Salão do Automóvel de São Paulo 2020 pode ser cancelado

Fernando Augusto Lopes
Redator e editor
1

Crédito: Reprodução / Facebook / Salão do Automóvel de São Paulo

Uma reunião entre montadoras na sede da Associação Nacional dos Fabricantes de Veículos Automotores (Anfavea), nessa quinta-feira (5), deve decidir os rumos do Salão do Automóvel de São Paulo, tradicional evento do setor que acontece desde 1960 e que vem atraindo, por edição, cerca de 600 mil visitantes.

Segundo informa o blogue de Jorge Moraes, no portal UOL, “a Reed Alcântara Machado (organizadora) ainda não jogou o tapete, mas decide nesta quinta-feira se vai ou não seguir com o Salão do Automóvel. As chances são mínimas e a situação saiu do controle da empresa promotora, que espera pelo resultado da reunião com as 26 marcas”.

“A organizadora sabe que o cenário é difícil e quase irreversível”, lamenta o autor.

O evento tem data prevista para 12 a 22 de novembro de 2020.

Baixas

A primeira grande marca a desistir do salão foi a alemã BMW. Em comunicado em janeiro deste ano, disse que “o BMW Group Brasil, por meio das marcas BMW e MINI, decidiu se retirar do Salão Internacional do Automóvel 2020, em São Paulo. Essa decisão foi tomada uma vez que o BMW Group está constantemente avaliando a sua presença em feiras e outros compromissos, ao mesmo tempo em que está explorando novas plataformas e formatos alternativos. Este ano, iremos reforçar o engajamento em atividades específicas e individualizadas de experiência da marca, incluindo maior oferta de test-drives e degustações de tecnologias e serviços para clientes e fãs da indústria da mobilidade e entusiastas do prazer de dirigir”.

Em 2018, porém, a PSA (Peugeot-Citroën) já havia deixado o Salão.

Em fevereiro, foi a vez da Hyundai desistir. Ao UOL, o vice-presidente comercial da montadora, Angel Martinez, comentou: “a estratégia global da Hyundai vem valorizando, desde o ano passado, eventos com formatos diferenciados e foco maior no ser humano, proporcionando um engajamento mais exclusivo com seus clientes e públicos interessados. Avaliamos bastante a situação aqui no Brasil e decidimos substituir a participação no Salão do Automóvel por outras atividades mais exclusivas ao longo do ano”.

São 12 as marcas que desistiram do Salão até aqui: BMW, Chevrolet, Citroën, Hyundai, JAC Motors, Jaguar, Land Rover, Lexus, Mini, Peugeot, Toyota e Volvo.

Não é só no Brasil

O Salão do Automóvel brasileiro não é o único a sofrer com a mudança de estratégia de marketing das montadoras. Grandes feiras automotivas pelo mundo estão enfrentando o mesmo problema. Paris, Frankfurt, o maior do mundo, e Genebra, por exemplo, tiveram ou terão ausências pelos mesmos motivos.

As marcas automotivas têm preferido participar de grandes feiras de tecnologia, como a CES (Consumer Eletronics Show), que ocorre anualmente em Las Vegas, numa chance de mostrar seus avanços tecnológicos embarcados em seus veículos.

LEIA MAIS
Coronavírus e o impacto na fabricação de suprimentos de automotiva global

Indústria automotiva brasileira terá injeção de R$ 1 bilhão em novas tecnologias