Reforma tributária visa “eliminar uma máquina de exclusão social”, diz Fonteyne na Money Week.

Redação EuQueroInvestir
Colaborador do Torcedores

Crédito: Extraída da página oficial do Facebook do deputado

O deputado federal Alexys Fonteyne (Novo-SP) foi mais um dos entrevistados da Money Week, maior conferência online sobre investimentos do país, desta terça-feira (29).

Em entrevista à jornalista Fabiana Panachão, o deputado falou sobre a reforma tributária e as perspectivas para a sua aprovação.

Segundo ele, o atual sistema tributário nacional é um sistema de exclusão para pequenos empreendedores e algo que justifica a perda de competitividade para os grandes empresários.

Análises e Resumos do mercado financeiro com leituras de 5 minutos. Conheça a EQI HOJE

Em relação aos pequenos empreendedores, Fonteyne explica que o sistema tributário não permite que as pessoas mais simples abram o próprio negócio. Já para os empresários de grandes indústrias e empresas, ele é um peso e uma ferramenta de disputas judiciais.

Para o deputado, a reforma tributária é necessária por que ela “eliminar uma máquina de exclusão social”.

Como deve ser o sistema tributário?

Fonteyne destacou quatro pontos fundamentais que devem estar na nova reforma tributária:

  • Simplificação: acessível a todas as pessoas;
  • Neutralidade: a decisão de investimento baseada no negócio do empreendedor;
  • Equidade: equiparação dos tributos. Segundo o deputado, alguns pagam muito e outros muito pouco;
  • Transparência: as pessoas precisam saber o que há de tributo em cada produto.

Previsão da reforma

O deputado do Novo não acredita que a reforma saia neste ano. Provavelmente, segundo ele, o texto deve ir para a votação em 2020.

Entretanto, acredita que o relatório deve sair e ser debatido na comissão especial ainda em 2019.

Retomada de crescimento

Fonteyne vê um sentimento de retomada de crescimento em 2020. No entanto, destaca que não vai ser um boom, mas um crescimento mais controlado e sustentável.

Além disso, enfatiza que os resultados mais satisfatórios serão vistos nos próximos 5, 6 anos. Mesmo com a reforma tributária, segundo ele, os resultados não serão imediatos.