Rodrigo Maia defende projeto alternativo ao Plano Mansueto

Fernando Augusto Lopes
Redator e editor

Crédito: Reprodução/ Twitter

O presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (DEM-RJ), defendeu nesta terça-feira (7) que seja votado um projeto alternativo ao chamado Plano Mansueto.

Ele se refere ao projeto de ajuda financeira aos estados para diminuir no curto prazo a queda na arrecadação de impostos em razão da crise do novo coronavírus.

“A minha opinião é que vai ser difícil construir um acordo no Plano Mansueto. Ele trata de temas estruturais e há uma convergência em todos os campos políticos que as soluções nas próximas semanas precisam ser soluções para o enfrentamento dessa crise em todos os campos, mas no curto prazo”, disse.

Fica para depois

Não é um descarte do Plano Mansueto. É apenas um adiamento da discussão. Rodrigo Maia não quer que os debates sejam confundidos e contaminados por assuntos que são semelhantes, mas com cenários diferentes. O de agora é um cenário de guerra e precisa de ações de curto prazo e imediatas.

O Plano Mansueto é mais amplo e complexo, com medidas de ajuste fiscal. O projeto que Maia pretende colocar em pauta é mais enxuto e focado no ICMS e em linhas de créditos aos estados para os próximos três meses.

Segundo a Reuters, “Maia disse que está tentando chegar a um texto de consenso, ainda em fase de negociação com a equipe econômica”.

“Será um texto enxuto que trate do curto prazo, trate do ICMS para os próximos três meses, e trate da possibilidade de abrir linhas, garantir linhas de financiamento para todos os estados para o enfrentamento dessa crise num patamar que foi liberado em outras crises, em outros momentos”, disse o presidente da Câmara dos Deputados.

“Da parte dos governadores, me parece que esse encaminhamento vai bem, atende a todos. O que gostaríamos é que a gente possa construir isso junto com a equipe econômica para que a gente tenha uma harmonia maior”, afirmou, em relação à queda na arrecadação de ICMS, que deverá ser de 30% a 40%, dependendo do estado.

LEIA MAIS
Plenário da Câmara aprova regime de urgência para votar Plano Mansueto

Relator defende que Plano Mansueto seja votado direto pelo Plenário