Radar FII: veja os destaques de fundos imobiliários desta quarta

Regiane Medeiros
Economista formada pela UFSC. Produz conteúdo na área de mercado de capitais, finanças pessoais e atualidades.
1

Crédito: Pixabay

O BTG Pactual, administrador do FII Edifício Galeria (EDGA11), comunicou que recebeu uma notificação da locatária Mercer Human Resource Consulting informando a sua intenção de rescindir o contrato de locação firmado com o Fundo.

Com a possível saída da locatária, a ocupação total dos imóveis do Fundo terá como vacância projetada o valor de 45,61%.

Em complemento, a Administradora informa que a locatária está em processo de formalização dos documentos referentes à rescisão.

Perdeu a Money Week?
Todos os painéis estão disponíveis gratuitamente!

A vacância projetada entrará em vigor assim que a locatária cumprir o aviso prévio, em 120 dias.

Com a futura saída da locatária a receita do Fundo será impactada negativamente em, aproximadamente, 14,27% em comparação às receitas do mês de setembro de 2020.

Isso provocará um impacto negativo na distribuição de rendimentos de, aproximadamente, 0,04.

O BTG informou que está trabalhando ativamente em conjunto com o consultor imobiliário com o intuito de reduzir a vacância do imóvel e, consequentemente, gerar valor para o Fundo e seus cotistas.

HABT11 comunica resultado do leilão de cotas

A Vórtx, na qualidade de administradora do FII Habitat Recebíveis Pulverizados (HABT11), informou que na última sexta-feira, 16, foi realizado na B3 o leilão de frações de cotas decorrentes das relações de troca oriundas da incorporação do FII Habitat I.

O leilão negociou o montante total líquido de R$ 14.344,77.

Desta forma, foi creditado nas contas dos respectivos cotistas beneficiários do leilão, no dia 20 de outubro de 2020, o valor equivalente a R$ 114,75816 por cota.

VILG11 realiza compra de novo empreendimento

O FII Vinci Logística (VILG11) comunicou a aquisição de 100% do empreendimento Caxias Park, localizado em Duque de Caxias (RJ).

O imóvel possui 76,6 mil m² de área bruta locável (ABL) e uma área de terreno com projeto aprovado para futura expansão de aproximadamente 80,5 mil m² de ABL.

O valor total da transação foi de R$ 223,1 milhões, pago à vista.

O NOI esperado para os próximos 12 meses é de cerca de R$ 18,2 milhões, o equivalente a um rendimento médio aproximado de R$ 0,14/cota ao mês.

Entretanto, descontados os efeitos de redução das receitas de aplicação financeira do caixa a ser utilizado na aquisição, o incremento médio por cota é estimado em R$ 0,11.

A gestão estima um cap rate de 8,9% para os próximos 12 meses, baseado apenas na receita de locação contratada da ABL existente.

Atualmente o ativo encontra-se 100% locado, com 12 locatários, servindo como o principal centro de distribuição no estado do Rio de Janeiro do grupo L’Oréal Brasil.

Além disso, o empreendimento possui outros locatários de primeira linha como a MN Tecidos (importação e distribuição de produtos têxteis), General Mills (empresa de alimentos dona de marcas como Cheerios, Kitano, Yoki, Haagen-Dazs e Nature Valley²) e outros 9 locatários diversos.

DOVL11B informa aumento no patrimônio líquido do Fundo

O FII Dovel (DOVL11B) comunicou que os investimentos do Fundo, os quais são reconhecidos por seu valor justo, foram reavaliados na data-base de 30/09/2020, em virtude de contrato de locação relevante celebrado pelo Fundo.

Esta avaliação ocasionou um impacto positivo de 6,03% no patrimônio líquido do Fundo, sendo tal percentual equivalente a R$ 4,05 milhões no fechamento de 30/09/2020.

FII: Confira os rendimentos divulgados

FLRP11: R$ 2,84764824 por cota em 30/10

IFIX

Na sessão da terça-feira, 21, o IFIX fechou em alta de 0,2%, aos 2.823,75 pontos.

Em outubro, o índice acumula alta de 1,04%. No ano, a desvalorização é de 11,49%.