CAF aprova apoio de até US$ 3 mi para relicitar Malha Oeste

Marco Antônio Lopes
Editor. Jornalista desde 1992, trabalhou na revista Playboy, abril.com, revista Homem Vogue, Grandes Guerras, Universo Masculino, jornal Meia Hora (SP e RJ) e no portal R7 (editor em Internacional, Home, Entretenimento, Esportes e Hora 7). Colaborador nas revistas Superinteressante, Nova, Placar e Quatro Rodas. Autor do livro Bruce Lee Definitivo (editora Conrad)

Crédito: Beth Santos/Secretaria-Geral da PR)

Aprovada na última reunião do Programa de Parcerias de Investimentos (PPI), a relicitação da ferrovia Malha Oeste receberá apoio técnico do Banco de Desenvolvimento da América Latina (CAF).

Com 1.973 quilômetros de extensão nos estados de São Paulo e de Mato Grosso do Sul, a Malha Oeste tem bitola (distância entre os trilhos) de um metro e atualmente é controlada pela Rumo (RAIL3).

A empresa também detém as concessões das Malhas Paulista, Norte, Central e Sul.

Guia definitivo sobre Renda Variável  e os Melhores Investimentos para 2021

A instituição financeira aprovou acordo de cooperação técnica no valor de até US$ 3 milhões.

O CAF contratará consultores do setor privado para realizarem estudos de viabilidade técnica, econômica, ambiental e jurídica.

A instituição também oferecerá apoio técnico para elaborar o projeto em conjunto com a equipe do governo brasileiro.

Cronograma

O cronograma preliminar do projeto prevê a contratação dos consultores para a realização dos estudos ainda no primeiro semestre de 2021.

A publicação do edital e o leilão da nova concessão, que serão feitos pela Agência Nacional de Transportes Terrestres (ANTT), devem ocorrer no primeiro semestre de 2023.

Em outubro do ano passado, a Secretaria Especial do PPI do Ministério da Economia pediu ao CAF apoio técnico e financeiro para contratar consultores e elaborar os estudos para a licitação.

O pedido foi feito após consultas ao Ministério da Infraestrutura e com subsídios da ANTT e da Empresa de Planejamento e Logística (EPL).

Leilão

Em julho do ano passado, a controladora da Malha Oeste pediu à ANTT a devolução da concessão e a realização de um novo leilão de licitação.

Em nota, a Secretaria do PPI informou que a ferrovia está com a infraestrutura depreciada e com investimentos abaixo do necessário para a operação adequada do serviço.

*Com Agência Brasil