Radar traz Vale (VALE3), Petrobras (PETR3; PETR4) e Inter (BIDI11)

Osni Alves
Jornalista desde 2007. Passou por redações e empresas de comunicação em SC, RJ e MG. E-mail: oalvesj@gmail.com.
1

Crédito: Crédito da imagem: Reprodução/Internet

O Radar Corporativo desta sexta-feira (26) destaca que a Vale (VALE3) tem nova política de divulgação de informações e novo conselheiro.

Petrobras (PETR4;PETR3) publica comunicado sobre o fim do litígio judicial com a Companhia de Eletricidade do Amapá (CEA).

Praticidade e precisão, saiba quais melhores investimentos e como melhorar rentabilidade de suas ações

Inter (BIDI11) aprova a reorganização societária com migração para a Nasdaq. A referida operação enseja direito de reembolso para os acionistas dissidentes no valor de até R$ 45,84 por unit.

Eletrobras (ELET3;ELET6) aprova o Plano de Alienação de participações societárias minoritárias. O plano consiste em definir uma lista de participações que serão vendidas ao mercado.

Banco do Brasil (BBAS3) vai pagar R$ 499,3 mi em JCP.

Modalmais (MODL11) vai pagar R$ 18 milhões em JCP.

Camil (CAML3) aprova o pagamento do Juros sobre Capital Próprio (JCP), além do programa de recompra de ações da companhia.

Biomm (BIOMM3) aprova aumento de capital.

Veja mais destaques do radar corporativo:

Cias. abertas

Vale (VALE3) elege novo membro do conselho

O conselho de administração da Vale (VALE3) elegeu Daniel André Stieler como novo membro do conselho. Ele preencherá a vaga deixada por José Mauricio Pereira Coelho. O novo conselheiro ficará no cargo até a próxima assembleia geral de acionistas

Vale (VALE3) aprova nova política de divulgação de informações

A Vale (VALE3) aprovou sua nova política de divulgação de informações, sendo que esta está aderente à Resolução CVM nº 44, de 23 de agosto de 2021 e poderá ser acessada nas páginas da internet da Comissão de Valores Mobiliários (CVM), da B3, e no site da companhia.

Cielo (CIEL3) informa renúncia de membro do conselho e eleição de membro

A Cielo (CIEL3) informou a renúncia de membro do conselho de administração. Quem deixa e empresa é o executivo Edson Rogério da Costa e quem entra na companhia é o executivo Marco Aurélio Picini de Moura, indicado pelo acionista controlador BB Elo Cartões Participações.

Picini é funcionário de carreira do Banco do Brasil há 33 anos, com 10 anos de experiência internacional, tendo sido Diretor Presidente do Banco do Brasil AG, subsidiária do Banco do Brasil baseada em Viena, responsável pelas operações de Corporate e Private Banking do BB na Europa. Atualmente, é Gerente Geral da Unidade de Governança e Entidades Ligadas.

Banco do Nordeste (BNBR3) desabilita empresas do Crediamigo

O Banco do Nordeste (BNBR3) desabilitou empresas do Crediamigo por não cumpriram as exigências requeridas no Edital.

O Crediamigo trabalha com microcrédito produtivo orientado urbano e as empresas concorriam para prestação de serviços ao programa. Inicia-se, agora, o prazo de 5 dias úteis para a apresentação de eventuais recursos.

Dexco (DEXCO3) informa que Schroder alienou ações

A Dexco (DEXCO3) informou que Schroder Investment alienou ações 1.626.629 ações de emissão da companhia, passando a deter 33.494.656 milhões de ações, representativas de 4,84% de seu capital total.

Equatorial (EQTL3) recebe rating ‘brAA+’ da S&P

A Equatorial (EQTL3) recebeu rating ‘brAA+’ da S&P Global referente a 1ª, 2ª e 3ª séries da 5ª Emissão da Companhia. Os recursos captados serão utilizados para gestão dos negócios, podendo incluir o financiamento da aquisição da Echoenergia Participações S.A., cuja conclusão ainda depende de aprovações regulatórias.

Inter (BIDI11) aprovou a reorganização societária

O Inter (BIDI11) aprovou a reorganização societária em assembleia realizada nesta quinta-feira (25). A referida operação enseja direito de reembolso para os acionistas dissidentes no valor de até R$ 45,84 por unit. 

Em relação a distribuição de BDRs, Inter entregará uma ação preferencial da Inter Holding Financeira (HoldFin) para cada três opções ordinárias e/ou preferenciais. Assim, será entregue 0,33333 ação preferencial para cada uma ação ordinária ou preferencial de emissão do Inter e, para cada uma unit do Inter, será entregue uma ação preferencial da HoldFin. 

Petrobras (PETR4;PETR3) fim de litígio com CEA gera impacto positivo de R$ 132 mi

A Petrobras (PETR4;PETR3) publicou um comunicado sobre o fim do litígio judicial com a Companhia  de  Eletricidade  do  Amapá  (CEA).

A petrolífera aponta que o acordo deve gerar um efeito positivo de  R$ 132,6 milhões no resultado financeiro do 4° trimestre de 2021, sem considerar os efeitos tributários. 

Aquisições

Eletrobras (ELET3;ELET6) aprova plano de alienação de participações minoritárias

O Conselho de Administração da Eletrobras (ELET3;ELET6) aprovou o Plano de Alienação de participações societárias minoritárias. O plano consiste em definir uma lista de participações que serão vendidas ao mercado. 

Eletrobras (ELET3; ELET6): CEEE-T conclui transferência das ações da TSLE para a CGT Eletrosul

A Eletrobras informa a conclusão da transferência das ações da SPE Transmissora Sul Litorânea de Energia (TSLE), de posse da Companhia Estadual de Transmissão de Energia Elétrica (CEEE-T), para a Companhia de Geração e Transmissão de Energia Elétrica do Sul do Brasil (CGT Eletrosul). 

Para comprar todas as ações da TSLE, a CGT Eletrosul teve que desembolsar R$ 217,55 milhões. 

Mills (MILS3) anuncia conclusão da operação de aquisição da SK Rental do Brasil

A Mils (MILS3) anunciou a conclusão da operação de aquisição da SK Rental do Brasil. Para concluir o negócio, a companhia de engenharia realizou o pagamento de R$ 89,1 milhões aos acionistas da SK Rental. 

De acordo com a Mils, a justificativa para aquisição da companhia de locação de equipamentos é melhorar a experiência dos clientes, crescimento,consolidação e penetração de mercado. Com isso, a expectativa é ampliar as possibilidades de crescimento e rentabilidade, gerando mais valor para os acionistas.

Proventos

Banco do Brasil (BBAS3) vai pagar R$ 499,3 mi em JCP

O Banco do Brasil (BBAS3) vai pagar R$ 499,3 milhões em juros sobre capital PRÓPRIO (JCP) cujo montante representa R$ 0,17499127580 por ON, a serem depositados dia 30 de dezembro.

Modalmais (MODL11) vai pagar R$18 mi em JCP

A Modalmais (MODL11) vai pagar R$ 18 milhões em juros sobre capital próprio (JCP), cujo montante corresponde a R$ 0,026274 por ação ordinária e preferencial (R$ 0,078821por Unit).

Após deduzido o valor relativo ao Imposto de Renda Retido na Fonte, o montante líquido será de R$15.299.527,66 milhões, equivalentes a R$ 0,022332 por ação ordinária e preferencial (R$0,066997 por Unit).

CCR (CCRO3) aprova dividendos

Hoje, a CCR (CRRO3) divulgou a aprovação para o pagamento de dividendos dos seus acionistas. Ao todo, serão liberados R$ 153,8 milhões, sendo R$ 0,07 por cada ação ordinária.

O dinheiro será depositado no dia 15 de dezembro. Para ter direito ao pagamento de dividendo, o investidor deverá ter posse da ação até 30 de novembro. 

Camil (CAML3) aprova distribuição de JCP e programa de recompra de ações

O Conselho de Administração da Camil (CAML3) aprovou o pagamento do Juros sobre Capital Próprio (JCP), além do programa de recompra de ações da companhia. 

Segundo a empresa, foram liberados R$ 25 milhões em JCP, sendo R$ 0,06 por cada ação ordinária. 

Para receber a bonificação, o investidor deverá ter posse do ativo até o dia 1º de dezembro, sendo que o dinheiro estará disponível em 13 de dezembro. 

Em relação ao programa de recompra, a Camil destaca que pretende fazer a recompra de até 2 milhões de ações ordinárias, em um prazo de um ano. A companhia de alimentos informou que há 112,43 milhões de ações ordinárias no mercado e que a empresa tem 7,86 milhões em tesouraria. 

Emissões

Biomm (BIOM3) aprova aumento de capital

A Biomm (BIOM3) aprovou aumento de capital e vai emitir 8 milhões de ações, no máximo, para subscrição privada. Trata-se de ações ordinárias, todas escriturais e sem valor nominal.

Adicionalmente, no âmbito do Aumento de Capital, cada 10 novas ações ordinárias subscritas no Aumento de Capital darão aos seus subscritores o direito a 1 Bônus de Subscrição.

Cada Bônus de Subscrição conferirá a seu titular o direito de subscrever 1 ação ordinária. Assim, caso a totalidade dos Bônus de Subscrição sejam exercidos por seus titulares, serão emitidas 862.069 mil novas ações ordinárias, todas escriturais e sem valor nominal.