma coletiva de imprensa seja realizada às 11h00 para confirmar ou não o caso.

Segundo informações do ministério, trata-se de um homem de 61 anos, residente em São Paulo (SP), que fez uma viagem à Itália, na região da Lombardia (norte do país), a trabalho, sozinho, no período de 09 a 21 de fevereiro.

Ele ingressou no atendimento hospitalar com sinais e sintomas característicos – como febre, tosse seca, dor de garganta e coriza – e compatíveis com a suspeita da doença, a COVID-19.

“O paciente está bem, com sinais brandos e recebeu as orientações de precaução padrão”, destacou a nota emitida pela Saúde.

O que você verá neste artigo:

Hospital

O homem chegou nesta terça-feira (25), após as 12h00, no Hospital Israelita Albert Einstein, em São Paulo (SP).

De acordo com a nota, o hospital adotou as medidas necessárias para prevenir a transmissão por gotículas, coletou amostras e realizou testes para vírus respiratórios comuns e o exame específico para SARS-CoV2 (RT-PCR, pelo protocolo Charité).

Os tramites adotados são os preconizado pela Organização Mundial de Saúde (OMS).

“Com os resultados preliminares realizados pela unidade de saúde e de acordo com o Plano de Contingência Nacional, o hospital enviou a amostra para o laboratório de referência nacional, Instituto Adolfo Lutz, para contraprova”, informou o ministério.

Prazo

Conforme o comunicado, “o processo de validação dos resultados está em curso e o Ministério da Saúde divulgará o laudo final da investigação oportunamente”.

“A pasta recomenda, portanto, cautela sobre quaisquer informações que não sejam as oficiais, uma vez que a investigação não está concluída”, acrescentou.

As secretarias estadual e municipal da saúde de São Paulo estão realizando a identificação dos contatos no domicílio, hospital e voo, com apoio da Anvisa junto à companhia aérea.

Casos

O total de casos suspeitos de infecção pelo coronavírus no Brasil continua em quatro, informou a Agência Brasil, nesta terça-feira (25).

Nas últimas 24 horas, um caso foi descartado no estado de São Paulo, mas uma nova suspeita surgiu no estado do Rio de Janeiro.

Desde o início do monitoramento, 55 suspeitas de Covid-19, doença provocada pelo novo vírus, foram descartadas em todo o país.

Lideram os descartes: São Paulo, com 26 pacientes analisados; Rio Grande do Sul, com dez pacientes, e Rio de Janeiro, com oito.

Critérios

Nesta segunda-feira (24), o Ministério da Saúde ampliou os critério para a definição de casos suspeitos.

Agora, também estão enquadradas pessoas que apresentarem febre e mais um sintoma gripal, como tosse ou falta de ar.

Além disso, foram incluídas pessoas vindas da Alemanha, Austrália, Emirados Árabes, Filipinas, França, Irã, Itália e Malásia.

A lista anterior incluía China, Cingapura, Coreia do Sul, Coreia do Norte, Camboja, Japão, Tailândia e Vietnã.

Números

A doença continua se espalhando pela Europa. Na Itália, o número de mortes pelo vírus saltou para 11 e o total de casos confirmados subiu para 300.

Na Espanha, um hotel nas Ilhas Canárias com 1 mil hóspedes e funcionários foi posto sob quarentena, depois da confirmação de um caso no local, de um turista italiano. Outro caso foi confirmado na região Catalunha.

Suíça, Áustria e Croácia confirmaram os primeiros registros da doença.

No mundo, mais de 80,2 mil pessoas já foram infectadas, com ao menos 2,7 mil óbitos.