Rede D’or (RDOR3): conheça a empresa do 2º maior IPO da história

Felipe Alves
Jornalista com experiência em reportagem e edição em política, economia, geral e cultura, com passagens pelos principais veículos impressos e online de Santa Catarina: Diário Catarinense, jornal Notícias do Dia (Grupo ND) e Grupo RBS (NSC).
1

Crédito: Divulgação

Veio do setor da saúde, um dos menos afetados durante a pandemia, o maior IPO (Oferta Pública Inicial) de 2020 e o segundo maior da história.

A Rede D’or (RDOR3), maior grupo independente de hospitais do Brasil, captou R$ 11,5 bilhões na sua oferta pública de ações, ficando atrás apenas do Santander, que levantou R$ 13,2 bilhões, em 2009.

Assim, a empresa estreou na Bolsa valendo R$ 115 bilhões, entrando no restrito grupo de 10 empresas com valor de mercado acima de R$ 100 bilhões, que tem Vale, Itaú e Petrobras.

Operar Vendido, Shoppings, Tendências e muito mais, confira a agenda de hoje no FII Summit

No IPO, a faixa indicativa de preço ia de R$ 48,91 a R$ 64,35, e a ação saiu a R$ 57,92, com uma demanda de cerca de três vezes superior à oferta. No primeiro dia de negociação, 10 de dezembro, no entanto, os papéis registraram alta de mais de 10% na abertura do pregão.

Foram colocadas 145.677.487 ações ordinárias, além dos lotes adicional (29.135.497 ações) e suplementar (21.851.623),.

Do total captado, cerca de R$ 8,4 bilhões devem ir para o caixa da empresa e o restante para os acionistas vendedores.

Confira mais detalhes dos números do IPO da Rede D’or.

Ações da Rede D'or

 

 

 

 

 

No preço médio por ação de R$ 56,63, e considerando as ações adicionais e o lote suplementar, a Rede D’or arrecadaria R$ 11,1 bilhões. Deste valor, R$ 10,8 bilhões seriam recursos líquidos.

Confira abaixo como ficará a posição acionária considerando os lotes suplementar e adicional.

Posição acionária Rede D'or

Valores mínimos para participar da oferta

  • Valores Mínimo e Máximo do Pedido de Reserva da Oferta de Varejo. O valor mínimo de pedido de investimento é de R$3.000,00. O valor máximo de pedido de investimento é de R$1.000.000,00 por Investidor de Varejo. 
  • Valores Mínimo e Máximo do Pedido de Reserva da Oferta Private. O valor de pedido de investimento superior a R$1.000.000,00. O valor máximo de pedido de investimento é de R$10.000.000,00 por Investidor Private. 

O código de negociação da empresa será o RDOR3

A operação será coordenada por Bank of America, J.P. Morgan, BTG Pactual, Bradesco BBI e XP Investimentos.

Datas do IPO da Rede D’or

As ações começarão a ser negociadas no Novo Mercado da B3, o mais alto grau de governança da B3, a partir de 10 de dezembro.

Confira as principais datas da oferta:

Datas IPO Rede D'or

Destinação dos recursos do IPO

A Rede D’or pretende utilizar os recursos líquidos que estima receber com a oferta primária para 

  • Arcar com os custos de construção de novos hospitais e/ou de expansão das unidades existentes por meio de projetos greenfield e brownfield, no curso regular de seus negócios;
  • Aquisição de novos ativos (hospitais, clínicas oncológicas, corretoras de seguros de saúde, dentre outros) que agreguem know-how ou permitam o desenvolvimento de novas linhas de negócios que se mostrarem atrativas no futuro. 

Conheça mais sobre a história da Rede D’or

A Rede D’or foi fundada em 1977 no Rio de Janeiro. Aos 32 anos, o neurocientista Jorge Moll Filho decidiu empreender na área da saúde e fez seu primeiro investimento, o Grupo Lab. Naquele ano também foi inaugurada a primeira unidade, a Cardiolab.

A empresa consolidou-se na década de 1980, mas passou a expandir sua atuação na década de 1990. Dos anos 2000 para cá, Jorge Moll se tornou o dono da maior rede independente de hospitais privados do país.

O BTG Pactual se tornou sócio do negócio em 2010, comprando debêntures conversíveis em ações do grupo. Depois do aporte, Moll adquiriu 11 empresas concorrentes.

No mesmo ano, a rede de laboratórios do grupo (Labs D’or) foi vendida para o grupo Fleury, por R$ 1,19 bilhão. O dinheiro foi usado por Moll para comprar hospitais em várias cidades.

Em 2015, o BTG vendeu sua participação na Rede D’or para o fundo soberano de Singapura (GIC). Pelo negócio, o BTG recebeu R$ 2,38 bilhões.

Hoje Jorge Moll Filho é um dos acionistas controladores da empresa, junto com a família Moll. Os sócios são a gestora de private equity (que compram participações em empresas) Carlyle e o fundo de Cingapura GIC.

A Rede D’or hoje

A companhia opera a maior rede independente de hospitais privados do Brasil, composta, até 30 de setembro de 2020, por 51 hospitais próprios, um hospital sob administração e 32 projetos de hospitais em desenvolvimento, licenciamento ou construção.

Tem negócios nos seguintes Estados: 

  • Rio de Janeiro
  • São Paulo
  • Pernambuco
  • Bahia
  • Sergipe
  • Maranhão
  • Paraná 
  • Ceará 
  • Distrito Federal. Atuação da Rede D'or

A Rede D’or também opera a maior rede de clínicas oncológicas do Brasil. Ela é composta por 39 clínicas estrategicamente localizadas ao longo do território brasileiro. 

Além disso, a companhia se dedica à operação de laboratórios de análises clínicas e de imagem, bem como unidades de diálise, contando, em 30 de setembro de 2020, com 11 laboratórios e 53 unidades de diálise, das quais 51 funcionam nos próprios hospitais da companhia, e 2 funcionam em um ambiente externo.

A estratégia de crescimento da companhia também inclui, desde 2011, o desenvolvimento e a aquisição de clínicas especializadas em oncologia, seja em mercados que já contam com hospitais da companhia, seja em novos mercados selecionados. 

Adicionalmente, em 2018, a companhia adquiriu o Laboratório Richet, cadeia premium de análises clínicas e de imagem, com laboratórios distribuídos em diversas localidades na cidade do Rio de Janeiro. 

Referência na saúde

Ao longo de sua trajetória de mais de 20 anos, a companhia se tornou referência no setor de saúde brasileiro, tendo inclusive recebido prêmios e sendo ranqueada em por veículos de comunicação como “O Estado de S. Paulo”, “Exame”, “Valor Econômico” e “O Globo”, com uma forte cultura centrada na qualidade e inovação de serviços de saúde, em tecnologia médica de ponta e em extenso conhecimento científico e do negócio de saúde.

A companhia mantém tradição e pioneirismo em tratamentos médicos, em utilização da mais avançada tecnologia disponível e em disseminação de conhecimento, reflexo da visão do Sr. Jorge Moll Filho – fundador e um dos acionistas controladores da companhia –, que, desde o início de suas atividades empresariais, em 1977, já inovava no mercado de saúde, com exames de ecocardiografia bidimensional, médicos dedicados exclusivamente a exames de análises clínicas e de imagem, a realização de múltiplos exames em um único estabelecimento de saúde (“todos os exames em um só local”) e a realização de exames de radiologia totalmente digital.

A companhia oferece serviços de saúde a uma gama ampla de pacientes de diversas classes socioeconômicas, sendo a vasta maioria beneficiária de planos privados de assistência à saúde, principalmente em razão de representar um benefício normalmente oferecido por empregadores aos seus empregados. Como resultado, a maioria das relações comerciais da companhia é mantida com operadoras de planos privados de assistência à saúde, principalmente seguradoras de saúde e operadoras de planos de saúde de autogestão, em vez de com os pacientes diretamente.

Robôs e inteligência artificial

Em 2015, a companhia lançou o Programa de Cirurgia Robótica da Rede D’Or São Luiz, como parte de seus projetos de investimento em medicina de ponta em cirurgias de alta complexidade, com a aquisição inicial de dois robôs DaVinci, que permitem a realização de cirurgias minimamente invasivas em inúmeras especialidades médicas. 

Dentre os objetivos do Programa de Cirurgia Robótica da Rede D’Or São Luiz, está a disseminação do conhecimento em cirurgia robótica nas mais diversas especialidades reconhecidas pelas sociedades médicas. A companhia tem maior parque robótico do Brasil, 18 robôs DaVinci, e mais de 500 médicos capacitados para estes procedimentos.

Esse modelo de negócio é suportado por um sistema de informação proprietário de inteligência empresarial (Business Intelligence) e análise empresarial (Business Analytics), que a companhia acredita ser único e que lhe confere condições singulares para gerir seus negócios com excepcional precisão, agilidade, flexibilidade e previsibilidade. 

De forma quase imediata, tal sistema de informação reúne e trata, em uma única base, inúmeros dados decorrentes tanto das operações de todas as unidades de atendimento da companhia (como taxas de ocupação, tempo médio de atendimento, consumo de estoque, taxas de internação, NPS, fluxo de pacientes, custos e despesas operacionais e resultados operacionais e financeiros), como das informações clínicas de uma ampla base de pacientes (como históricos de atendimento e tratamento e taxas de readmissão por paciente), e disponibiliza tal base de dados à alta administração da companhia, com diferentes funcionalidades que permitem a realização de múltiplas combinações de informações, incluindo dados combinados ou isolados por estabelecimento de saúde, operadora de planos privados de assistência à saúde, médico, paciente ou categoria de tratamento médico, e com relação a uma determinada data ou período. 

Números e indicadores da empresa

A Rede D’or registrou de janeiro a setembro de 2020 lucro líquido de R$ 156,5 milhões. O valor é menor do que os R$ 908,3 milhões de lucro do mesmo período de 2019.

Em todo o ano passado o lucro líquido foi de R$ 1,19 bilhão, quase o mesmo valor em 2018 (R$ 1,17 bilhão). O lucro líquido aumentou consideravelmente nos últimos anos, já que em 2014 este indicador era de R$ 322,9 milhões.

O Ebitda ajustado foi de R$ 2,03 bilhões até setembro de 2020. No ano inteiro de 2019 o Ebitda foi de R$ 3,68 bilhões. Ou seja, superior aos R$ 2,74 bilhões de 2018.

A receita líquida vem crescendo ao longo dos anos. Passou de R$ 4,9 bilhões (2014)  para R$ 10,9 bilhões (2018) e R$ 13,3 bilhões (2019). Até setembro de 2020 a receita líquida foi de R$ 9,8 bilhões – mesmo valor dos nove primeiros meses de 2019.

Vantagens competitivas segundo a empresa

  • Líder no mercado hospitalar privado brasileiro, com amplo reconhecimento no setor de saúde do Brasil;
  • Modelo de negócio de larga escala, com bons e sólidos relacionamentos com operadoras de planos privados de assistência à saúde e a comunidade médica;
  • Excelência em serviços de saúde, com utilização da mais avançada tecnologia médica disponível;
  • Forte cultura em pesquisa, ensino e inovação;
  • Comprovado histórico de crescimento rentável e consistente, forte geração de caixa e sólida situação financeira, com um modelo de negócio superior, baseado em um sofisticado sistema de informação;
  • Cultura de controle e disciplina financeiros e comprovada capacidade de expandir, com sucesso, suas operações por meio de aquisições selecionadas;
  • Comprovada resiliência a condições econômicas e de saúde adversas;
  • Administração experiente com histórico de sucesso.

Riscos da Rede D’or

  • Capacidade da empresa de implementar sua estratégia de expansão, seja por aquisições ou organicamente;
  • Capacidade da companhia de prever e reagir, de forma eficiente, a mudanças temporárias ou de longo prazo no comportamento dos consumidores da companhia em razão da pandemia da Covid-19, mesmo após o surto ter sido suficientemente controlado;
  • Capacidade da empresa de implementar qualquer medida necessária em resposta ao, ou para amenizar os impactos da pandemia da Covid-19;
  • Os efeitos econômicos, financeiros, políticos e sanitários da pandemia da Covid-19 (ou outras pandemias, epidemias e crises similares).
  • Alteração substancial no comportamento dos consumidores da companhia em razão da amenização, controle e/ou término da pandemia da Covid-19;
  • Eventos de surtos de doenças e pandemias, tal como o surto da Covid -19 no Brasil e no mundo;
  • Rebaixamento na classificação de crédito do Brasil;
  • Intervenções governamentais, resultando em alteração na economia, tributos, tarifas, ambiente regulatório ou regulamentação no Brasil; Impossibilidade ou dificuldade de viabilização e implantação de novos projetos de desenvolvimento e prestação de nossos serviços;
  • Alterações nas leis e nos regulamentos aplicáveis ao setor de atuação da companhia, bem como alterações no entendimento dos tribunais ou autoridades brasileiras em relação a essas leis e regulamentos.
  • Leia Mais: onde investir durante e após a crise