Saiba o que muda em sua vida com o dólar em alta

Humberto Maurício Pennacchia
null
1

Crédito: Reprodução/Pixabay

Quem acompanha o mercado financeiro com frequência, já está familiarizado com o sobe e desce dos ativos. Diariamente vemos notícias como: a bolsa de valores despencou, ou então, bateu um novo recorde na sua pontuação. Assim como a bolsa, outros ativos financeiros passam por momentos de grande oscilação. Nesta matéria, você aprenderá como a alta do dólar impacta sua vida.

Alguém pode perguntar: Não tenho dívida em dólar, nem vou viajar para fora do Brasil, como serei afetado?

Com o dólar atingindo máximas, quem vai ao supermercado, com certeza, já sentiu aquele tão indesejado aumento de preços em determinados produtos. Por exemplo, podemos citar  produtos básicos que fazem parte do nosso uso diário. As pessoas que gostam de uma boa macarronada podem se preparar, pois se o dólar continuar sua trajetória altista, em pouco tempo isso irá se refletir no preço do produto, já que o insumo usado é o trigo que em grande parte é importado, sofrendo assim  a variação da moeda americana.

O nosso tão tradicional café da manhã, não  ficará imune a alta do dólar, já que assim como o macarrão, o pãozinho também sofrerá diretamente o impacto da alta da moeda americana.

Outros produtos que aparentemente nada têm a ver diretamente com alta do dólar, indiretamente também são afetados. Quer um exemplo: Pessoas que apreciam um suculento churrasco podem preparar o bolso, mas o motivo é um tanto inusitado. Os produtores de gado, aves e  suínos, atentos as oportunidades de ganhos no mercado internacional, enxergam na alta do dólar uma oportunidade de aumentar seu faturamento, por isso optam por exportar a carne que seria colocada no mercado interno. Como em todo o mundo, a lei da oferta e da procura é que dita os preços, com menos carne aqui, os preços tendem a subir.

O repasse da variação do dólar é instantâneo para determinados produtos, as bebidas importadas são reajustadas instantaneamente quando a moeda americana sobe. A alta do dólar não impacta apenas produtos de uso diário, como determinados alimentos ou bebidas, mas também a gasolina e o gás liquefeito de petróleo.

Quer outro exemplo, o combustível mais caro afeta não apenas aquelas pessoas que trafegam de carro pelas cidades, mas também o frete das pessoas que fazem o transporte dos produtos que usamos no dia a dia. Por isso vemos, com frequência, caminhoneiros protestando e ameaçando greve, devido a alta do combustível. A alta generalizada do dólar gera aumento de preços em cascata.

Outro setor bastante penalizado com a alta do dólar é o do turismo internacional. Isso acontece porque o dólar turismo acompanha a variação do comercial e isso impacta preços de passagem aérea, a hospedagem e a própria compra da moeda americana, antecedendo a viagem.

Dependendo da  magnitude da alta do dólar, isso poderá gerar mais inflação, corroendo o poder aquisitivo da população que não tem o seu salário atrelado a moeda americana. Se acontecer isso, o governo poderá, se for o caso, aumentar a taxa básica de juros da economia para tentar frear esse processo.

O que fazer  para não sofrer as consequências da alta do dólar?

Na hora da turbulência econômica não tem outro jeito, devemos nos adequar as circunstâncias, cortar determinados hábitos, mesmo que temporariamente. Pesquisar preços é muito importante, assim encontraremos outros produtos que supram a ausência dos que encareceram e que estejam  com preços competitivos.