Radar traz Petrobras (PETR4), Cielo (CIEL3), Cogna (COGN3) e Lasa (LAME4)

Felipe Moreira
Especialista em Mercado de Capitais e Derivativos pela PUC - Minas, com mais de 8 anos de vivência no mercado financeiro e de capitais. Certificações: CPA-10, CPA-20 e AAI. Apaixonado por educação financeira e investimentos.
1

Foto: radar

O Radar Corporativo desta segunda-feira (22) está agitado com muitas informações que devem movimentar o mercado no pregão de hoje.

De início os investidores vão acompanhar atentamente os desdobramentos da indicação de um novo CEO para a Petrobras (PETR3 PETR4), indicado pelo governo.

Também as ações da Cielo (CIEL3) devem se movimentar, após informação de Lauro Jardim, de O Globo, de que os controladores Bradesco (BBDC4) e o Banco do Brasil (BBAS3) devem propor fechamento de capital. Informação que foi refutada pelos bancos.

Abra agora sua conta na EQI Investimentos e tenha acesso a soluções customizadas de acordo com seu perfil

Já a Lojas Americanas (LAME4) e a B2W (BTOW3) informaram à CVM que estão estudando uma potencial combinação de negócios.

Enquanto isso, a Cogna (COGN3) e a Eleva Educação concluíram o seu acordo para troca de ativos na educação básica, diz o Valor. Em comunucado, a Cogna afirmou que as companhias “encontram-se em tratativas avançadas” e que “não foram integralmente finalizadas“.

No mais, o GPA (PCAR3) informou que o pedido de listagem do Assaí (ASAI3) na B3 e na NYSE foi deferido.

Além disso, temos mais IPOs rolando no mercado: Hospital Care e Laboratório Teuto protocolaram pedido na CVM, enquanto a 3tentos Agroindustrial, planeja oferta inicial, diz o Valor.

Por fim, a EDP Energias do Brasil (ENBR3) divulgou balanço do quarto trimestre, com lucro líquido de R$ 699,9 milhões, aumento de 40,2% e acima do consenso.

A semana contará ainda com os balanços de Vale (VALE3), Petrobras (PETR4), BRF (BRFS3) e CSN (CSNA3).

Veja todos os destaques:

Cias Abertas

Petrobras (PETR4): Bolsonaro indica general Joaquim Silva e Luna para comandar a estatal

O presidente Jair Bolsonaro trocou o comando da Petrobras (PETR4 PETR3). Na última sexta-feira (19), Bolsonaro anunciou a demissão do presidente da estatal, Roberto Castello Branco, e nomeou para o cargo o general Joaquim Silva e Luna, que estava na direção de Itaipu.

No entanto, a indicação ainda depende de aprovação do Conselho de Administração da Petrobras, que, nesta tarde, ameaçava demissão em grupo, em demonstração de apoio ao atual presidente Castello Branco.

A intervenção de Bolsonaro na Petrobras vai testar independência do conselho de administração da estatal, que se reúne na terça-feira (23) para examinar pedido do governo de realização de Assembleia Extraordinária de Acionistas (AGE), conforme reportagem do Valor.

Petrobras (PETR4): mudança no comando afasta investidor e empurrar dólar para cima

O presidente Jair Bolsonaro anunciou, na última sexta-feira (19), a demissão do presidente da Petrobras, Roberto Castello Branco, e nomeou para o cargo o general Joaquim Silva e Luna, que estava na direção de Itaipu.

A interferência de Bolsonaro abalou a confiança do mercado sobre a continuidade do plano de desinvestimentos da companhia e traz inúmeras incertezas sobre a independência comercial conquistada pela estatal em 2015.

Isso terá o efeito imediato de afastar investidores, promover a desvalorizção do real perante o dólar e ampliar as incertezas da economia. No longo prazo, deixará mais cara a saída da crise, o ajuste das contas públicas e as reformas, conforme especialistas ouvidos pelo Estadão.

IBGC e Amec defendem que interesse de todos os investidores sejam considerados

Em nota, a Associação dos Investidores Brasileiros no Mercado de Capitais (Amec) e o Instituto Brasileiro de Governança Corporativa (IBGC) cobraram que o governo que leve em consideração a posição e interesse de todos os envolvidos com as estatais, acionista controlador, investidores e outros que se relacionem com os interesses.

Petrobras (PETR4) suspende produção na plataforma P-48 após incêndio

A Petrobras (PETR4 PETR3) suspendeu a produção no campo de Caratinga, na Bacia de Campos, após um início de incêndio na plataforma P-48 ocorrido na tarde de sábado, disse a companhia neste domingo.

“A ocorrência se deu durante atividade de manutenção em uma tubulação… A produção foi interrompida para avaliação das causas e reparo da tubulação”, afirmou a empresa em nota.

Bradesco (BBDC4) e BB (BBSA3) pretendem fechar capital da Cielo (CIEL3)

Após meses avaliando diversas alternativas, o Bradesco (BBDC4) e o Banco do Brasil (BBAS3) estão concluindo estudos para o fechamento da capital da Cielo (CIEL3), conforme reportagem do jornal O Globo.

O BB havia demonstrado interesse em desfazer de sua participação na credenciadora de cartões, mas o Bradesco, seu sócio, não queria outro parceiro na empresa.

Pela manhã, a Cielo divulgou comunicado ao mercado onde os bancos refutam esta alternativa “neste momento”.

Lojas Americanas (LAME4) e B2W (BTOW3) estudam potencial combinação de negócios

As Lojas Americanas (LAME4) e a B2W (BTOW3) anunciaram nesta sexta-feira (19) que estão estudando uma potencial combinação de negócios.

Os conselhos de administração das empresas aprovaram o início de um estudo com o objetivo de maximizar a experiência do cliente.

De acordo com reportagem do Valor, o mercado faz as contas sobre a combinação de negócios entre as empresas.

Três aspectos serão centrais: a relação de troca de ações entre as companhias, a expectativa de alta nas ações das companhias na Bolsa e os ganhos advindos da integração.

Cogna (COGN3) e Eleva firmam acordo para troca de ativos

A Cogna (COGN3) e a Eleva Educação, que tem como sócio o empresário Jorge Paulo Lemann, concluíram o
acordo para troca de ativos de educação básica. Segundo reportagem do Valor, a cifra acordada pela operação deve ser divulgada até amanhã.

A Cogna vai ficar com o sistema de ensino da Eleva, que, por sua vez, ficará com colégios da Cogna. Conforme fontes do mercado, as escolas foram avaliadas em aproximadamente R$ 1 bilhão e o sistema de ensino, em cerca de R$ 600 milhões. O saldo de pouco menos de R$ 400 milhões será pago à Cogna em ações da Eleva, que pretende realizar um IPO neste primeiro semestre.

Em comunucado, a Cogna afirmou que as companhias “encontram-se em tratativas avançadas” sobre o negócio, mas que “não foram integralmente finalizadas”.

GPA (PCAR3): pedido de listagem do Assaí (ASAI3) na B3 foi aceito

GPA (PCAR3) informou nesta sexta-feira (19) que o pedido de listagem do Assaí (ASAI3) na B3 e na NYSE foi deferido.

As listagens acontecem no contexto da reorganização societária de GPA e de Sendas.

A operação compreendeu a cisão parcial da Sendas com a segregação da participação de Sendas em Almacenes Éxito  para o GPA e a transferência de certos ativos operacionais, com a incorporação do acervo cindido pelo GPA.

Fertilizantes Heringer (FHER3) vende fábrica em MG

A Fertilizantes Heringer (FHER3) anunciou que vendeu sua fábrica Fábrica em Minas Gerais.

O contrato de compra e venda foi feito com a Agro industrial São Luiz, empresa do Grupo Cibrafértil, e CMOC Brasil Mineração, Indústria e Participações.

O preço ajustado para a venda foi de R$ 55 milhões a ser pago em três prestações anuais.

CCR (CCRO3): RodoNorte tem alta de 0,1% no tráfego

CCR (CCRO3) informou que teve uma leve alta de 0,1% no tráfego da RodoNorte na semana de 12 a 18 de fevereiro.

O tráfego de veículos comerciais caiu 7,2%. Já o fluxo de veículos de passeios recuou 29,5%.

Na rodovia Sul-Matogrossense houve um aumento de 2,9% no tráfego de veículos no período entre 12 a 18 de fevereiro de 2021.

No acumulado do ano, a alta foi de 6,6%.

Invepar (IBPR4B) acusa Prefeitura do Rio de retomar operação da Linha Amrela de forma ilegal

Invepar (IBPR4B) informou que sua controlada LAMSA recebeu correspondência da Prefeitura do Rio de Janeiro, mencionando a intenção de adoção das “providências cabíveis para a retomada do serviço da Linha Amarela” a partir de domingo (21).

No próprio dia 20 de fevereiro a Concessionária respondeu formalmente à Prefeitura do Rio de Janeiro, reforçando a necessidade de observância do devido processo legal.

Enauta (ENAT3) retoma produção no Campo de Atlanta

A Enauta (ENAT3) anunciou nesta segunda-feira (22) o retorno da produção do Campo de Atlanta. A companhia realizou a troca definitiva dos tubos de um dos aquecedores do poço 7-ATL-4HB-RJS.

Com a conclusão dessa atividade, o poço foi reiniciado atingindo a produção prevista de 10,4 mil barris de óleo por dia.

Balanços

EDP (ENBR3) tem lucro de R$ 699,9 milhões no quarto trimestre

A EDP Energias do Brasil (ENBR3) divulgou na noite de sexta-feira (19) seu balanço do quarto trimestre de 2020.

No período, o lucro líquido da empresa foi de R$ 699,9 milhões, com aumento de 40,2% em relação ao mesmo período do ano anterior. O consenso apontava R$ 380 milhões.

No ano, o lucro da companhia foi de R$ 1,5 bilhão, com aumento de 12,7%.

EDP troca CEO no Brasil em momento de crescimento

Miguel Setas sai da presidência da EDP Brasil para assumir novas funções junto à matriz, em meio a uma ampla reestruturação do grupo português. No entanto, o executivo continuará acompanhando a evolução dos negócios brasileiros através do conselho de administração da subsidiária, do qual se tornou presidente.

O novo presidente da EDP Brasil será João Marques da Cruz. Ele acumula uma trajetória de mais de 15 anos como membro do conselho de administração da EDP portuguesa.

IPO

Hospital Care protocola pedido de IPO

Hospital Care protocolou pedido de oferta pública inicial de ações (IPO, na sigla em inglês). A emissão será primária e secundária.

Conforme o prospecto, os recursos levantados na oferta primária serão direcionados para investimentos para expansão e desenvolvimento de unidades da companhia já existentes, aquisição de novos ativos, investimentos em sistemas, inovação e tecnologia e aquisição de cotas e/ou ações para aumento da participação societária em sociedades investidas pela empresa.

3tentos Agroindustrial pretende realizar IPO

A 3tentos Agroindustrial, companhia familiar com sede em Santa Bárbara do Sul (RS), planeja uma oferta pública inicial de ações (IPO), conforme reportagem do jornal Valor.

A companhia pretende movimentar cerca de R$ 2 bilhões com a operação. Os recursos devem ser usados para promover seu crescimento orgânico.

Laboratório Teuto protocola pedido de IPO

Laboratório Teuto Brasileiro protocolou pedido de oferta pública inicial de ações (IPO, na sigla em inglês) junto à Comissão de Valores Mobiliários (CVM), conforme prospecto preliminar nesta sexta-feira (19).

A companhia realizará oferta primária e secundária de ações.

Conforme o prospecto, os recursos captados na oferta primária serão direcionados para capital de giro, investimento em forças de venda no canal hospital e de varejo, investimento em pesquisa e desenvolvimento de novos  medicamentos, e pagamento de dividendos aos atuais acionistas da companhia no valor de R$ 64,3 milhões.

Alteração acionária

Equatorial (EQTL3) informa mudança acionária

A Verde Asset Management informou à Equatorial (EQTL3) que fundos sob sua gestão detêm agora 5,07% do total de ações.

Assim, a Verde tem agora 51.204.855 ações ordinárias da Equatorial.

(Com Claudia Zucare, Rodrigo Petry e Redação)