Renegociação de dívidas já chega a R$ 200 bi, segundo Febraban

Marcello Sigwalt
null

Crédito: Site Portal Guará

Os bancos brasileiros receberam, nas últimas semanas, uma ‘avalanche’ de 2 milhões de pedidos de renegociação de dívidas, que já contabiliza um montante da ordem de R$ 200 bilhões.

De acordo com o site da Federação Brasileira de Bancos (Febraban), que divulgou a informação, as renegociações incluem, sobretudo, carência de dois a três meses no vencimento das parcelas de diversos tipos de crédito (pessoal, imobiliário, aquisição de veículos) e para capital de giro.

Levantamento parcial

A iniciativa consta de levantamento parcial realizado junto ao Banco do Brasil, Bradesco, Caixa Econômica Federal, Itaú e Santander, segundo a entidade.

Outra decisão importante, anunciada pela federação, diz respeito à antecipação do repasse dos recursos do governo, que disponibilizará crédito para financiar a folha de pagamento de pequenas e médias empresas com faturamento até R$ 10 milhões.

MP de R$ 40 bi

O anúncio precedeu, em dois dias, a edição da Medida Provisória (MP) que cria uma linha de R$ 40 bilhões – R$ 6 bilhões de recursos próprios dos bancos – com essa finalidade, o que deverá beneficiar cerca de 1,4 milhão de empresas e 12,2 milhões de trabalhadores.

Esses recursos serão concedidos à taxa fixa de 3,75% ao ano, sem qualquer spread adicional para as empresas e sem qualquer custo para os empregados, esclarece a nota da federação.

Mudanças regulatórias

Ao ressaltar que “os bancos estão totalmente sensibilizados com a necessidade de os recursos chegarem rapidamente na ponta, que são as pessoas físicas e das empresas”, a Febraban destaca a importância de mudanças regulatórias para o reforço da liquidez.

Entre as medidas, além da liberação dos compulsórios, a entidade destaca  a iniciativa do BC, de incentivar a compra de Letra Financeira Garantida (LFG).

‘Válvula de liquidez’

Na verdade, o compulsório funciona como ‘válvula’ da autoridade monetária para regular a liquidez do sistema financeiro. Quanto mais baixa for a taxa do compulsório retido pelos bancos, maior o volume de recursos oferecidos pelos bancos. Quanto maior a taxa, menor a quantidade oferecida.

Uma das formas mais eficientes de identificarmos o nosso perfil de investidor, é realizando um teste de perfil.

Você já fez seu teste de perfil? Descubra qual seu perfil de investidor! Teste de Perfil

Os compulsórios abrangem, na verdade, vários tipos de depósitos (depósitos à vista; depósitos a prazo; depósitos em caderneta de poupança; exigibilidade adicional (que inclui um adicional dos três anteriores), bem como recursos de depósitos e garantias Realizadas.

Ansiedade e gradualismo

Mesmo reconhecendo “a ansiedade de diversos setores”, a entidade observa que a crise atual difere muito da ocorrida em 2008, pois “não há hoje empoçamento de liquidez, mas aumento substancial da demanda por recursos líquidos”.

Margem estreita

Mais adiante, a federação admite que “a saída das linhas de crédito dos bancos internacionais estreitou ainda mais a liquidez do sistema”.

Grandes repactuam

Para o desafio de garantir a liquidez, a federação destaca “a repactuação de diversas operações com grandes empresas, que demandaram volumes expressivos de recursos”.

Renovação de crédito

Já nos primeiros dias da crise provocada pela covid-19, no mês passado, a Febraban anunciou a renovação de operações de crédito para pessoas físicas, além de micro e pequenas empresas.

Saiba o que foi negociado por parte de cada instituição financeira:

Caixa Econômica Federal: 1 milhão de pedidos em contratos habitacionais, com oferta de R﹩111 bilhões em créditos e carências de até 90 dias. Na linha Caixa Hospitais, foram disponibilizados R$ 5 bilhões para este ano.

Bradesco: 635 mil pedidos, que representam 1.036.000 contratos.

Banco do Brasil: 200 mil pedidos, em valor equivalente a R﹩60 bilhões.

Santander: 80,9 mil pedidos, em valor equivalente a R﹩11 bilhões.

Itaú: 302,3 mil pedidos, com saldo de R﹩ 12,1 bilhões e parcelas já prorrogadas em valor financeiro de R﹩ 679 milhões.