Radar traz Itaúsa (ITSA4), BTG (BPAC11), Petz (PETZ3) e B3 (B3SA3)

Felipe Moreira
Especialista em Mercado de Capitais e Derivativos pela PUC - Minas, com mais de 8 anos de vivência no mercado financeiro e de capitais. Certificações: CPA-10, CPA-20 e AAI. Apaixonado por educação financeira e investimentos.
1

No Radar Corporativo desta terça-feira (11) destaque para a sequência da safra de resultados do primeiro trimestre, balanço operacional e desdobramento de ações.

Holding que controla o Itaú Unibanco (ITUB4), a Itaúsa (ITSA4) reportou lucro líquido de R$ 2,2 bilhões no balanço do primeiro trimestre, uma alta de 118% sobre o mesmo período do ano passado.

Simule seus investimentos com um especialista e confira as melhores opções de acordo com seu perfil

Já o BTG Pactual (BPAC11), que tem captação recorde de R$ 76 bilhões no trimestre, reportou lucro de R$ 1,197 bilhão, alta de 51,7% em um ano.

A Lojas Marisa (AMAR3) registrou prejuízo líquido de R$ 53,4 milhões no primeiro trimestre, com redução de 50,2% frente um ano atrás e perdas inferiores ao consenso.

Enquanto isso, a Petz (PETZ3) reportou lucro líquido de R$ 11,48 milhões no primeiro trimestre de 2021, queda de 41% em relação ao mesmo período do ano passado e abaixo do consenso.

Por sua vez, a Alupar (ALUP11) registrou lucro líquido de R$ 660,9 milhões no primeiro trimestre de 2021, crescimento de 50,9% em relação ao mesmo período de 2020.

A Log-In (LOGN3) reduziu seu prejuízo líquido no primeiro trimestre de 2021 em 81,4%, fechando o período com perdas de R$ 21,3 milhões.

Já a Direcional (DIRR3) registrou lucro líquido de R$ 27,1 milhões no primeiro trimestre, alta de 2,7 vezes em um ano, mas abaixo do consenso.

Além disso, a Intelbras (INTB3) apresentou lucro líquido de R$ 89,707 milhões no balanço do primeiro trimestre, revertendo prejuízo de R$ 24,33 milhões.

No mais, destaque ainda para B3 (B3SA3), que fará o desdobramento de ações, na proporção de uma para três, sem alteração no valor do capital social da companhia.

Enquanto isso, a Azul (AZUL4) teve tráfego total de passageiros 523,7% maior em em abril, quando comparado há um ano, pior momento da pandemia.

Petrobras (PETR3 PETR4) informou que assinou com a Petrom contrato para a venda da totalidade de sua participação de 50% no campo terrestre de Rabo Branco, em Sergipe.

Já a PetroRio (PRIO3) informou que produção inicial do poço Polvo pode ficar em torno de 2.500 barris de óleo por dia.

Por fim, a Guararapes (GUAR3), controladora da Riachuelo, inicia as operações de sua plataforma de marketplace.

Confira agora a íntegra do Radar Corporativo:

O que você verá neste artigo:

Balanços

Itaúsa (ITSA4) lucra 118% a mais no balanço do 1TRI21

A Itaúsa (ITSA4), holding que controla o Itaú Unibanco (ITUB4), reportou lucro líquido de R$ 2,2 bilhões no balanço do primeiro trimestre (1TRI21). Os números refletem uma alta de 118% sobre o mesmo período do ano passado, com lucro de R$ 1,01 bilhão.

O lucro líquido recorrente foi de R$ 2,4 bilhões, 123% superior ao 1TRI20.

BTG Pactual (BPAC11) lucra 52% a mais no balanço do 1TRI21

O BTG Pactual (BPAC11) reportou lucro líquido ajustado de R$ 1,19 bilhões no balanço do primeiro trimestre (1TRI21). Os números refletem uma alta de 52% sobre o mesmo período do ano passado, com lucro de R$ 789 milhões.

Além disso, o lucro líquido contábil totalizou R$ 1,17 bilhão, 53,2% acima do 1TRI20; enquanto o lucro líquido por unit ajustado passou de R$ 0,91 no 1TRI20 para R$ 1,28 um ano depois.

Lojas Marisa (AMAR3) tem prejuízo líquido 50% menor no 1TRI21

Ainda impactada pelos reflexos da pandemia sobre as vendas, a Lojas Marisa (AMAR3) registrou prejuízo líquido de R$ 53,4 milhões no balanço do primeiro trimestre de 2021.

O resultado é 50,2% melhor do que o prejuízo do mesmo período de 2020, de R$ 107,1 milhões.

Petz (PETZ3): lucro líquido cai 41% no 1TRI

A Petz (PETZ3) registrou lucro líquido de R$ 11,48 milhões no primeiro trimestre de 2021, queda de 41% em relação ao mesmo período de 2020.

A receita líquida subiu 52%, para R$ 454,2 milhões.

Intelbras (INTB3) reverte prejuízo e lucra R$ 89,707 milhões no 1TRI21

A Intelbras (INTB3) registrou lucro líquido de R$ 89,707 milhões no balanço do primeiro trimestre (1TRI21).

Um ano antes a companhia havia registrado prejuízo de R$ 24,33 milhões.

Log-In (LOGN3) reduz prejuízo líquido em 81,4% no 1TRI21

A Log-In (LOGN3)  reduziu seu prejuízo líquido no primeiro trimestre de 2021 em 81,4% no comparativo com o mesmo período do ano anterior.

Nos três primeiros meses deste ano o prejuízo ficou em R$ 21,3 milhões contra um prejuízo de R$ 114,6 milhões do mesmo período de 2020.

Direcional (DIRR3) registra lucro líquido 2,7 vezes maior no 1TRI21

A Direcional (DIRR3) registrou lucro líquido de R$ 27,1 milhões no primeiro trimestre de 2021. Ou seja, crescimento 2,7 vezes maior do que o balanço do 1TRI20, quando a empresa lucrou R$ 10 milhões.

Já a margem líquida cresceu 3,1 p.p. O indicador passou de 3,4% (1TRI20) para 6,5% (1TRI21).

Mitre (MTRE3) tem prejuízo 82,2% maior no balanço do 1TRI21

A Mitre (MTRE3) registrou prejuízo líquido de R$ 11,68 milhões no balanço do primeiro trimestre (1TRI21).

Os números refletem um aumento de 82,2% sobre o prejuízo do mesmo período de 2020.

Blau Farmacêutica (BLAU3) tem alta de 174% no lucro no 1TRI21

A Blau Farmacêutica (BLAU3) registrou aumento de 174% no lucro no primeiro trimestre de 2021, atingindo R$ 86,2 milhões.

O Ebitda somou R$ 128 milhões no primeiro trimestre de 2021, crescimento de 82% na comparação ano a ano.

Alupar (ALUP11): lucro líquido avança 50,9% no 1TRI, para R$ 660,9 milhões

A Alupar (ALUP11) registrou lucro líquido de R$ 660,9 milhões no primeiro trimestre de 2021, crescimento de 50,9% em relação ao mesmo período de 2020.

Mobly (MBLY3) prejuízo cresce 134,9% no 1TRI21 

A Mobly (MBLY3) registrou lucro líquido de R$ 25,5 milhões no primeiro trimestre de 2021, crescimento de 134,9% em relação ao mesmo período de 2020.

Aura Minerals (AURA33) reverte prejuízo e lucra R$ 76,4 milhões no 1TRI

A Aura Minerals (AURA33) registrou lucro líquido de R$ 76,4 milhões no primeiro trimestre de 2021, revertendo prejuízo do mesmo período de 2020.

Banestes (BEES3) apresenta crescimento de 35,8% no lucro

O Banestes (BEES3) apresentou crescimento de 35,8% no lucro líquido recorrente do primeiro trimestre de 2021 em comparação com o mesmo período do ano passado.

O indicador ficou em R$ 61 milhões no 1TRI21 contra R$ 45 milhões no 1TRI20.

Cias Abertas

Petrobras (PETR4) assina contrato para venda de campo terrestre em Sergipe

A Petrobras (PETR3 PETR4) informou nesta segunda-feira (10) que assinou com a Petrom contrato para a venda da totalidade de sua participação de 50% no campo terrestre de Rabo Branco, localizado na Bacia de Sergipe-Alagoas, no Estado de Sergipe.

A assinatura, segundo a Petrobras, decorre do exercício do direito de preferência pela Petrom, que detém os 50% restantes de participação no campo.

PetroRio (PRIO3): produção inicial do poço Polvo pode ficar em torno de 2.500 barris de óleo por dia

A PetroRio (PRIO3) informou hoje (10) os resultados da perfuração no reservatório do Eoceno no Campo de Polvo (POL-K), cuja produção inicial ficou em torno de 2.500 barris de óleo por dia, ainda em período de avaliação.

“Este resultado bastante satisfatório, em linha com o obtido no poço POL-L, perfurado em 2020, confirma o potencial do reservatório Eoceno”, sublinhou a PetroRio. “O volume recuperável estimado deste poço, em cerca de 4 milhões de barris, deverá ser reclassificado de Proved Undeveloped Reserves para Proved Developed Producing Reserves”.

O aumento de produção eleva a produção total do Campo de Polvo de volta a um patamar próximo a 12.000 barris por dia. O poço teve investimento de aproximadamente US$ 11 milhões, e tem um payback estimado de menos de 3 meses.

Azul (AZUL4): tráfego total de passageiros aumenta 523,7% em abril

A Azul (AZUL4) divulgou nesta segunda-feira (10) os resultados preliminares de tráfego de abril de 2021, com aumento de 523,7% no tráfego de passageiros doméstico (RPKs).

Cabe lembrar que no mesmo período do ano passado foi instaurado um lockdown por conta da Covid-19, o que derrubou a oferta e a demanda por voos.

Em termos de capacidade oferecida, medida pelo “assento-quilômetro oferecido” (available seat kilometers ou ASK, na sigla em inglês), houve aumento de 455,8%.

De forma consolidada, a taxa de ocupação totalizou 77,5% em abril, ante 69,0% de um ano antes.

Oi (OIBR4) reapresenta demonstrações financeiras

A Oi (OIBR4) informou nesta segunda (10) que o Conselho de Administração aprovou a reapresentação das suas demonstrações financeiras do exercício social encerrado em 31 de dezembro de 2020.

A reapresentação, segundo a companhia, decorreu da necessidade da realocação nas linhas da DRE (Demonstrativo de Resultados do Exercício) entre os números das operações continuadas e  descontinuadas

A Oi explica em comunicado: “A reapresentação não afeta as Demonstrações do Resultado Abrangente, das Mutações do Patrimônio Líquido, dos Fluxos de Caixa e o lucro/prejuízo societário por ação para o exercício encerrado em 31 de dezembro de 2020, e não afeta a posição patrimonial e financeira e o desempenho de suas operações consolidadas para o exercício em 2020.”

Guararapes (GUAR3) inicia operações de marketplace

A Guararapes (GUAR3) informou o início das operações de sua plataforma de marketplace que permitirá ao site www.riachuelo.com.br, ao AppRiachuelo e todas as plataformas digitais da marca, segundo a companhia, “ampliar o sortimento com ofertas de produtos dos sellers conhecidos como 3P (third part) dentro do nosso ecossistema”.

Explica a Guararapes> “O movimento está em linha com o processo de transformação do modelo de negócio da companhia na direção de se tornar uma plataforma de negócios integrados formando um grande ecossistema de lifestyle centrado no cliente.”

A Riachuelo diz que espera elevar o engajamento de clientes com aumento da recorrência, constância, itens por venda e ticket médio: “Haverá muito mais sortimento e ofertas à disposição dos clientes.”

B3 (B3SA3) fará desdobramento de ações

A B3 (B3SA3) aprovou nesta segunda-feira (10) a proposta de desdobramento de suas ações na proporção de uma para três, sem alteração no valor do capital social da companhia.

A Assembleia Geral Extraordinária da B3 aprovou também a alteração da expressão do seu capital social para refletir o cancelamento de 17.138.490 ações mantidas em tesouraria, conforme determinado pelo Conselho de Administração em reunião de 4 de março último.

Ao final do pregão desta segunda, com queda de 0,07%, uma ação da B3 passou a valer R$ 53,30. O desdobramento vai baratear o papel para que mais pessoas tenham acesso ao ativo.

B2W (BTOW3) fará assembleia em 10/6 para aprovar composição do conselho da nova Americanas

A B2W (BTOW3) propõe a realização de alterações na composição do Conselho de Administração, com eleição de seis novos membros, com mandato se encerrando em 2023, sem alteração do número total de membros, definido em sete.

Isso se deve em virtude da renúncia da maioria dos membros do Conselho de Administração, à exceção de um, que permanece, por ora, no cargo.

Os membros independentes do Conselho de Administração da Lojas Americanas (LAME4) que se candidataram para ocupar esse mesmo cargo da B2W renunciaram aos respectivos cargos na Lojas Americanas, de modo que os cargos não serão ocupados simultaneamente.

Mosaico (MOSI3) anuncia aquisição

A Mosaico anunciou a aquisição do Vigia de Preço, empresa de tecnologia que desenvolve soluções para auxiliar o consumidor digital.

Em 2020, o Vigia de Preço gerou R$ 113 milhões em GMV (gross merchandise value) para lojistas parceiros e alcançou R$ 5,2 milhões de receita bruta.

Atualmente, a plataforma conta com aproximadamente 200 mil extensões instaladas. O valor total da operação poderá atingir R$ 7,5 milhões.

Alupar (ALUP3) celebra aditivo contratual com a EY

O Conselho de Administração da Alupar (ALUP3 ALUP4) aprovou a celebração do Primeiro Termo de Aditamento Contratual da Carta de Contratação dos Serviços de Auditoria com a empresa Ernst & Young para prestação dos serviços de auditoria externa no ano de 2021.

GPC (GPCP3) pode mudar de nome e ticker

A GPC Participações (GPCP3 GPCP4) comunicou ao mercado e ao público em geral que, caso aprovada a alteração do nome da companhia na Assembleia Geral Extraordinária (AGE) a ser realizada em 25 de maio próxima, suas ações ordinárias e preferenciais passarão a ser negociadas na B3 (B3SA3) sob novos códigos de negociação.

Os escolhidos passam a ser “DEXP3” (ordinárias) e “DEXP4” (preferenciais), em substituição aos tickers atuais “GPCP3” e “GPCP4”. A empresa passaria a atender pelo novo nome de pregão DEXXOS PAR, em substituição a GPC PART.

A alteração terá validade e eficácia, se aprovada na AGE, a partir do pregão de 26 de maio de 2021.

Gafisa (GFSA3) envia relatório anual à SEC

A Gafisa (GFSA3) informou hoje (10) que foi arquivado junto à SEC (Securities Exchange Commission, o equivalente à Comissão de Valores Mobiliários nos Estados Unidos) seu formulário 20-F.

“O processo foi concluído não tendo sido identificadas quaisquer deficiências materiais (material weaknesses) nos procedimentos internos da companhia”, informa a Gafisa, em comunicado ao mercado. “Ainda, a companhia segue tomando medidas para proceder com a relistagem de suas ADRs, buscando maior liquidez para seus acionistas estrangeiros e possibilidades adicionais de captação de recursos para projetos”.

BB (BBAS3) propõe mudanças em estrutura organizacional para fortalecer setor de agronegócio

O Banco do Brasil informou que sua administração está propondo ao Conselho de Administração alterações em sua estrutura organizacional, cindindo a atual Vice-Presidência de Agronegócios e Governo em duas vice-presidências, sendo a Vice-Presidência de Governo e a Vice-Presidência de Agronegócios.

Esta movimentação visa aumentar o foco estratégico para a área de Agronegócios, um dos pilares de nossa atuação, passando a ter, com a aprovação desta proposta, um vice-presidente dedicado exclusivamente ao assunto.

Emissões e dívida

Dasa (DASA3) aprova aumento de capital

O Conselho de Administração da Dasa (DASA3) aprovou aumento de capital no montante de no montante de R$ 359.647.386,00.

Dessa maneira, o capital passará de R$ 15.633.588,39 para R$ 15.992.978.974,39 com a emissão de 6.200.817 novas ações ordinárias, cada uma no valor de R$ 58,00, todas nominativas, escriturais e sem valor nominal.

O capital social da Companhia, até então dividido em 541.762.371 ações ordinárias, terá 547.963.188 ações ordinárias, com a exclusão do direito de preferência dos atuais acionistas da companhia na subscrição.

BrasilAgro (AGRO3) aumenta capital social para R$ 1,25 bi

A BrasilAgro (AGRO3) anunciou aumento de capital social de R$ 1,13 bi para R$ 1,25 bi após realizar  subscrição de ações da americana Cape Town.

A  acionista Cape Town exerceu seu direito de subscrição de ações decorrente dos bônus da primeira emissão da companhia em 15 de março de 2006.

Dessa forma, o capital social da BrasilAgro vai passar de R$ 1.139.810.576,79, dividido em 82.104.301  ações ordinárias, nominativas e sem valor nominal, para R$ 1.253.114.516,31 — que corresponde a 87.235.820,00.

Proventos

Blau Farmacêutica (BLAU3) distribui dividendos

A Blau (BLAU3) aprovou a distribuição de juros sobre o capital próprio aos acionistas, com base na composição acionária de 31 de março de 2021, à conta de lucros existentes no balanço levantado em 31de março de 2021.

O valor bruto total é de aproximadamente R$ 2,412 milhões, correspondente a R$ 0,016300634 por ação.

O pagamento dos juros sobre o capital próprio deverá ser realizado em 30 dias, a partir deste 10 de maio.

Vivara (VIVA3) pagará dividendos de R$ 12,481 milhões

A Vivara (VIVA3) aprovou hoje o pagamento de juros sobre capital proprio (JCP) relativo ao exercício de 2020, no valor bruto de R$ 25 milhões, correspondentes a R$ 0,1058435061 por ação.

Aprovou também o pagamento de dividendos, relativo ao resultado do mesmo período, no montante total aproximado de R$ 12,481 milhões.

Os pagamentos serão efetuados em 14 de maio de 2021.

IPO

Ofertas na Bolsa devem atingir R$ 200 bi devido ao apetite por aquisições

A necessidade de executar aquisições para sobreviver em mercados em fase de consolidação está alimentando o apetite de companhias brasileiras por emissões de ações em Bolsa, de acordo com reportagem do Valor.

No acumulado de 2021, mesmo com a volatilidade causada pela crise política e pela segunda onda da covid-19, as ofertas – iniciais (IPOs) ou subsequentes – já somam R$ 65 bilhões. E a expectativa é de que essa ida às compras de grandes negócios se intensifique, podendo elevar a movimentação total a R$ 200 bilhões até dezembro.

Mudança acionária

Dimed (PNVL3, PNVL4): Equitas reduz participação

A Dimed (PNVL4) informou que fundos geridos pela Equitas alienaram ações ordinárias da companhia e  passou a deter um total de 6.795.352 ações da mesma classe (ON –PNVL3), que representam 4,92% do total de ações ordinárias.

Alphaville (AVLL3) tem mudança acionária

A Alphaville (AVLL3) recebeu comunicação da Pátria Real Estate III (FIP RE III), representado pela sua gestora Pátria Investimentos e Real Estate XXV (RE XXV), informando que, em decorrência de uma operação de redução de capital, a RE XXV transferiu para o FIP RE III, seu único acionista, a totalidade das 1.183.700 ações ordinárias emitidas pela Alphaville, representando aproximadamente 5,28% do capital social da companhia.

O comunicado ao mercado também informa que, por meio de tal redução de capital, a RE XXV também transferiu ao FIP RE III a totalidade dos 355.110 bônus de subscrição emitidos pela companhia que eram de sua propriedade.

Assim, o FIP RE III passa a deter uma participação total direta na companhia de 6.225.201 ações ordinárias, representando aproximadamente 27,8% do total das ações, e total de 761.889 bônus de subscrição.

3R (RRRP3) tem mudança acionária

O BTG Pactual informou que a sua participação passou a ser de 5.942.068 de ações ordinárias em 07 de maio de 2021, o que equivale a aproximadamente 4,49% do total de ações ordinárias emitidas pela 3R.

O Banco também diz possuir opção flexível garantindo-lhe exposição vendida de 600.000 ações ordinárias, equivalendo a uma exposição vendida de, aproximadamente, 0,45% do total de ações ordinárias emitidas pela companhia.

Além de opção flexível garantindo-lhe exposição comprada de 600.000 ações ordinárias, equivalendo a uma exposição comprada de, aproximadamente, 0,45% do total de ações ordinárias emitidas pela 3R.

3R mira em áreas de empresas menores para crescer

A 3R Petroleum Óleo e Gás segue firme com sua estratégia de aproveitar o programa de desinvestimentos da Petrobras para crescer, conforme informou o jornal Valor.

Mas essa não é sua única aposta. Áreas produtoras de outras companhias, que já ultrapassaram a fase exploratória, são também uma alternativa para avançar no mercado brasileiro.

(Com Marco Antonio Lopes, Claudia Zucare, Rodrigo Petry e Redaçã0)

Cases da Bolsa

Aprenda análise fundamentalista de ações na prática, com maiores cases já criados na B3