Radar corporativo: veja os destaques das empresas nesta sexta-feira

Cláudia Zucare Boscoli
Jornalista formada pela Cásper Líbero, com pós-graduação em Jornalismo Econômico pela PUC-SP, especialização em Marketing Digital pela FGV e extensão em Jornalismo Social pela Universidade de Navarra (Espanha), com passagens por IstoÉ Online, Diário de S. Paulo, O Estado de S. Paulo e Editora Abril.
1

Crédito: Reprodução/Unsplash

O Radar corporativo desta sexta-feira (6) destaca que o balanço da Lojas Renner (LREN3), que reportou prejuízo de R$ 82,9 milhões no terceiro trimestre, revertendo lucro de um ano antes.

Já Iguatemi registrou lucro 29,2% menor na comparação anual, para R$ 61,56 milhões, enquanto a JHSF (JHSF3) apresentou alta de 87,4% no lucro.

A Engie (EGIE3) teve retração de 34% no lucro, na comparação anual, e a Tenda (TEND3) ganhos líquidos de R$ 70,5 milhões (+9,1%).

BDRs| Aprenda mais sobre essa classe de Ativos

Saíram resultados também de Hermes Pardini (PARD3), AES Tietê (TIET11), Burger King (BKBR3) e Valid (VLID3).

Fora balanços, a Azul (AZUL4) teve alta de 41% na demanda por voos em outubro e a Usiminas (USIM5) informou alta de 9,4% na produção.

Além disso, o GPA (PCAR3) obteve vitória em processo de exclusão de valor de ICMS da base de cálculo do PIS e da COFINS, que vai gerar o direito de reaver aproximadamente R$ 1,2 bilhão.

Consulte os melhores diálogos e insights da Money Week.

Veja mais balanços e notícias corporativas.

Lojas Renner (LREN3) reverte lucro em prejuízo

A Lojas Renner (LREN3) teve prejuízo de R$ 82,9 milhões no terceiro trimestre de 2020, revertendo lucro de R$ 186,7 milhões no terceiro trimestre de 2019.

De acordo com a empresa, o resultado foi impactado pelo menor resultado de produtos financeiros e redução do Ebitda de varejo.

Engie (EGIE3) registra lucro de R$ 490 mi

A Engie Brasil (EGIE3) reportou lucro líquido de R$ 490 milhões no terceiro trimestre de 2020. Os números representam uma retração de 34% frente a igual período de 2019.

No acumulado de 2020, a companhia registrou um avanço de 4,4% nos lucros comparado ao mesmo período de 2019.

Tenda (TEND3) tem lucro líquido de R$ 70,5 mi

A Tenda (TEND3) registrou um lucro líquido de R$ 70,5 milhões no terceiro trimestre de 2020, um desempenho 9,1% superior ao mesmo período de 2019.

Já nos nove primeiros meses de 2020, o lucro líquido acumulado é de R$ 128,4 milhões, ante um lucro de R$ 187,4 milhões um ano antes.

Iguatemi (IGTA3): lucro líquido soma R$ 61,56 mi

A Iguatemi (IGTA3) reportou um lucro líquido de R$ 61,56 milhões no terceiro trimestre de 2020.

Isso significa uma redução de 29,2% na comparação com o terceiro trimestre do ano passado.

Iguatemi (IGTA3): conselho aprova swap com ações

A Iguatemi (IGTA3) aprovou a celebração de contratos de total return equity swap.

A operação tem por objeto a troca de resultados de fluxos financeiros futuros, referenciados por ações da companhia.

Hermes Pardini (PARD3) tem alta de 39% no lucro

A empresa Hermes Pardini (PARD3) registrou lucro líquido de R$ 60,3 milhões no terceiro trimestre de 2020, crescimento de 39% em relação ao mesmo período do ano passado.

A margem líquida atingiu 13,5% no trimestre, alta de 0,9 ponto percentual.

O resultado financeiro foi uma despesa de R$ 7,8 milhões, uma redução de 57,6%.

JHSF (JHSF3): lucro líquido cresce 87,4%

A JHSF (JHSF3) registrou lucro líquido de R$ 176 milhões no terceiro trimestre de 2020. Isso representa uma alta de 87,4% em relação ao terceiro trimestre de 2019.

Entretanto, em face dos R$ 254,7 milhões no segundo trimestre, a queda é de 30,89%.

O lucro antes de juros, impostos, amortização e depreciação (Ebitda, na sigla em inglês) ajustado somou R$ 229 milhões, uma alta de 232,5%, na comparação com o terceiro trimestre de 2019.

AES Tietê (TIET11) tem queda de 47,3% no lucro

AES Tietê (TIET11) registrou um lucro líquido de R$ 51,1 milhões no terceiro trimestre de 2020. Isso representa queda de 47,3% na comparação com igual período do ano passado.

De acordo com a empresa, o resultado foi impactado pela variação da despesa financeira, diante de atualização monetária de R$ 101 milhões do passivo dos riscos hidrológicos (conhecidos pela sigla GSF).

Burger King (BKBR3) tem prejuízo de 105,9 mi

A BK Brasil (BKBR3), operadora das lojas Burger King no Brasil, reportou prejuízo líquido de R$ 105,9 milhões no terceiro trimestre de 2020.

No mesmo período do ano passado, a Companhia havia registrado um lucro líquido de R$ 5,4 milhões.

Segundo a companhia, esse resultado foi impactado pela atividade operacional no decorrer do trimestre.

BK (BKBR3) avalia oferta primária restrita

A BK Brasil comunicou também, em fato relevante, que estuda a captação de recursos via oferta primária restrita de ações para retomar seu plano de crescimento.

A proposta de oferta está sendo assessorada por Itaú e Santander e depende de aprovação de assembleia dos acionistas e de condições favoráveis do mercado.

Valid (VLID3) reverte lucro em prejuízo

A Valid (VLID3) reportou prejuízo de R$ 2,4 milhões no terceiro trimestre de 2020, revertendo um lucro líquido de R$ 31,7 milhões em igual período do ano passado.

O resultado financeiro foi uma despesa de R$ 33,1 milhões, contra uma despesa líquida de R$ 16,3 milhões no terceiro trimestre de 2019.

Azul (AZUL4) tem alta de 41% na demanda por voos em outubro

A Azul (AZUL4) informou os resultados preliminares do movimento de passageiros em outubro de 2020.

O tráfego de passageiros consolidado (RPKs) aumentou 41% em relação a setembro de 2020, ante um crescimento de 42,6% na capacidade (ASKs).

PCAR3 tem vitória em processo sobre ICMS e Cofins

O Pão de Açúcar (PCAR3) comunicou que venceu processo judicial no qual pleiteou a exclusão do valor do Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS) da base de cálculo do PIS e da COFINS.

Com o trânsito em julgado da decisão, o Pão de Açúcar teve reconhecido o direito de reaver, mediante compensação dos valores, aproximadamente R$ 1,2 bilhões, incluindo correção monetária.

Wiz (WIZS3) tem lucro líquido de R$ 81 mi

A Wiz (WIZS3) divulgou o balanço do terceiro trimestre, no qual registrou um lucro líquido de R$ 81 milhões no terceiro trimestre de 2020, o que representa desempenho 30% maior do o mesmo período de 2019.

A receita líquida foi de R$ 247,8 milhões, alta de 179,5% com relação ao terceiro trimestre de 2019.

Copasa (CSMG3) remunera R$ 63 milhões em JCP

A Copasa (CSMG3) informou que em 16 de novembro será efetuado o pagamento dos juros sobre capital próprio (JCP) referentes ao terceiro trimestre de 2020.

O valor é de R$ 63,124 milhões. Isso representa um valor bruto de R$ 0,4994236092 por ação.

C&A (CEAB3) inaugura loja no RS

A C&A (CEAB3) comunicou a abertura de uma nova loja, localizada na cidade de Rio Grande, Rio Grande do Sul, no Partage Shopping Rio Grande, com mais de 2 mil metros quadrados.

A abertura faz parte do plano de expansão e faz o grupo chegar a 292 lojas.

Equatorial (EQTL3) anuncia aumento de capital

A Equatorial (EQTL3) aprovou a subscrição de novas ações de emissão da Equatorial Transmissora 7 SPE (SPE 7) pela controlada da Equatorial Transmissão.

São 41 milhões novas ações de emissão da SPE 7, mediante a integralização do montante em moeda corrente nacional, até 1º de maio de 2022, no total de R$ 41 milhões.

Usiminas (USIM5): produção cresce 9,4%

A Usiminas (USIM5) informou que a produção total de aços laminados no mês de outubro foi de 370,5 mil toneladas, o maior volume produzido desde março de 2020.

Isso representa 3,3% acima da média do primeiro trimestre deste ano e 9,4% superior à média de 2019.

Petz (PETZ3) reduz participação para 4,90%

A Petz (PETZ3) informou que o Itaú Unibanco (ITUB4) reduziu sua participação acionária para 4,908% do capital social da companhia.

Esse total representa 18.301.267 ações ordinárias da Petz.

Light (LIGT3): Beto Sucupira eleva participação

A Light (LIGT3) comunicou alteração acionária com a alienação e aquisição de ações em 4 de novembro.

O acionista Carlos Alberto Sicupira, Beto Sucupira, informou que sua participação na companhia passou a ser indireta.

Disputa pela Linx (LINX3): Stone quer Itaú Asset fora da votação

A Stone entrou com representação no Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade) na tentativa de tirar o direito a voto da Itaú Asset na decisão dos acionistas sobre a proposta de compra da Linx (LINX3), segundo o Valor.

Fundos geridos pela asset alcançaram participação de 5,09% no capital da empresa em julho. A Stone alega que houve ato de concentração de ações ao ultrapassar 5%.

Se você quer saber mais sobre o mercado de ações e como investir, preencha o formulário abaixo que um assessor da EQI Investimentos entrará em contato.