Saiba como o investidor deve agir em tempos de crise

Rebeca Torres
null

Crédito: Goumbik / Pixabay

Como o investidor deve agir em tempos de crise? Várias alternativas são possíveis – a depender do seu perfil de risco.

Para mostrar alguns caminhos que o investidor pode seguir, o portal Eu Quero Investir conversou com Paulo Filipe Souza e André Arantes, assessores da EQI Investimentos.

Melhor ou pior

Sobre o tema, Souza explicou que “não existe melhor e pior investimento. Existe o que o investidor procura. Por exemplo, se o investidor tem apetite a risco e procura um longo prazo”.

Nesse caso, explica Souza, “a bolsa pode ser uma excelente alternativa agora, até porque, está bem mais barata do que há dois meses”.

Além dos fatores apontados acima, Souza pontua que, se o “investidor é conservador”, existem ótimas opções de título de renda pagando até 10%.

“Depende muito do perfil do investidor, mas a bolsa e os títulos de renda fixa são alternativas interessantes”, reforçou.

Solidez

Para Arantes, os melhores investimentos em tempos de crise são os investimentos em empresas sólidas, com balanço ajustado e caixa para honrar os compromissos de curto prazo.

“Essa empresas sofrem igual a média do mercado na maioria das vezes, mas elas conseguem performar muito melhor”, explicou.

Estude

Com as políticas de confinamento em curso no país todo, a quarentena pode ser um bom momento, para aqueles que desejam investir, fazer cursos sobre o assunto. Paulo Souza disse à reportagem que, neste momento “o ideal é fazer cursos de ‘Como montar uma carteira de investimentos’ e ‘Como investir no mercado de ações'”.

“Quanto ao estudo, é sempre bom fazer tanto em mercado de alta, quanto em mercado de baixa. Estudar é uma coisa que tem que ser um hábito diário das pessoas”, pontuou Arantes.

Cuidados

Três cuidados o investidor sempre deve ter em mente:

  • Qual o risco está disposto a correr;
  • Qual a necessidade de dinheiro – ou seja, o quanto os recursos devem ter liquidez;
  • O que se procura – nesse caso, planejamento é essencial, já que, se o cenário mudar, pode ser obrigado a contabilizar perdas.

Dessa forma, um dos principais cuidados a se tomar é nunca colocar 100% do seu capital em renda variável, principalmente em momentos de crise como a atual.

Conforme Arantes, o momento atual é o pior para se desfazer de um investimento. “Você vai estar vendendo coisas boas a um preço descontado”, explicu.

Como o investidor deve se orientar

Em meio à crise, outra dificuldade é se orientar sobre as teses de investimento.

Se o aplicador estiver perdendo na renda variável e na fixa, a melhor decisão a tomar é pensar: vou precisar desse dinheiro agora?

Caso não necessite no horizonte de médio, longo prazo, o melhor é não se desfazer da aplicação.

Isto porque após as crises o mercado costuma se recuperar.

“Então é manter a paciência, deixar o dinheiro aplicado e seguir o plano pra não resgatar com prejuízo”, disse.

Assessor de investimentos

Dessa forma, mais do que nunca, em tempos de crise, o papel de um assessor de investimentos é mais do que importante.

Leia aqui os benefícios de se contar com um assessor de investimentos.

“O assessor de investimentos faz a função de tranquilizar, deixar calmo e orientar no rebalanceamento da carteira”, reforçou Arantes.

Veja aqui como fazer o rebalanceamento.

“Com o rebalanceamento, o investidor não só deixa de perder dinheiro, como faz com que seu dinheiro na retomada do mercado renda mais, cresça mais”, acrescentou.

O que esperar do pós crise

Sobre o cenário do pós-crise, a expectativa é de que o retorno seja de acelerada retomada. Souza relembra que nas últimas quatro crises a bolsa retomou e subiu muito forte, após quedas bruscas.

De acordo com ele, diante da injeção de liquidez dos bancos centrais, ou seja, muito dinheiro entrando no mercado, muito incentivo às empresas, o mercado tem esperado que sim, possa ocorrer uma volta rápida.

Entretanto, ainda é preciso avaliar o impacto na crise na economia real, o que poderá levar mais tempo do que estimado.

“Quanto mais dura a queda, significa dizer que os ativos foram mais penalizados. E quando vier a retomada, é onde as pessoas de fato podem fortuna”, comentou Arantes.

Dessa forma, ele orientou, neste momento, “comprar nessas grandes quedas e esperar”.

“Aquele capital que você não está utilizando pode-se investir em grandes empresas, comprando pela metade do preço e, depois da crise, vê-las navegando muito bem.”