Radar corporativo: veja os destaques das empresas nesta sexta-feira

Cláudia Zucare Boscoli
Jornalista formada pela Cásper Líbero, com pós-graduação em Jornalismo Econômico pela PUC-SP, especialização em Marketing Digital pela FGV e extensão em Jornalismo Social pela Universidade de Navarra (Espanha), com passagens por IstoÉ Online, Diário de S. Paulo, O Estado de S. Paulo e Editora Abril.
1

Crédito: Reprodução/Pixabay

O Radar corporativo desta sexta-feira (13) destaca a enxurrada de resultados de empresas na reta final da safra de balanços do terceiro trimestre.

Entre os destaques está a Oi (OIBR3), que reportou prejuízo de R$ 2,63 bilhões, perda 54% menor na comparação anual. A tele informou ainda que conta com, ao menos, R$ 26,9 bilhões em novos recursos com leilões judicias e vendas de ativos.

Em relação à safra de resultados, vamos aos principais resultados:

Perdeu a Money Week?
Todos os painéis estão disponíveis gratuitamente!

  • Cogna (COGN3) registrou prejuízo acima do esperado;
  • B3 (B3SA3) registrou lucro líquido recorrente levemente acima das expectativas.
  • Sabesp (SBSP3) teve lucro em linha com o consenso;
  • BR Malls (BRML3) teve queda no lucro, mas melhor que as expectativas de prejuízo;
  • Ser (SEER3) teve prejuízo, ante projeção de lucro;
  • Copel (CPLE3) reportou lucro acima do esperado;
  • Arezzo (ARZZ3) reportou ganhos acima do projetado;
  • Even (EVEN3) teve lucro acima do esperado;
  • C&A (CEAB3) reportou prejuízo menor que o esperado;
  • Centauro (CNTO3) teve perdas menores que as expectativas;
  • Hapvida (HAPV3) teve lucro abaixo do esperado;

Veja mais balanços e notícias das empresas:

O que você verá neste artigo:

Oi (OIBR3): prejuízo cai 54%, a R$ 2,63 bilhões

A Oi (OIBR3) reportou prejuízo de R$ 2,63 bilhões nos resultados referentes ao terceiro trimestre de 2020.

Isso representa uma queda de 54% na comparação com o mesmo período de 2019, com prejuízo de R$ 5,74 bilhões.

No acumulado de 2020, a Companhia registra prejuízo de R$ 12,32 bilhões.

Oi (OIBR3): venda de ativos

A tele informou ainda sobre a venda de seus ativos, afirmando que sobre suas operações de fibra pedirá no mínimo R$ 6,5 bilhões em dinheiro e R$ 2,4 bilhões em assunção de dívidas.

Já nos casos da operação móvel, cujo ofertante principal já está definido, o lance será de R$ 16,5 bilhões; enquanto para data centers a oferta será de R$ 325 milhões e, em torres, de R$ 1,07 bilhão.

Por fim, a Oi afirmou que conta com ao menos R$ 26,9 bilhões em novos recursos com leilões judicias e vendas de ativos.

Segundo seu balanço, a dívida líquida da Oi no trimestre foi de R$ 21,24 bilhões. Um ano antes era de R$ 14,71 bilhões.

Cogna (COGN3) reverte lucro em prejuízo

A Cogna (COGN3) registrou prejuízo líquido foi de R$ 1,292 bilhão no terceiro trimestre de 2020, revertendo lucro de R$ 20 milhões no mesmo período do ano passado.

O prejuízo líquido ajustado de R$ 162,884 milhões, contra lucro de R$ 134.959 milhões na mesma base de comparação.

O Ebitda (lucro antes dos juros, impostos, depreciação e amortização) foi negativo em R$ 610,048 milhões, contra um Ebitda positivo de R$ 511,548 milhões no terceiro trimestre de 2019.

De acordo com a companhia, o recuo do Ebitda decorre da queda de receita e do aumento no volume de provisionamento no ensino superior, motivado pelos efeito da pandemia.

Sanepar (SAPR11) tem queda de 32,4% no lucro

A Sanepar (SAPR11) registrou lucro líquido de R$ 164,5 milhões no terceiro trimestre de 2020, recuo de 32,4% em relação ao mesmo período do ano passado. O Ebitda somou R$ 392,2 milhões, uma redução de 19,3%. A margem Ebtida atingiu 33,6%, baixa de 7,4 pontos percentuais na comparação anual.

B3 (B3SA3): lucro recorrente salta 34,3%

A B3 (B3SA3) registrou um lucro líquido recorrente de R$ 1,143 bilhão, um desempenho 34,3% superior ao do mesmo período do ano passado.

Já o lucro liquido atribuído aos acionistas somou R$ 1,136 bilhão, alta de 58%.

Na comparação com o segundo trimestre deste ano, o lucro recorrente subiu 13% e o atribuído aos acionistas 27,4%.

Equatorial (EQTL3) tem lucro 32,7% maior no 3TRI

A Equatorial (EQTL3) registrou lucro líquido atribuível aos controladores de R$ 727,9 milhões no terceiro trimestre de 2020, um aumento de 32,7% em relação ao mesmo período do ano passado. Em termos ajustados, o lucro líquido totalizou R$ 607 milhões, avanço de 22,9% na comparação anual.

O Ebitda ajustado somou R$ 1,174 milhão, uma elevação de 13,7%

Natura (NTCO3) lucra R$ 377 mi no balanço

A Natura (NTCO3) reportou lucro líquido consolidado R$ 377,7 milhões no terceiro trimestre deste ano, praticamente estável na comparação anual.

Há um ano o lucro no mesmo período ficou em R$ 376,8 milhões.

BrMalls (BRML3) tem queda de 97% no lucro

BrMalls (BRML3) lucrou R$ 7,810 milhões. O desempenho é 97% inferior ao reportado no mesmo intervalo do ano passado.

Em termos ajustados, o lucro atingiu R$ 37,500 milhões, retração de 79,9%.

O lucro líquido ajustado foi impactado pelo aumento de R$ 27,8 milhões em provisões e perdão de dívida.

Sabesp (SBSP3) tem queda de 65,1% no lucro

A Sabesp (SBSP3) registrou lucro líquido de R$ 421,6 milhões no terceiro trimestre de 2020, retração de 65,1% em relação ao mesmo período do ano passado.

De acordo com a empresa, o desempenho foi afetado pela instabilidade econômica, agravada pela pandemia, que provocou a redução de R$ 275 milhões nas receitas com clientes comerciais e industriais, bem como a postergação do reajuste tarifário.

Ser (SEER3) tem prejuízo contábil de R$ 27,9 mi

A Ser (SEER3) apresentou um prejuízo líquido contábil de R$ 27,978 milhões no terceiro trimestre deste ano, revertendo lucro de R$ 23,837 milhões de um ano antes.

Em termos de lucro líquido ajustado, na visão gerencial, o prejuízo somou R$ 1,301 bilhão, revertendo ganho de R$ 36,185 milhões.

O Ebitda ajustado somou R$ 54,816 milhões, queda de 19,8%, com margem de 20,3% (-3,3 p.p.).

Vivara (VIVA3) tem lucro 8,7% menor

A Vivara (VIVA3) registrou um lucro líquido de R$ 36,147 milhões no balanço do terceiro trimestre deste ano, desempenho 8,7% inferior ao do mesmo intervalo do ano passado.

O lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização (Ebitda, na sigla em inglês) somou R$ 63,583 milhões (+0,4%), com margem de 26,2%.

EzTec (EZTC3) tem alta de 96% no lucro

A EzTec (EZTC3) registrou lucro líquido de R$ 119,8 milhões no terceiro trimestre de 2020, um aumento de 96% em relação ao mesmo período do ano passado.

De acordo com a empresa, o trimestre apresentou uma escalada relevante de receita líquida, empurrada pelo galope nas vendas de estoque pronto, bem como no salto da receita financeira.

Light (LIGT3) reverte prejuízo em lucro de R$ 136 mi

A Light (LIGT3) registrou um lucro líquido de R$ 136 milhões no terceiro trimestre de 2020, revertendo o prejuízo líquido de R$ 11 milhões em igual período de 2019.

No acumulado de janeiro a setembro de 2020, o lucro líquido atingiu R$ 258 milhões ante um lucro de R$ 7164 milhões um ano antes.

C&A (CEAB3) reverte lucro em prejuízo de R$ 28,2 mi

A C&A (CEAB3) registrou um prejuízo de R$ 28,2 milhões no terceiro trimestre de 2020, revertendo o lucro líquido de R$ 19,1 milhões em igual período de 2019.

No acumulado de janeiro a setembro de 2020, o prejuízo líquido atingiu R$ 275,7 milhões ante um lucro de R$ 796,3 milhões no mesmo período do ano anterior.

Copel (CPLE3) registra lucro de R$ 680,4 mi

A Copel (CPLE3) registrou um lucro líquido de R$ 680,4 milhões no terceiro trimestre, refletindo um crescimento de 10,9% em relação ao mesmo período de 2019.

No acumulado de 2020, a Companhia registra lucro de R$ 2,78 bilhões, alta de 90% na base anual.

SulAmérica (SULA11): lucro cresce 6 vezes

A SulAmérica (SULA11) registrou lucro líquido de R$ 1,727 bilhão no terceiro trimestre de 2020, um aumento de 603,8% em relação ao mesmo período do ano passado.

De acordo com a empresa, o resultado foi influenciado principalmente pela venda das operações auto e massificados para a Allianz.

Cyrela (CYRE3) lucra 12,4 vezes mais

A Cyrela (CYRE3) registrou lucro líquido de R$ 1,403 bilhão no terceiro trimestre de 2020, um aumento de 1.244% em relação ao mesmo período do ano passado.

De acordo com a empresa, o resultado foi impulsionado pelo forte resultado operacional e ganhos não recorrentes.

Taurus (TASA4) reverte prejuízo em lucro

Taurus (TASA4) registrou lucro líquido de R$ 102,2 milhões no terceiro trimestre de 2020, revertendo prejuízo líquido de R$ 26,4 milhões no mesmo período do ano passado.

Conforme a Taurus, o resultado foi puxado pelo aumento da demanda que vem ocorrendo nos mercados norte-americano e brasileiro, e a redução das despesas financeiras líquidas.

Hapvida (HAPV3) tem alta de 16,7% no lucro

A Hapvida (HAPV3) registrou lucro líquido de R$ 247,8 milhões no terceiro trimestre de 2020, um aumento de 16,7% em relação ao mesmo período do ano passado.

Conforme a companhia, o resultado é fruto principalmente da redução da sinistralidade e menores custos e despesas relacionados ao ressarcimento ao SUS.

Arezzo (ARZZ3) tem lucro 21,3% menor

A Arezzo (ARZZ3) reportou lucro líquido 21,3% menor no 3TRI20 em relação ao mesmo período do ano passado.

O último trimestre rendeu R$ 27,9 milhões de lucro líquido para a Arezzo. Enquanto que no mesmo período do ano passado foram R$ 35,5 milhões.

Inbrands reverte lucro em prejuízo de R$ 30,2 milhões

A operadora de marcas de modas Inbrands apresentou um prejuízo líquido de R$ 30,2 milhões no terceiro trimestre deste ano. O resultado reverte o lucro de R$ 2,7 milhões do mesmo período do ano passado.

CPFL (CPFE3) tem alta de 80,8% no lucro

A CPFL (CPFE3) registrou lucro líquido de R$ 1,35 bilhão no terceiro trimestre de 2020, um aumento de 80,8% em relação ao mesmo período do ano passado.

De acordo com a empresa, o resultado foi influenciado pelo o aumento do Ebitda, decorrente principalmente da melhora no desempenho dos segmentos de Distribuição  de Geração Renovável, e a redução do Imposto de Renda e Contribuição Social.

Invepar (IVPR4B): prejuízo líquido piora 423%

A Invepar (IVPR4B) reportou um prejuízo líquido de R$ 400,6 milhões no terceiro trimestre de 2020, o que representa piora de 423,0% em relação aos R$ 76,6 milhões de prejuízo no terceiro trimestre de 2019.

Banco Inter (BIDI4) registra prejuízo de R$ 8,11 mi

O Banco Inter (BIDI4) reportou prejuízo de R$ 8,11 milhões, revertendo um lucro líquido de R$ 2,7 milhões no terceiro trimestre de 2019.

Comgas (CGAS3) tem lucro líquido de R$ 292,14 mi

A Comgas (CGAS3 e CGAS5) teve lucro líquido de R$ 292,140 milhões. Isto representa uma queda de 21,7% em relação ao mesmo período de 2019. Na época, o lucro foi de R$ 650,023 milhões.

Centauro (CNTO3) reverte lucro em prejuízo

O Grupo SBF, dona da Centauro (CNTO3), registrou prejuízo líquido de R$ 33,2 milhões no terceiro trimestre de 2020, revertendo lucro líquido de R$ 38,4 milhões no mesmo período do ano passado.

Eneva (ENEV3) registra lucro de R$ 55,6 mi

O lucro líquido da Eneva (ENEV3) totalizou R$ 55,6 milhões no terceiro trimestre. Os números representam uma queda de 38,1% na base anual.

De acordo com a companhia, a queda no trimestre é explicada principalmente pela redução do Ebitda no período.

Mills (MILS3) reverte prejuízo em lucro de R$ 1,2 mi

A Mills (MILS3) registrou lucro líquido de R$ 1,2 milhão no terceiro trimestre, revertendo o prejuízo líquido de R$ 19,4 milhões no mesmo período do ano passado.

O resultado foi impactado pela retomada das atividades industriais, comerciais e dos serviços em geral.

Lucro líquido da Randon (RAPT4) sobe 48%

A Randon (RAPT3;RAPT4) apresentou um avanço de 47,7% no lucro do terceiro trimestre de 2020.

Entre julho a setembro de 2020 o resultado líquido foi de R$ 116,01 milhões. Isto ante R$ 78,53 milhões no ano passado.

Renova (RNEW11) tem queda de 29% no prejuízo

A Renova Energia (RNEW11) apresentou queda de 28,73% no prejuízo líquido, em relação ao mesmo período de 2019.

Há um ano, a empresa reportava R$ 166,004 milhões de prejuízo.

Even (EVEN3) tem alta de 147,2% no lucro

A Even (EVEN3) registrou lucro líquido de R$ 40,7 milhões no terceiro trimestre de 2020, um aumento de 147,2% em relação ao mesmo período do ano passado.

O resultado financeiro foi uma despesa de R$ 7,3 milhões. Isto contra perdas financeiras de R$ 6,1 milhões do mesmo período de 2019.

BNDES registra lucro líquido de R$ 8,73 bi

O principal banco de fomento do Brasil, o BNDES (Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social) registrou lucro líquido de R$ 8,73 bilhões no terceiro trimestre de 2020.

O desempenho, apresentado foi influenciado pelo resultado obtido com participações societárias.

GCFF11: fundo da Galápagos faz 2ª oferta pública

O Galápagos Fundo de Fundos (GCFF11) realizará a sua segunda oferta pública no valor total de R$ 60 milhões. O período de reservas vai de 10 de novembro a 2 de dezembro. Porém, o direito de preferência deve ser negociado até o dia 25 de novembro.

Em relação ao preço de emissão, a nova cota custará R$ 100, já considerado o custo de distribuição primária.

Azul (AZUL4) liquida oferta de debêntures

A Azul (AZUL4) anunciou a liquidação da captação da oferta pública de distribuição de debêntures conversíveis em ações preferenciais.

O valor total de emissão foi de R$ 1,75 bi, com data de 26 de outubro de 2020. O vencimento é de cinco anos, em 26 de outubro de 2025.

ELET6: apagão não interfere nas vendas

De acordo com o presidente da Eletrobras (ELET6), Wilson Ferreira Junior, o apagão no Amapá é um “evento extraordinário”, que não afeta a venda da estatal. Para ele, a situação deverá gerar melhorias no sistema de regulação, com o aperfeiçoamento das fiscalizações.

A companhia segue com o processo de venda de suas Sociedades de Propósito Específico (SPEs). Atualmente, a Eletrobras participa de 131 SPEs, mas até 31 de dezembro 29 devem ser vendidas, 13 incorporadas e oito encerradas, segundo o Valor.