Sabesp (SBSP3) está autorizada a prestar serviços em Mauá

Cláudia Zucare Boscoli
Jornalista formada pela Cásper Líbero, com pós-graduação em Jornalismo Econômico pela PUC-SP, especialização em Marketing Digital pela FGV e extensão em Jornalismo Social pela Universidade de Navarra (Espanha), com passagens por IstoÉ Online, Diário de S. Paulo, O Estado de S. Paulo e Editora Abril.
1

Crédito: Reprodução/Facebook

A Companhia de Saneamento Básico do Estado de São Paulo (Sabesp, SBSP3) confirmou em nota nesta sexta, 17, que a Prefeitura de Mauá está autorizada a contratar seus serviços, mas que a questão segue em análise pela empresa e qualquer decisão a respeito será informada ao mercado.

Na quinta, 16, o prefeito da cidade, Atila Jacomussi (PSB), sancionou uma lei autorizando contratos com a companhia e ainda convênios com o governo do Estado e com a Agência Reguladora de Saneamento e Energia do Estado de São Paulo (Arsesp).

A proposta é que a Sabesp feche um contrato de 40 anos para abastecimento de água na cidade, mas, em contrapartida, terá que perdoar uma dívida que ultrapassa os R$ 3 bilhões e que vem de contratos rescindidos em 1995.

Em Mauá, a Sabesp atuaria apenas no fornecimento de água. A coleta e tratamento de esgoto continuam sob responsabilidade da BRK Ambiental (ex-Odebrecht Ambiental). O prefeito e a BRK travam uma disputa judicial a respeito dos reajustes praticados pela empresa.