Saída da Argentina de negociações pode transformar Mercosul em bloco de livre comércio

Paulo Amaral
Jornalismo é meu sobrenome: 20 anos de estrada, com passagens por grandes veículos da mídia nacional: Portal R7, UOL Carros, HuffPost Brasil, Gazeta Esportiva.com, Agora São Paulo, PSN.com e Editora Escala, entre outros.
1

Crédito: Esteban Collazo / Argentina Presidency

A saída da Argentina das negociações pode tornar o Mercosul apenas uma área de livre comércio após o fim da pandemia de coronavírus.

A informação foi apurada por fontes do Estadão/Broadcast e, se confirmada, significará o fim da união aduaneira do bloco.

Em outras palavras, a decisão permitirá que os produtos possam ser vendidos de um país para outro, dentro do bloco, sem o pagamento de taxas.

A Argentina anunciou na sexta-feira, dia 24, que manteria os acordos negociados com o bloco apenas com a União Europeia e com a Associação Europeia de Livre-Comércio.

O governo de Alberto Fernández alegou que desistiu dos acordos com Canadá, Japão, Vietnã e Coreia do Sul porque o que esperam do mundo após o fim da pandemia de coronavírus o levarão a outra opção econômica.

“Brexit das Américas”

O fim da união aduaneira do bloco era algo que o Ministro da Economia do Brasil, Paulo Guedes, trabalhava há muito tempo.

A princípio, no entanto, as negociações para que o bloco seja considerado de livre comércio terão uma regra uma regra para deixar claro que Brasil, Paraguai e Uruguai poderão continuar negociando acordos com blocos e países sem o aval argentino.

Carlos Abijaodi, diretor de Desenvolvimento Industrial da CNI (Confederação Nacional da Indústria), comparou as negociações do Mercosul com o que aconteceu recentemente na Europa entre o Reino Unido e a UE.

“Em menor nível, é o que aconteceu com a União Europeia com a saída do Reino Unido. Os membros do Mercosul terão que sentar e discutir a questão aduaneira”, garantiu.

O executivo não vê o momento como propício para a negociação de novos acordos comerciais e já pediu ao governo brasileiro que interrompa as tratativas entre a Mercosul e a Coreia do Sul.

“Vamos sair da pandemia com empresas debilitadas e um mercado externo extremamente competitivo. Não tem como fechar acordos agora”, concluiu.

Governo brasileiro aprova

Em conversa com a Reuters, representantes do governo brasileiro, que pediram anonimato, viram com bons olhos a desistência argentina das negociações.

“Por um lado facilita muito as negociações. No fundo a gente estava com mochila de pedras nas costas tentando carregar para negociação. E isso desde o Macri (Maurício, ex-presidente da Argentina), que mesmo com o discurso mais liberal não facilitava as coisas”.

Segundo as fontes ouvidas pela agência, a crise causada pelo coronavírus vai potencializar as dificuldades econômicas que a Argentina já enfrenta e a tendência do governo é centrar suas atenções nas negociações com o FMI e outros credores.

Para Brasil, Uruguai e Paraguai, por outro lado, as ampliações dos acordos comerciais poderão ser meios de revitalizar as próprias economias em tempos de crise.

“Veja o tamanho da economia do Brasil. As indicações que temos é que a Argentina, em crise, perdeu também um pouco de credibilidade externa. Alguns parceiros prefeririam inclusive negociar apenas com o Brasil”, concluiu a fonte.

Uma das formas mais eficientes de identificarmos o nosso perfil de investidor, é realizando um teste de perfil.

Você já fez seu teste de perfil? Descubra qual seu perfil de investidor! Teste de Perfil

Estados Unidos ampliam medidas restritivas às exportações para China