Reunião em Davos faz Iraque recuar e permitir presença de tropas norte-americanas no país

Paulo Amaral
Jornalismo é meu sobrenome: 20 anos de estrada, com passagens por grandes veículos da mídia nacional: Portal R7, UOL Carros, HuffPost Brasil, Gazeta Esportiva.com, Agora São Paulo, PSN.com e Editora Escala, entre outros.

Crédito: Reprodução/The New York Times

Donald Trump e Barham Salih, presidentes de Estados Unidos e Iraque, respectivamente, selaram em Davos, na Suíça, um acordo que pode ser considerado bastante positivo para reduzir a tensão que impera no Oriente Médio.

Os dois Chefes de Estado marcaram presença no Fórum Econômico Mundial e, entre muitas discussões, resolveram um assunto que há tempos estava aumentando o nervosismo acelerado pela guerra entre Estados Unidos e Irã.

Depois de o Parlamento Iraquiano decidir que as tropas do Exército norte-americano deveriam deixar o país, o presidente voltou atrás e comunicou a Donald Trump que a ordem foi revogada.

BDRs. Alternativas para investir no exterior diretamente da bolsa brasileira

Trump justificou a mudança de pensamento de Salih de forma simples: “Eles gostam do que estamos fazendo e nós gostamos dele”.

O presidente iraquiano admitiu, no entanto, que a permanência das tropas norte-americanas na região está atrelada a algumas condições, entre elas, a diminuição do número de soldados que hoje estão no país.

Trump, por sua vez, avisou que a presença do Exército dos Estados Unidos no Iraque “já é muito menor” do que foi entre 2003 e 2011, durante a ofensiva que derrubou o então ditador Saddam Hussein.