Radar corporativo: os destaques das empresas nesta terça-feira

Cláudia Zucare Boscoli
Jornalista formada pela Cásper Líbero, com pós-graduação em Jornalismo Econômico pela PUC-SP, especialização em Marketing Digital pela FGV e extensão em Jornalismo Social pela Universidade de Navarra (Espanha), com passagens por IstoÉ Online, Diário de S. Paulo, O Estado de S. Paulo e Editora Abril.
1

Crédito: Reprodução/Pixabay

O Radar corporativo desta terça-feira (29) destaca que a Petrobras (PETR4) inicia fase não-vinculante de venda em polo no Rio Grande do Norte. Também que a Vale (VALE3) anuncia amortização de dívida no valor de US$ 5 bi. E que a GIC Private Limited reduziu sua fatia da Totvs (TOTS3). Veja mais notícias.

Radar: mercados

Após as altas de ontem, a terça-feira (29) começou com os mercados em terreno negativo, mas os futuros de NY passaram a operar perto da estabilidade no início da manhã.

Hoje acontece o primeiro debate entre Donald Trump e Joe Biden na corrida presidencial dos Estados Unidos. Acusações de que Trump sonegou impostos e ataques à China devem estar entre os temas.

Participe do maior evento de investimentos da América Latina

Também no radar do investidor estão possíveis definições quanto ao novo pacote de estímulo desenhado pelos democratas de US$ 2,2 trilhões, menor do que o inicialmente proposto pelo partido, mas maior do que querem os republicanos.

O coronavírus também assombra, com o total de mortes no mundo ultrapassando a marca de 1 milhão.

Na Europa, Reino Unido e União Europeia dão sinais de que o aguardado acordo comercial pós-Brexit ainda está longe de uma definição.

Destaques no Brasil

Ontem, a bolsa brasileira começou bem, mas descolou do exterior e fechou em forte queda e foi abaixo dos 95 mil pontos – perdeu 2,41%, aos 94.666 pontos. A proposta apresentada para o Renda Cidadã, que substituirá o Bolsa Família, não agradou o mercado, contornando o teto de gastos e piorando a crise fiscal.

Veja as cotações às 7h26:

  • S&P: +0,01%
  • Nasdaq: -0,10%
  • Dow Jones: +0,02%

Veja aqui a cobertura completa da abertura dos mercados.

Radar: destaques corporativos

Confira as notícias das empresas.

Petrobras (PETR4) inicia fase não-vinculante de venda em polo no RN

Petrobras (PETR4) informou o início da fase não-vinculante da venda da totalidade de suas participações em 26 concessões de campos de produção terrestres e de águas rasas.

As concessões ficam na Bacia Potiguar, no Rio Grande do Norte.

Vale (VALE3) anuncia amortização de dívida no valor de US$ 5 bi

Vale (VALE3) informou que realizou o pagamento de US$ 5 bilhões em linhas de crédito rotativo com vencimento em junho de 2022 (US$ 2 bilhões) e dezembro de 2024 (US$ 3 bilhões), desembolsadas em março de 2020.

Segundo a Vale, a amortização “recompõe integralmente a disponibilidade das linhas de crédito rotativo ao valor original de US$ 5 bilhões.”

Totvs (TOTS3): GIC Private Limited reduz fatia a 4,922%

Totvs (TOTS3) anunciou que o GIC Private Limited, representante do governo de Singapura, alienou ações ordinárias de emissão da empresa.

Segundo a companhia, as participações alcançaram, de forma agregada, 4,922% do capital social.

Vtex é o novo unicórnio brasileiro

A fornecedora de sistemas para comércio eletrônico Vtex concluiu uma rodada de investimentos de US$ 225 milhões e passou a ser avaliada em US$ 1,7 bilhão. Com isso, torna-se um dos “unicórnios” brasileiros, como são chamadas as companhias que atingem valor superior a US$ 1 bi.

Itaú Asset quer mais ajustes na proposta da Stone

A Itaú Asset, que possui cerca de 6% das ações da Linx (LINX3), contratou o advogado Marcelo Trindade, ex-presidente da Comissão de Valores Mobiliários (CVM), para a avaliação de eventuais problemas de governança na proposta de aquisição feita pela Stone.

O resultado é que a proposta não atende à política interna de governança da instituição financeira. Entre as razões apontadas, estão o fato de os conselheiros independentes terem aceitado multas no caso da não aprovação do negócio e também para o caso da desistência da Linx em valores muito elevados; além do acordo de não competição firmado com os fundadores da Linx.

Santander (SANB11) compra 60% da Toro

O Banco Santander comunicou nesta terça-feira (29) a aquisição de 60% do capital da Toro Controle e Participações, holding que controla a Toro Corretora de Títulos e Valores e a Toro Investimentos. A operação foi feita por meio de sua subsidiária Pi Distribuidora de Títulos e Valores Mobiliários. Não foi informado o valor do negócio.

Quatro empresas desistem de IPO

O birô de crédito Boa Vista conseguiu viabilizar sua oferta inicial de ações (IPO na sigla em inglês) e levantou R$ 2,17 bilhões na oferta.

Outras quatro empresas desistiram do processo, por conta da volatilidade do mercado. São elas: Compass, controlada do grupo Cosan, One Innovation, Nortis e 2W Energia, informa o Valor.

TIM (TIMP3) tem aval para Novo Mercado e aprova reestruturação

O conselho de administração da TIM informou que recebeu autorização da Bolsa de Valores para a listagem de suas ações no segmento especial de governança corporativa de Novo Mercado.

Foi aprovada também a extinção da TIM Participações por meio de sua incorporação pela TIM S.A.

IRB (IRBR3) fará emissão de R$ 900 mi em debêntures

O IRB Brasil Resseguros (IRBR3) anunciou que fará sua primeira emissão de debêntures simples, não conversíveis em ações, da espécie quirografária, no valor de R$ 900 milhões.  Serão emitidas em 15 de outubro até 900.000 debêntures, de R$ 1.000,00, em duas séries. Os títulos da primeira série vencerão em 15 de outubro de 2023 e da segunda série em 15 de outubro de 2026.

Hapvida (HAPV3) adquire Grupo Santa Filomena (SP) por R$ 45 mi

Hapvida (HAPV) fechou acordo envolvendo a aquisição de 100% das ações do Grupo Santa Filomena.

Iguatemi (IGTA3) emitirá debêntures no total de R$ 500 mi

Iguatemi (IGTA3) anunciou que fará emissão de debêntures no valor total de R$ 500 milhões.

A oferta, conforme aprovação do Conselho de Administração da Iguatemi, representa a 10ª emissão de debêntures da companhia.

Direcional (DIRR3) conclui bookbuilding de debêntures

Direcional comunicou a conclusão da coleta de intenções de investimento dos potenciais investidores (ou bookbuilding) nas debêntures emitidas na 6ª emissão.

São debêntures simples, não conversíveis em ações, em série única.

CCR (CCRO3) e Eztec (EZTC3) aprovam pagamento de dividendos

CCR (CCRO3) anunciou que será efetuado, em dia 30 de outubro de 2020, pagamento de dividendos.

A distribuição foi aprovada em reunião do Conselho de Administração da empresa.

O valor total dos proventos será no montante de R$ 373,2 milhões, correspondentes a R$ 0,18477 por ação ordinária.

Restoque (LLIS3) tem PRJ homologado

A Restoque, dona das marcas Le Lis Blanc e Dudalina, informou que o plano de recuperação extrajudicial da companhia foi homologado pela justiça. A companhia irá apresentar à CVM pedido para emissão de debêntures,  cujos recursos serão usados para pagar os débitos com credores.

Eztec (EZTC3) pagará proventos no total de R$ 66 mi

Eztec (EZTC3) informou que foi foi aprovado o pagamento de dividendos relativos ao exercício encerrado em 31 de dezembro de 2019.

O montante é de R$ 66,7 milhões. Esse valor é referente a R$ 0,2940 por ação ordinária.

Galvani e INB exploram urânio e fosfato no Ceará

Depois de remodelado para atender a questão ambientais, começa a sair do papel o projeto de exploração de uma mina de urânio e fosfato no Ceará pela indústria de fertilizantes Galvani e pela estatal federal Indústrias Nucleares do Brasil (INB). Serão investido US$ 400 milhões no projeto Itataia, sendo 80% dos recursos aportados pela Galvani. A informação é do Valor.

Aéreas voltam a patamar de 2019 em 2022

A recuperação das companhias aéreas acontece mais rápido do que o esperado, afirma o Valor. As empresas estimam que a recuperação a níveis de 2019 deve acontecer até 2022. Antes, trabalhavam com 2024 como projeção.

Mercado imobiliário de SP supera nível pré-pandemia

Pesquisa do Secovi-SP mostrou que agosto desse ano foi o mais forte em vendas e lançamentos na cidade de São Paulo desde o início da pesquisa, em 2004. Foram vendidos 6.350 apartamentos novos, 46,3% a mais do que em julho e 35% acima de agosto do ano passado. Com isso, empresas estão retomando projetos adiados por conta da quarentena, de acordo com o Estadão.