Rússia e Turquia assinam cessar-fogo após tensão na Síria

Paulo Amaral
Jornalismo é meu sobrenome: 20 anos de estrada, com passagens por grandes veículos da mídia nacional: Portal R7, UOL Carros, HuffPost Brasil, Gazeta Esportiva.com, Agora São Paulo, PSN.com e Editora Escala, entre outros.
1

Crédito: Reprodução/Foreign Policy

Vladimir Putin e Recep Tayyip Erdogan, presidentes de Rússia e Turquia, assinaram na quinta-feira um acordo de cessar-fogo.

A medida, que passou a valer a partir das 18h de quinta (horário de Brasília), foi tomada após o aumento da tensão na província de Idlib, norte da Síria.

A reunião entre os presidentes durou mais de seis horas e, ao final dela, ambos revelaram um novo detalhe do acordo.

Além do cessar-fogo, os governos estabeleceram a criação de um corredor de segurança de 12 km ao longo de uma rodovia ao norte da Síria.

A região será patrulhada por militares de Rússia e Turquia a partir do próximo dia 15 de março.

Confrontos entre Rússia e Turquia

A Turquia se posicionou ao lado de grupos rebeldes ao governo de Bashar al-Assad. A Rússia pendeu para o lado de quem está no poder.

Os confrontos entre os dois aumentaram depois que militares pró-Assad, defendidos pelos russos, mataram soldados turcos.

A Turquia revidou o ataque e aumentou a tensão na região de Idlib, palco dos mais recentes confrontos.

Preocupação global

O aumento da tensão entre Rússia e Turquia causou temor em escala global.

A União Europeia chegou a convocar uma reunião para tratar do assunto.

Josep Borrell, alto representante da UE para assuntos externos, disse que os combates em torno da província de Idlib representavam “uma série ameaça à paz e segurança internacionais”.

De acordo com ele, a UE precisava “redobrar seus esforços para resolver os problemas” causados por essa terrível crise humana entre os dois países.

Rússia e Turquia se preocupam com guerra entre EUA e Irã

Tensão entre Turquia e Síria aumenta e pode haver participação da Rússia