Rússia é condenada a pagar 50 bilhões a antigos acionistas da Yukos

Daniele Andrade
Jornalista formada pela Universidade Positivo, pós-graduada em Mídias Digitais. Atualmente cursa bacharel em História. Gosta de produzir reportagens sobre política tanto nacional quanto internacional, economia e tecnologia.
1

Crédito: Reprodução / Wikimedia Commons

Foi confirmado por um tribunal holandês a condenação da Rússia na terça-feira (18). A respeito da indenização aos acionistas do grupo petroleiro russo Yukos. O valor a ser pago é de 50 bilhões de dólares, segundo informações da Agence France-Presse.

A capital da Rússia, Moscou foi acusada de realizar a destruição da Yukos, devido a razões políticas. No ano de 2014, o país foi condenado pelo TPA, em uma jurisdição internacional. Para que fosse pago os antigos acionistas, mas as autoridades russas não aceitaram a decisão.

Em um comunicado, o ministério da Justiça russo se pronunciou a respeito do assunto: “A Rússia continuará a defender seus legítimos interesses e, em apelação no Tribunal de Cassação, contestará o veredicto”. Em contrapartida, Moscou acusou a Yukos de fraude fiscal em larga escala.

A empresa era administrado pelo inimigo declarado do Kremlin, Mikhail Khodorkovsky, preso em 2003 e libertado dez anos depois. A suspeita era de que o Kremlin estava por trás do processo de liquidação judicial, em agosto de 2006. Com o objetivo de frustrar as ambições políticas de Mikhail.

A empresa Yukos, teve de ser desmembrada e vendida em partes. Para o grupo petrolífero público russo, Rosneft. Por meio do desmembramento da Yukos, a Rosneft conseguiu crescer. A empresa é liderada por Igor Setchin, homem de confiança do presidente Vladimir Putin. 

Uma das formas mais eficientes de identificarmos o nosso perfil de investidor, é realizando um teste de perfil.

Você já fez seu teste de perfil? Descubra qual seu perfil de investidor! Teste de Perfil

O representante dos ex-acionistas, Emmanuel Gaillard em entrevista a Agence France-Presse disse que a Rússia está fazendo muitos esforços. Para que não acreditem que ela é a culpada: “Sua estratégia é distorcer para complicar tudo, esquecer a maior expropriação do século XXI”, lamenta Gaillard.