Resumo da semana: precatórios, PIB e quarta onda deram o que falar

Cláudia Zucare Boscoli
Jornalista formada pela Cásper Líbero, com pós-graduação em Jornalismo Econômico pela PUC-SP, especialização em Marketing Digital pela FGV e extensão em Jornalismo Social pela Universidade de Navarra (Espanha), com passagens por IstoÉ Online, Diário de S. Paulo, O Estado de S. Paulo e Editora Abril.
1

Crédito: Reprodução/Pixabay

PEC dos Precatórios, PIB, inflação e quarta onda da Covid-19 deram o que falar nos últimos sete dias. O resumo da semana é que o mundo segue apreensivo quanto ao crescimento e o Brasil soma a este receio o temor de que a austeridade fiscal seja deixada de lado ano que vem, que é ano de eleições.

Confira abaixo o que foi assunto na semana.

Resumo da semana no Brasil

Precatórios

A PEC dos Precatórios segue como tema central no país, agora com a proposta de fatiamento das emendas e Auxílio Brasil permanente.

Os investidores acompanham, apreensivos pela indefinição, mas também atentos a como ficará a austeridade fiscal em ano eleitoral.

A PEC, como foi aprovada na Câmara, adia o pagamento das dívidas do governo e estipula um novo cálculo para o teto de gastos, com base no IPCA do ano e não mais de junho a junho. Isso abre brecha para o pagamento do Auxílio Brasil de R$ 400, mas também deixa espaço para mais gastos extras. Na semana, o presidente Jair Bolsonaro chegou a falar em reajuste para os servidores públicos.

Para onde vai o PIB?

Ao longo da semana, a Secretaria de Política Econômica (SPE) publicou suas estimativas para o PIB. O de 2021 foi de 5,3% para 5,1% entre setembro e novembro. Para 2022, a projeção foi cortada para 2,10%, ante 2,50% da leitura anterior. A partir de 2023, a expectativa é de crescimento de 2,5% ao ano.

Os números, no entanto, contrastam com a visão do mercado, captada pelo último Boletim Focus, que aponta PIB a 4,88% em 2021 e 0,93% em 2022.

Para o secretário de Política Econômica, Adolfo Sachsida, as projeções do Ministério da Economia vão se revelar corretas, como estavam em 2019, 2020 e 2021, mesmo quando na contramão das estimativas feitas pelo mercado. O ministro da Economia, Paulo Guedes, também afirma que o PIB será de 2,10% em 2022.

Já o Monitor do PIB, da FGV, apontou que a  economia teve retração de 0,1% no terceiro trimestre de 2021, na comparação com os 3 meses anteriores. Já sobre o mês de setembro, houve crescimento de 0,3% em relação a agosto. Na comparação interanual a economia cresceu 4,1% no 3º trimestre e 2,4% em setembro.

O IBC-Br, por sua vez, considerado uma prévia do PIB, apontou recuo de 0,27% em setembro. No ano até agosto, a alta é de 5,88% sem ajuste e, em 12 meses, 4,22%.

Vacinação no Brasil supera a dos EUA

O Brasil atingiu a taxa de 59,8% da população totalmente imunizada contra a Covid-19, ultrapassando assim os EUA, onde a taxa é de 57,6%, segundo levantamento da Universidade de Oxford.

O governo também anunciou que está liberada a terceira dose da vacina contra Covid-19 para todos os adultos.

O BTG Pactual (BPAC11) projeta, em cenário otimista, que até o final do ano 80% da população já terá algum grau de imunização. Até o dia 15 de novembro, o porcentual era de 77,1%.

Maior leilão de portos

Nesta sexta (19), o governo realizou um leilão de terminais portuários em Santos. Segundo o Ministério da Infraestrutura, foi o maior arrendamento portuário dos últimos 20 anos.

A Petrobras confirmou seu favoritismo e conquistou um contrato de mais 25 anos no terminal de granéis líquidos STS 08A, no Porto de Santos.

A oferta feita foi de R$ 558,25 milhões, que serão pagos ao governo federal por meio da Santos Port Authority (SPA). Também estão previstos R$ 792 milhões de investimentos ao longo de 25 anos de contrato. O terminal tem 305.688 metros quadrados.

O outro terminal do local, o STS 08, não recebeu proposta.

Em Imbituba (SC), a única concorrente foi a Fertilizantes Santa Catarina, que ofertou R$ 200 mil.

Resumo da semana no exterior

Mais um dos pacotes de Biden

Nos EUA, a Câmara dos Representantes aprovou um pacote de US$ 1,75 trilhões focado em educação, saúde e contra mudanças climáticas. O projeto segue agora ao Senado. Os republicanos, no entanto, se opõem, alegando que um novo pacote irá intensificar a inflação.

Na segunda (15), o presidente Joe Biden assinou o pacote de infraestrutura, de US$ 1,2 tri.

Japão também tem pacote

O Japão também aprovou um pacote de estímulo fiscal de US$ 490 bilhões para apoiar a recuperação pós-pandemia. O pacote inclui pagamentos diretos para a maioria das famílias e empresas pequenas. O valor equivale a aproximadamente um décimo do PIB do país.

Novos lockdowns na Europa

A Áustria decretou lockdown e tornou a vacinação obrigatória. A Alemanha é outro país que liga o alerta sobre a quarta onda de Covid, que pode desacelerar a economia. As autoridades apontam que os não-vacinados explicam o novo avanço da doença.

Inflação na Europa

Na Europa, a escalada da inflação aumenta as apostas de que os bancos centrais de lá terão que mexer nos juros antes do previsto. Na zona do euro, os preços subiram 4,1% em outubro, na base anual, mais que o dobro da meta do Banco Central Europeu. No Reino Unido, foi de 4,2% nos 12 meses até outubro, a maior em quase uma década.

Mas a presidente do Banco Central Europeu, Christine Lagarde, afirmou que não pretende subir juros para responder à inflação, que em sua visão é passageira.

PIB da zona do euro

O PIB da zona do euro, que subiu 2,2% no terceiro trimestre, e 3,7% na comparação anual, em linha com as expectativas.

Musk vende ações da Tesla

Elon Musk segue cumprindo a promessa de vender 10% das ações da Tesla e liquidou mais 934 mil ações, equivalentes a US$ 973 milhões. No total, já foram vendidas 8,16 milhões de ações desde 8 de novembro, quando promoveu enquete perguntando aos seguidores se deveria se desfazer dos ativos.