Restrições à mobilidade podem impactar crescimento, diz Campos Neto

Marco Antônio Lopes
Editor. Jornalista desde 1992, trabalhou na revista Playboy, abril.com, revista Homem Vogue, Grandes Guerras, Universo Masculino, jornal Meia Hora (SP e RJ) e no portal R7 (editor em Internacional, Home, Entretenimento, Esportes e Hora 7). Colaborador nas revistas Superinteressante, Nova, Placar e Quatro Rodas. Autor do livro Bruce Lee Definitivo (editora Conrad)
1

Crédito: Agência Senado

O presidente do Banco Central (BC), Roberto Campos Neto, afirmou hoje (17) que há uma “suavização” recente na atividade econômica e que o aumento do isolamento social pode impactar o crescimento da economia, no curto prazo.

“Se houver atraso de vacinação que implique em mobilidade menor porque o número de casos está mais alto, a atividade econômica vai ter um impacto. Mas hoje nada indica que isso vai acontecer”, disse, ao apresentar o Relatório de Inflação, nesta quinta-feira (17).

Avanços

Campos Neto destacou que há avanços no desenvolvimento de vacinas, o que deve levar a uma solução definitiva para a crise gerada pela pandemia do novo coronavírus (covid-19).

Invista em suas Escolhas. Conheça os Melhores Investimentos 2021.

Para o presidente do BC, o mercado financeiro “deixou de olhar para soluções temporárias”, como medidas de auxílio à população e às empresas, e passou a considerar a possibilidade de saída da crise.

“Uma solução definitiva vai ser mais eficiente do que uma temporária”, disse.

Ele citou a liberação, hoje (17), pelo governo federal, de R$ 20 bilhões para a compra de vacinas.

“Os esforços direcionados no sentido da vacinação são mais eficientes do que uma conversa sobre extensão do auxílio emergencial”, ressaltou.

De acordo com Campos Neto, é preciso esperar para avaliar os resultados das medidas relacionadas à vacinação, como a logística e a “reação da população” à oferta de vacinas.

Projeções

No Relatório de Inflação, o BC prevê que o Produto Interno Bruto (PIB, soma de todos os bens e serviços produzidos no país), terminará este ano com queda de 4,4% e em 2021, haverá crescimento de 3,8%.

A previsão para o Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) é de 4,3%, este ano, e 3,4%, no próximo ano.

*Com Agência Brasil

  • Bolsa de Valores: quais as perspectivas para 2021?
  • Tesouro IPCA+ é o título público mais procurado: entenda por quê
  • CDB rende mais do que a poupança e pode ser alternativa para a reserva de emergência

Se você quer saber mais sobre o mercado de ações e como investir, preencha o formulário abaixo que um assessor da EQI Investimentos entrará em contato.