Salim Mattar prevê “enxurrada” de desestatizações em 2020

Paulo Amaral
Jornalismo é meu sobrenome: 20 anos de estrada, com passagens por grandes veículos da mídia nacional: Portal R7, UOL Carros, HuffPost Brasil, Gazeta Esportiva.com, Agora São Paulo, PSN.com e Editora Escala, entre outros.
1

Crédito: Reprodução

O Brasil deverá passar por uma verdadeira “enxurrada” de desestatizações em 2020. A previsão foi feita por Salim Mattar, secretário especial de Desestatização do Ministério da Economia, em entrevista para o jornal Valor Econômico desta sexta-feira (20).

Segundo Mattar, a ideia inicial do governo, que em 2019 conseguiu sair de 67 empresas, é deixar pelo menos mais 120 nas mãos privadas.

O número, no entanto, pode chegar até a 300 privatizações no caso de se concretizar a venda da Eletrobras e de suas 120 subsidiárias.

A ideia de Mattar, que considerou lento o processo do governo em 2019, é apresentar um projeto chamado de “fast track” (via rápida, em inglês).

Na lista de metas a cumprir em 2020, segundo a entrevista para o Valor, está se desfazer de participação direta minoritária da União em 57 empresas.

Até 2022, a ideia é que o BNDESPar deixe de participar de todas as empresas. Mas Mattar não se mostra otimista com o ritmo para venda dos Correios.

“Os Correios vão ser privatizados por orientação do presidente. Porém, estão no PPI [Programa de Parceiras de Investimentos] para fazer “estudos”. Isso não significa privatização dos Correios. Se fosse para ser privatizado, estaria no PND [Plano Nacional de Desestatização]. Nós só temos certeza que vai ser privatizado quando entrar no PND”, pontuou.