Rodrigo Maia prevê reformas mais amplas no 2º semestre

Paulo Amaral
Jornalismo é meu sobrenome: 20 anos de estrada, com passagens por grandes veículos da mídia nacional: Portal R7, UOL Carros, HuffPost Brasil, Gazeta Esportiva.com, Agora São Paulo, PSN.com e Editora Escala, entre outros.
1

Crédito: Agência Brasil

O calendário das reformas econômicas no Brasil será retomado no segundo semestre, após o fim da pandemia de coronavírus, segundo Rodrigo Maia.

O presidente da Câmara dos Deputados afirmou nesta quinta-feira (7) que a ideia, inclusive, é de que elas sejam mais amplas, “em outra dimensão”.

“É importante a gente conseguir superar esse momento [da pandemia] e depois organizar uma pauta. As reformas terão outra dimensão e outro tamanho no momento seguinte a partir do fim do enfrentamento da pandemia”, comentou, durante videoconferência promovida pelo Santander.

“Vamos precisar dialogar com a sociedade para ver que tamanho vão ter essas reformas”, complementou Maia, que admitiu a possibilidade de o endividamento público chegar a 90%, 95% do Produto Interno Bruto por conta das medidas de combate ao coronavírus.

“Temos de discutir uma repactuação da estrutura dos gastos. A reforma administrativa do governo, que era para os novos servidores, por exemplo, terá de ser pensada de outra forma. A reforma de bens e serviços, temos de olhar. Mas a administrativa, no segundo semestre, vai ter que ser em outro patamar”.

PIB em 3%

Na visão de Rodrigo Maia, o Brasil precisa tentar estabelecer um crescimento do PIB em pelo menos 3% ao ano para que o País possa se recuperar com tranquilidade após o fim da pandemia.

“Se a gente sair mal da crise, o custo do aumento da dívida vai ser muito amargo para a sociedade. Se a gente conseguir fazer o Brasil crescer o PIB em 3% ao ano, vamos conseguir carregar essa crise com muito mais tranquilidade”, raciocinou.

Reforma Tributária

Maia falou em sua videoconferência sobre a votação da reforma tributária e os cuidados necessários para que não sejam concedidos benefícios permanentes para setores atingidas pela crise.

“O salário do [funcionalismo] no governo federal é o dobro dos seus equivalente no setor privado. O Estado, em vez de investir e distribuir, concentra; é preciso reorganizar essas despesas. Temos muito apoio para a reforma tributária e vamos avaliar como introduzir a reforma de bens e serviços para que a reforma não beneficie setores que foram mais atingidos. Não se pode usar a crise para garantir benefícios permanentes”, alertou.

Uma das formas mais eficientes de identificarmos o nosso perfil de investidor, é realizando um teste de perfil.

Você já fez seu teste de perfil? Descubra qual seu perfil de investidor! Teste de Perfil

Medidas emergenciais

Ao falar sobre as medidas emergenciais de ajuda à população durante a pandemia, assunto de discussão com a equipe econômica e até com o Senado, Rodrigo Maia ressaltou que, assim como posto em relação à Reforma tributária, há de se ter certos cuidados.

“Não dá para ter 96% do Orçamento com despesa obrigatória, e despesa corrente de péssima qualidade. Até acho que, no curto prazo, [o aumento dos gastos públicos] não vai ser um problema, mas a gente sabe que no médio prazo haverá pressões para mudar a linha: haverá uma pressão para a renda mínima se tornar permanente, mas a capacidade do Estado é muito limitada para isso”.

Crítica e bandeira branca

Rodrigo Maia abordou também o relacionamento com o Poder Executivo e as constantes desavenças com o Governo. Na visão do presidente da Câmara, o caminho da recuperação econômica do País passa justamente pelo fim destes conflitos.

“Não será simples a retomada [da economia] nesse segundo momento. Vamos ter que ter um papel de muito mais diálogo com a equipe econômica do que uma posição mais proativa. De alguma forma, o governo não queria acreditar no tamanho da crise, e então tivemos que tomar uma posição”.

Centrão e sucessão na Câmara

O presidente da Câmara também foi questionado durante a videoconferência sobre a aproximação do presidente Jair Bolsonaro com o chamado “Centrão” e até sobre sua possível sucessão na Casa.

Segundo Rodrigo Maia, a proximidade de Bolsonaro com outros partidos políticos, na verdade, facilita o seu trabalho na Câmara dos Deputados.

“Organizar uma base para o governo é sempre positivo, pois facilita o trabalho. O governo estava sem partido e não conseguia nem pedir verificação de votação nas matérias de seu interesse”, pontou.

Ao abordar sua sucessão na presidência da Câmara, Rodrigo Maia brincou. Segundo ele, não é o momento de discutir o tema, mas os deputados querem um presidente que dialogue com todas as correntes e mantenha uma agenda de reformas e de modernização do Estado brasileiro.

“Vai precisar estar nessa linha, mas, se eu falar um nome, estou tirando [esse nome] do jogo”, concluiu.

* Com Agência Brasil e Agência Câmara

Bolsonaro diz que vai vetar reajustes a servidores