Radar corporativo: veja os destaques das empresas nesta terça-feira

Cláudia Zucare Boscoli
Jornalista formada pela Cásper Líbero, com pós-graduação em Jornalismo Econômico pela PUC-SP, especialização em Marketing Digital pela FGV e extensão em Jornalismo Social pela Universidade de Navarra (Espanha), com passagens por IstoÉ Online, Diário de S. Paulo, O Estado de S. Paulo e Editora Abril.
1

O Radar corporativo desta terça-feira (20) destaca que a CVC (CVCB3) teve prejuízo de R$ 252 mi no segundo trimestre. Também, que a Vale teve alta na produção de minério de ferro no terceiro trimestre.

Ainda, que o Grupo Big Brasil, de varejo alimentício, protocolou pedido de IPO. E que a CSN (CSNA3) protocolou oferta de ações da CSN Mineração. Veja mais notícias.

CVC (CVCB3) tem prejuízo de R$ 252 mi no 2TRI

Em balanço com divulgação atrasada do segundo trimestre, a CVC (CVCB3) informou que encerrou o segundo trimestre deste ano com um prejuízo consolidado de R$ 252,1 milhões, revertendo lucro pro forma de R$ 98,5 milhões do mesmo intervalo do ano passado.

BDRs| Aprenda mais sobre essa classe de Ativos

O Ebitda ajustado foi negativo em R$ 155,3 milhões, ante um número positivo de R$ 197,3 milhões na comparação anual.

A rceita líquida recuou 99,4%, para R$ 3 milhões de abril a junho, auge do início da pandemia. Um ano antes, a receita havia sido de R$ 529,4 milhões.

Vale (VALE3) tem alta de 2,3% na produção de minério no 3TRI

A Vale (VALE3) reportou uma produção de 88,676 milhões de toneladas de minério de ferro no terceiro trimestre deste ano. Isso significa uma elevação de 2,3% na comparação com igual período de 2019.

Consulte os melhores diálogos e insights da Money Week.

Já em relação ao segundo trimestre deste ano, houve aumento de 31,2% na produção de minério de ferro.

Embraer (EMBR3) entrega 28 jatos no 3TRI20

A Embraer (EMBR3) entregou 28 jatos no terceiro trimestre de 2020, sendo sete comerciais e 21 executivos (19 leves e dois grandes). Em 30 de setembro deste ano, a carteira de pedidos firmes a entregar totalizava US$ 15,1 bilhões.

Grupo Big Brasil protocola pedido de IPO

O Grupo Big Brasil, que opera a rede de varejo alimentício anteriormente controlada pelo Walmart, pediu registro de oferta pública de ações (IPO, na sigla em inglês).

No prospecto, a empresa informou que pretende realizar oferta primária (com emissão de novas ações) e secundária (com venda de ações dos atuais sócios).

Os acionistas vendedores na tranche secundária são a Advent por meio do fundo de investimento Momentum (81,14%) e o Walmart com 18,86%.

CSN (CSNA3) protocola oferta de ações da CSN Mineração

A CSN (CSNA3) protocolou pedido de registro de oferta pública de distribuição primária e secundária de ações ordinárias de emissão da sua controlada, CSN Mineração.

De acordo com a empresa, a Oferta foi aprovada em assembleia geral de acionistas e em reunião do conselho de administração da CSN Mineração, ambas realizadas em 15 de outubro de 2020.

A CSN registrou um lucro líquido R$ 1,261 bilhão no terceiro trimestre de 2020, revertendo o prejuízo de R$ 870,6 milhões no mesmo período do ano passado

O desempenho foi puxado pela valorização das ações da Usiminas que gerou ganho sem efeito caixa de R$ 537 milhões.

VALE3 e MGLU3 lideram recomendações da semana

Numa análise de oito carteiras recomendadas para a semana que se encerra em 23 de setembro, são dois os ativos que mais foram lembrados: Vale (VALE3) e Magazine Luiza (MGLU3), tal como na semana anterior.

As duas empresas foram recomendadas por quatro casas de investimentos. Foram compiladas as carteiras semanais da Ativa Investimentos, BTG Pactual, Elite, Guide, Mirae Asset, MyCap, Necton e Terra Investimentos.

Acionistas da Smiles querem anular operação da Gol (GOLL4)

Os acionistas da Smiles iniciaram um procedimento arbitral contra a Gol, alegando que a empresa abusou de seu poder nas operações de vendas antecipadas de passagem na pandemia. Eles pedem a anulação das operações, com a devolução dos valores envolvidos, cerca de R$ 1,6 bilhão.

Papéis da BRF (BRFS3) têm espaço para recuperação

A BRF (BRFS3) superou turbulências societárias, contornou problemas de ordem sanitária, reorganizou dívidas e vendeu ativos. Agora se encontra reestruturada, mas, mesmo assim, subvalorizada na bolsa. É o que apontam os gestores da empresa em reportagem do Valor.

Dona das marcas Sadia e Qualy, a BRF, que já chegou a valer quase R$ 63 bilhões, está hoje avaliada em menos de R$ 15 bilhões. O valor dos papéis caiu 48,4%, enquanto o Ibovespa recuou 14,7%.

Atualmente, a empresa vem sendo beneficiada pela alta demanda chinesa e pelo aumento do consumo de alimentos no Brasil viabilizado pelo auxílio emergencial. Ainda assim, segue como uma das maiores quedas da bolsa no ano.

Randon (RAPT4) tem queda de 5% na receita em 2020

A Randon (RAPT4) registrou uma receita líquida de R$ 553,8 milhões em setembro deste ano, uma elevação de 25,4% em relação à setembro de 2019. No acumulado do ano até setembro, no entanto, a receita líquida caiu 5%, totalizando R$ 3,616 bilhões.

Unidas (LCAM3) e EDP Brasil (ENBR3) fazem parceria

Unidas (LCAM3) e EDP Brasil (ENBR3) se uniram para viabilizar a locação de carros elétricos no Brasil. A locadora entrará com a compra da frota e disponibilização para locação de veículos elétricos, enquanto a companhia de energia proverá a infraestrutura para carregamento. O uso de mini usinas solares já é cogitado.

A parceria já começa neste mês, com a disponibilização de 100 carros 100% elétricos para São Paulo, Brasília e Curitiba. Para o ano que vem, a projeção é chegar a 600 carros. A informação é do Valor.

C&A (CEAB3): controlador nega intenção de venda

A C&A (CEAB3) divulgou comunicado na noite de ontem (19) comunicando que questionou o grupo controlador, a Cofra Holding, sobre a informação de que pode vender as operações no Brasil. A notícia, divulgada pela manhã, tinha motivado uma alta das ações da companhia na bolsa ao longo do dia. De acordo com nota, a Cofra afirmou que “nenhum processo está em andamento no que diz respeito à C&A Modas e continua apoiador do negócio e sua performance”.

Cemig (CMIG4) tem mudança acionária

A Cemig (CMIG4) informou que o Banco Clássico, adquiriu, por meio do seu fundo exclusivo FIA Dinâmica Energia, o montante de 200 mil ações ordinárias da companhia. A negociação totalizou o valor de R$ 2,44 milhões.

Dessa forma, o FIA Dinâmica Energia passou a deter 101.538.777 de ações on (20%) e 50.860.372 ações PN da (5,03% no total).

Direcional (DIRR3) paga JCP

A Direcional (DIRR3) anunciou que fará a distribuição de dividendos como aprovado em reunião do Conselho de Administração, em 5 de outubro de 2020.

O valor total é de R$ 120,3 milhões, sendo R$ 0,81 por ação. Os dividendos serão pagos na quarta-feira (21) e não estão sujeitos a atualização monetária ou juros.

Moura Dubeux (MDNE3): Sul América atinge 5,85% das ações

A Moura Dubeux (MDNE3) comunicou ao mercado que a Sul América Investimentos atingiu participação equivalente a 4.970.600 ações ordinárias da companhia.

Esse montante corresponde a aproximadamente 5,85% do capital social.

Eletrobras (ELET6) aprova participação em parques eólicos

A Eletrobras (ELET6) aprovou a compra, pela Chesf (Companhia Hidro Elétrica do São Francisco), da participação acionária da Sequoia Capital nas Sociedades de Propósito Específico (SPEs), dos Complexos Pindaí I, II e III, na Bahia.

A transação dos parques eólicos custou R$ 20,6 milhões.

Eletrobras (ELET6): política de acordos judiciais e extrajudiciais

A Eletrobras também informou ao mercado que o Conselho de Administração aprovou a Política de Celebração de Acordos Judiciais e Extrajudiciais das Empresas Eletrobras.

“A política tem por objetivo estabelecer diretrizes para orientar os processos de identificação, avaliação, tratamento e parametrização de litígios que envolvam as empresas Eletrobras e que sejam passíveis de transação”, diz a companhia.

Rede D’Or São Luiz adquire Clínica São Lucas

A Rede D’Or São Luiz anunciou que celebrou instrumentos definitivos para a aquisição de participação acionária representativa de 100% da Clínica São Lucas.

A clínica fica localizada no município de Macaé, norte do Estado do Rio de Janeiro e conta com 55 leitos instalados.

O valor atribuído ao ativo (enterprise value) é de R$ 67,2 mil, dos quais serão abatidos as dívidas existentes, já tendo sido consumada a aquisição pela companhia de participação de 75% na Clínica São Lucas, devendo a aquisição dos 25% remanescentes ocorrer após a obtenção de autorização judicial (por ser de titularidade de um espólio).

Rumo (RAIL3) tem parceria com governo de SP

O governo de São Paulo anunciou investimentos de R$ 6 bilhões para reestruturação da malha ferroviária do estado.

O empreendimento será realizado pelo Grupo Rumo Logística (RAIL3) e vai atender 72 municípios paulistas.

Entre as obras previstas estão as de recuperação de dois ramais que estavam desativados: Colômbia-Pradópolis (185,6 quilômetros) e Panorama-Bauru (369,1 quilômetros), que cortam o estado em direção ao Porto de Santos.