Radar corporativo: veja os destaques das empresas nesta sexta-feira

Cláudia Zucare Boscoli
Jornalista formada pela Cásper Líbero, com pós-graduação em Jornalismo Econômico pela PUC-SP, especialização em Marketing Digital pela FGV e extensão em Jornalismo Social pela Universidade de Navarra (Espanha), com passagens por IstoÉ Online, Diário de S. Paulo, O Estado de S. Paulo e Editora Abril.
1

O radar corporativo desta sexta-feira (25) traz como destaque a Vale (VALE3), que paga remuneração semestral de debêntures participativas, e Petrobras (PETR3 PETR4), que deve ter a venda de suas refinarias barradas pelo STF.

Também, que a Caixa Seguridade suspende IPO pela segunda vez.

Sobre IPOs, o Valor Econômico destaca que a corrida das empresas à abertura de capital perdeu força. Veja mais notícias.

Participe do maior evento de investimentos da América Latina

Radar: mercados

Os futuros de Nova York tentam evitar uma quarta semana com fechamento negativo e operam com leve alta na manhã desta sexta-feira (25).

A perspectiva de mais estímulos do governo continua sendo um foco principal. Ontem (24), o presidente do Federal Reserve, Jerome Powell, e o secretário do Tesouro, Steven Mnuchin, afirmaram que US$ 380 bilhões que sobraram do último pacote de ajuda federal poderiam ser usados ​​para ajudar famílias e empresas se legisladores aprovarem.

Os democratas já trabalham em uma nova proposta, que incluiria ajuda para companhias aéreas, restaurantes e pequenas empresas. Mas ele seria de US$ 2,4 trilhões, valor menor do que os US$ 3,5 trilhões apresentados anteriormente.

Destaques Brasil

A bolsa de valores ganhou 1,33% ontem, chegando a 97.012,07 pontos, com o presidente do Banco Central, Roberto Campos Neto, dizendo que a “mensagem principal” no momento é que o país não está disposto “a correr riscos inflacionários oriundos de questões fiscais”.

Ele afirmou que o BC está tranquilo quanto às pressões recentes dos preços, que devem se restringir a este ano. Deixou claro também que Selic segue em 2% por um bom tempo. Novamente, reiterou que, se houver novo corte, será pequeno.

Veja as cotações às 7h40:

  • S&P: -0,49%
  • Nasdaq: -0,43%
  • Dow Jones: -0,55%

Veja aqui a cobertura completa da abertura dos mercados.

Radar: destaques corporativos

Confira as notícias das empresas.

Petrobras (PETR3 PETR4) venda refinarias

O jornal Valor Econômico destaca que a sequência do julgamento da ação no STF sobre a venda das refinarias da Petrobras foi marcado para quarta-feira.

Segundo a publicação, após os três votos contrários à venda, a tendência é que seja formada maioria contrária.

Vale (VALE3) paga remuneração semestral de debêntures participativas

A Vale (VALE3) informou que realizará pagamento de remuneração das debêntures participativas na próxima quarta (30). O valor bruto será de R$ 1,2712 por debênture, no total de R$ 493,9 milhões, aos detentores de debêntures com posição em custódia na B3 (B3SA3) e/ou Bradesco (BBDC4), no fechamento do dia 29 de setembro.

Caixa Seguridade suspende IPO pela segunda vez

A Caixa Seguridade informou que irá suspender de novo o processo para abertura de capital.

O comunicado ao mercado diz que a controladora Caixa Econômica Federal decidiu pedir à CVM a interrupção da análise da documentação do registro da oferta pública de ações ordinárias da Caixa Seguridade. E, adicionalmente, pedir a B3 a interrupção da análise para listagem no segmento do Novo Mercado.

O motivo, de acordo com o comunicado, é a atual conjuntura do mercado.

IPOs perdem força

A corrida pela abertura de capital perdeu força. Conforme o jornal Valor, o excesso de ofertas e a volatilidade dos mercados estão levando ao cancelamento de ofertas e redução nos valores captados.

Entre os últimos a desistirem estão o banco de investimentos BR Partners e a Caixa Seguridade, que cancelaram IPOs.

Já a Petrobras desistiu da oferta secundária da BR Distribuidora.

Melnick Even e Hidrovias fecharam no preço mínimo.

Acionistas da Tecnisa (TCSA3) rejeitam proposta da Gafisa (GFSA3)

Os acionistas da Tecnisa reunidos em assembleia nesta quinta-feira (24) rejeitaram a proposta da Gafisa, feita por meio do fundo Bergamo, de aumento de capital de R$ 500 milhões e alteração no estatuto do dispositivo sobre aquisição de participação relevante (poison pill).

No começo de agosto, a Gafisa, dona de 5,3% da Tecnisa, fez proposta para aquisição da concorrente.

Melnick precifica IPO em R$ 8,50 por ação

Melnick (MELK3), subsidiária da Even (EVEN3), precificou o seu IPO em R$ 8,50 por ação. Com isso, a captação deve ser de R$ 713,58 milhões. O IPO ocorre dia 28.

Odebrecht e Graal fecham acordo

Depois de quase dez anos de disputas judiciais, o grupo Odebrecht e a Graal Participações, da família Gradin, fecharam acordo. A disputa envolvia 20% de participação acionária que a Graal detinha da Odebrecht Investimentos, holding dona do grupo Odebrecht.

Segundo o Valor, a Graal passa a ser incluída no processo de recuperação judicial do grupo. O valor do crédito é sigiloso.

Se Yduqs (YDUQ3) ficar com Laureate, pode ter problemas com Cade

Segundo a consultoria Hoper, entre as três empresas interessadas na compra da Laureate, apenas a Yduqs (YDUQ3) poderia enfrentar problemas de concentração de mercado junto ao Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade).

As outras duas interessadas, Ser Educacional (SEER3) e Ânima (ANIM3) não teriam este problema, informa o Valor.

A concentração aconteceria no Rio de Janeiro, onde a Yduqs já detém 33,4% do mercado.

Easynvest entra no mercado de crédito

A corretora Easynvest irá oferecer dentro de sua própria plataforma empréstimos de R$ 1 mil a R$ 250 mil a investidores que preferem pegar emprestado em vez de resgatar valores investidos. Os recursos desses clientes serão a garantia da operação.

De acordo com o Estadão, o negócio não foi discutido com o Nubank, que anunciou a compra da corretora há duas semanas.

B3 (B3SA3) anuncia proventos

A B3 (B3SA3) informou que os valores atribuídos por ação relacionados ao pagamento de dividendos, referentes ao primeiro e segundo trimestres de 2020, foram ajustados de R$ 0,64836875 para R$ 0,64874250.

Os valores atribuídos por ação relacionados ao pagamento de juros sobre capital próprio (JCP), referentes ao exercício de 2020, também foram ajustados. Passaram de R$ 0,14778588 para R$ 0,14787107 por ação, sobre os quais incidem Imposto de Renda.

Tenda (TEND3) aprova dividendos 

A Tenda (TEND3) aprovou declaração de dividendos intercalares, a serem pagos aos acionistas com base no período encerrado em 30 de junho. O montante é de R$ 13,743 milhões. Isso equivale a R$ 0,139520413 por ação, considerando a posição de 98.506.374 ações, não incluídas as em tesouraria.

Romi (ROMI3) comunica sobre proventos

A Romi (ROMI3) deliberará em Assembleia Geral Ordinária a distribuição de JCP no valor bruto de R$ 50,286 milhões, com base na posição de 29 de setembro. Serão R$ 0,80 por ação, a serem pagos em 11 de dezembro, sem atualização monetária até lá.

Essa Assembleia Geral Ordinária vai tratar sobre os resultados sobre os resultados de 2020.

Energisa (ENGI11) inicia operação de usina fotovoltaica

A Energisa (ENGI11) inicia nesta sexta (25) a operação de sua quarta usina fotovoltaica, todas em Uberlândia, Minas Gerais. O investimento é de R$ 100 milhões, informa o Valor.

Rede D’Or São Luiz aprova desdobramento de ações na proporção de 2 para 1

A Rede D’Or São Luiz aprovou o desdobramento das ações ordinárias na proporção de 2 novas ações ordinárias para cada ação ordinária existente.

Assim, o capital social da companhia passará a ser dividido em 1.839.649.668 ações ordinárias. Aprovou também aumento do capital social da companhia no valor de R$ 1,600 bilhão.

Vulcabras (VULC3) aprova licenciamento de Azaleia à Grendene (GRND3)

Vulcabras (VULC3) informou, em fato relevante nesta quinta (24), que aprovou o licenciamento da Azaleia à Grendene (GRND3). O licenciamento, diz a empresa, inclui a “produção e comercialização de calçados femininos em geral no Brasil e em qualquer outro país do mundo, exceto Peru, Chile e Colômbia, pelo prazo de três anos”

Ele pode ser renovado por um período adicional de outros 3 anos, acrescenta a Vulcabras.