Rejeição de Bolsonaro diminuiu e Haddad encosta em Ciro Gomes, aponta pesquisa

Patrícia Auth
Patrícia Auth é jornalista formada pela Univali de Itajaí/SC. Trabalhou em impressos, como o Jornal de Santa Catarina, e também, como repórter na Rede Record e RBS TV. É casada, mãe da Lívia e adoradora de boa música e gastronomia.Na equipe EuQueroInvestir, é responsável pela produção de vídeos, e também escreve e edita artigos para o site.Entre em contato com a Patrícia pelo e-mail: patricia.auth@euqueroinvestir.com

Jair Bolsonaro, candidato pelo PSL, ampliou a sua vantagem na disputa presidencial e diminuiu o seu índice de rejeição. Os dados são da pesquisa XP Investimentos/Ipespe, feita entre os dias 10 e 12 de setembro, ou seja, depois do atentado contra Bolsonaro.

O levantamento mostra que Bolsonaro passou de 23% para 26% das intenções de voto no intervalo de uma semana. Isso significa, segundo a pesquisa, que ele está 14 pontos percentuais na frente de Ciro Gomes (PDT), que é o segundo candidato mais bem posicionado na disputa.

Simule seus investimentos com um especialista e confira as melhores opções de acordo com seu perfil

Cases da Bolsa

Aprenda análise fundamentalista de ações na prática, com maiores cases já criados na B3

Fernando Haddad (PT), oficialmente substituto de Luiz Inácio Lula da Silva, somou 10% das intenções de voto no cenário estimulado em primeiro turno. Em relação à pesquisa da semana passada, Haddad aumentou dois pontos percentuais.

Considerando a margem de erro de dois pontos percentuais, para mais ou para menos, Haddad está tecnicamente empatado com Ciro Gomes, que tem 12% das intenções de voto, com Geraldo Alckmin (PSDB), que soma 9% das intenções, e com Marina Silva (Rede), que tem 8%.

Analisando os números da pesquisa, como explicação para o “salto” de Haddad, podemos citar o bom desempenho entre os nordestinos, onde o petista saiu de 5% das intenções de voto, em agosto, para 19% agora. Além disso, o substituto de Lula subiu entre de 4% para 15% entre os eleitores com Ensino Médio. Já no grupo com renda de até dois salários mínios, Haddad passou de 4% das intenções de voto, para 10%.

Segundo a pesquisa estimulada em primeiro turno, aparecem ainda João Amoêdo (Novo) e Alvaro Dias (Podemos), ambos com 4%, Henrique Meirelles (MDB), com 2%, e Guilherme Boulos (PSOL), com 1% das intenções de voto.

Brancos, nulos e indecisos somam 23%. Uma semana atrás, o grupo somava 27%.

Rejeição

A pesquisa XP Investimentos/Ipespe também questionou em qual candidato os eleitores não votariam em hipótese alguma. Jair Bolsonaro, que até então liderava essa lista, caiu cinco pontos percentuais na avaliação negativa, passando o posto de maior rejeição para Marina Silva e Geraldo Alckmin.

Confira o resultado num comparativo com as pesquisas anteriores:

Antes de continuar acompanhando a pesquisa…

Faça o nosso Teste de Perfil e descubra o seu tipo de investidor!

[banner id=”teste-perfil”]

E no segundo turno?

O levantamento testou seis situações em segundo turno. Veja:

  • Geraldo Alckmin (PSDB) 38% x 28% Fernando Haddad (PT)

Brancos, nulos e indecisos: 35%

  • Geraldo Alckmin (PSDB) 37% x 36% Jair Bolsonaro (PSL)

Brancos, nulos e indecisos: 26%

  • Marina Silva (Rede) 37% x 36% Jair Bolsonaro (PSL)

Brancos, nulos e indecisos: 27%

  • Ciro Gomes (PDT) 35% x 35% Geraldo Alckmin (PSDB)

Brancos, nulos e indecisos: 31%

  • Ciro Gomes (PDT) 40% x 35% Jair Bolsonaro (PSL)

Brancos, nulos e indecisos: 26%

  • Jair Bolsonaro (PSL) 40% x 30% Fernando Haddad (PT)

Brancos, nulos e indecisos: 22%

Metodologia

[box type=”info” align=”” class=”” width=””]Duas mil pessoas foram ouvidas por telefone em todo o país entre os dias 10 e 12 de setembro. As perguntas foram feitas “ao vivo” por entrevistadores. O Ipespe aplica pesquisas telefônicas desde o ano de 1993. Foi o instituto pioneiro na área de tracking telefônico em campanhas eleitorais, a partir do ano de 1998.[/box]