Radar corporativo: veja os destaques das empresas nesta segunda-feira

Cláudia Zucare Boscoli
Jornalista formada pela Cásper Líbero, com pós-graduação em Jornalismo Econômico pela PUC-SP, especialização em Marketing Digital pela FGV e extensão em Jornalismo Social pela Universidade de Navarra (Espanha), com passagens por IstoÉ Online, Diário de S. Paulo, O Estado de S. Paulo e Editora Abril.
1

Crédito: Reprodução/Unsplahs

O Radar corporativo desta segunda-feira (26) destaca que a privatização da Eletrobras (ELET6, ELET3) já é dada como certa pelo ministro da Economia.

A Vale (VALE3) passa a ter controle difuso a partir de novembro.

A Hypera (HYPE3) reportou lucro líquido de R$ 345,6 milhões no terceiro trimestre. Já a Klabin (KLBN11) teve prejuízo de R$ 191 milhões no terceiro trimestre, revertendo lucro de R$ 207 milhões de um ano antes. Sobre o segundo trimestre, porém, a empresa reduziu em 50% suas perdas.

Perdeu a Money Week?
Todos os painéis estão disponíveis gratuitamente!

A B3 (B3SA3)  firmou parceria com o IRB (IRBR3) para viabilizar uma plataforma que conecte corretores, seguradoras e resseguradoras.

E ainda: 52 companhias estão na fila do IPO. Veja mais notícias.

Guedes: privatização da Eletrobras é certa

O ministro da Economia, Paulo Guedes, tem afirmado a interlocutores que a privatização da Eletrobras (ELET6, ELET3) já está acertada com o Senado. Segundo o Globo, agora só falta acordo com a Câmara dos Deputados.

Vale (VALE3) passa a ter controle difuso 

A Vale vai se transformar em corporação sem grupo de controle acionário definido, com o fim do acordo de acionistas, que acontece em novembro.

Segundo o Valor, a companhia terá o controle disperso entre diferentes investidores e deverá inibir qualquer acionista que tenha fatia igual ou maior que 25% do capital. Caso isso ocorra, o sócio que atingir esse percentual terá que fazer um oferta pública de aquisição de ações (OPA) a todos os investidores.

O término do acordo de acionistas representa a conclusão de um processo que começou em 2017. A adoção de um modelo de controle acionário disperso tende a reduzir a possibilidade de intervenção política na empresa.

Hypera (HYPE3) registra alta de 29,4% no lucro no 3TRI20

Hypera (HYPE3) reportou lucro líquido de R$ 345,6 milhões no terceiro trimestre de 2020, representando um crescimento de 29,4% em relação ao mesmo período do ano passado.

Klabin (KLBN11) registra prejuízo de R$ 191 milhões

A Klabin (KLBN11) teve prejuízo de R$ 191 milhões no terceiro trimestre, revertendo lucro de R$ 207 milhões de um ano antes. Sobre o segundo trimestre, porém, a empresa reduziu em 50% suas perdas.

B3SA3 e IRBR3 firmam parceria para plataforma de seguros

Em comunicados divulgados nesta segunda, a B3 (B3SA3) e o IRB (IRBR3) informam que firmaram parceria para viabilizar uma plataforma que conecte corretores, seguradoras e resseguradoras em uma única rede, criando condições para viabilizar a conciliação, negociação  e  liquidação  de  operações  de  seguros  de  forma veloz, segura e transparente.

A ferramenta deve chegar ao mercado em 2021 e será baseada em tecnologia blockchain. Segundo o IRB, a plataforma permitirá que sejam viabilizados em segundos processos que atualmente chegam a durar meses. A plataforma deve ser submetida à aprovação de órgãos reguladores.

52 companhias estão na fila do IPO

O mercado de capitais brasileiro segue com um verdadeiro boom de IPOs (Oferta Pública Inicial) neste ano. Ao todo, 52 companhias estão na fila para abertura de capital junto à Comissão de Valores Mobiliários (CVM). Confira aqui a lista.

BBAS3, SANB11, BBDC4 e ITUB4: lucro deve cair

O setor de bancos começa a publicar seus lucros nesta semana com dois pesos pesados: Santander (SANB11) divulga balanço na terça-feira, dia 27, antes da abertura; e o Bradesco (BBDC3 BBDC4), no dia seguinte, após o fechamento.

Na semana seguinte, serão conhecidos os números dos balanços de Itaú Unibanco (ITUB4), dia 3, e Banco do Brasil (BBAS3), dia 5.

O portal Eu Quero Investir consultou quatro casas (Eleven, Itaú, UBS e XP) para saber quais são as expectativas do mercado quanto aos resultados dos bancos no terceiro trimestre.

De forma geral, os balanços devem apresentar pioras no lucro do terceiro trimestre em comparação ao mesmo período do ano passado, mas melhora na comparação com o segundo trimestre.

Considerando o resultado consolidado de Santander, Bradesco, Itaú e Banco do Brasil, o lucro recorrente consolidado deve cair cerca de 24,1% frente ao terceiro trimestre do ano passado, mas subir 19,5% sobre o segundo deste ano.

PETR4, VALE3, CIEL3 e KLBN11 soltam balanços

A semana será recheada com a divulgação prevista de 37 balanços do terceiro trimestre de 2020. Entre as empresas que divulgarão seus números, estão a Petrobras (PETR3 PETR4), Vale (VALE3), Cielo (CIEL3) e Klabin (KLBN11).

Há ainda o Bradesco (BBDC3 BBDC4), Raia Drogasil (RADL3), Telefônica (VIVT4), Pão de Açúcar (PCAR3), Gerdau (GGBR4) Ambev (ABEV3), a gigante do varejo eletrônico B2W (BTOW3), Suzano (SUZB3), Gol (GOLL4) e Usiminas (USIM5).

Método Engenharia protocola pedido de IPO

Método Engenharia protocolou pedido de oferta inicial de ações. A oferta contará com tranche primária e secundária.

Os recursos captados na oferta primária serão direcionados para reforço do capital de giro; ajustes na estrutura de capital; crescimento mediante potenciais aquisições de empresas do seu mercado de atuação (M&A).

BTG (BPAC11) compra a Necton Investimentos

De acordo com a revista Exame, o BTG Pactual (BPAC11) comprou a Necton Investimentos por R$ 350 milhões. O negócio deve ser anunciado hoje (26).

A Necton tem mais de 40 mil clientes e mais de R$ 16 bilhões em ativos sob custódia.

Arezzo (ARZZ3) compra grupo Reserva

A ação da Arezzo (ARZZ3) fechou o último pregão com alta de 16,04% por causa do anúncio de aquisição do grupo de moda carioca Reserva. O acordo foi aprovado pelo Conselho de Administração da companhia.

Segundo o Valor, outro alvo da empresa deve ser a Amaro, varejista on-line de moda. Mas neste caso deve haver uma disputa com o grupo Soma (SOMA3).

Ânima (ANIM3) x Ser (SEER3): quem fica com a Laureate?

Ficou a cargo da Justiça definir o último capítulo da novela sobre a venda das operações da Laureate no Brasil.

A empresa americana anunciou a venda para a Ânima (ANIM3). Mas a Ser Educacional (SEER3), que já havia feito proposta anterior, está questionando judicialmente o negócio.

A Laureate, por sua vez, processa a Ser por rompimento unilateral de contrato.

O imbróglio, que pode se arrastar por anos, está fazendo as ações oscilarem. Entenda a história e provável desfecho.

B3 proíbe multa à Linx (LINX3)

A B3 (B3SA3) afirmou nesta sexta-feira (24) que a Linx (LINX3) não pode multar os acionistas da empresa caso não aprovarem a a proposta de fusão com a Stone.

O Valor Econômico teve acesso ao documento, que mostra que a penalidade é “incompatível com os princípios que norteiam o segmento, caracterizando infração ao seu regulamento”.

O documento obtido pelo Valor trata especificamente da multa pela não aprovação da adesão da Stone, empresa que substituiria a Linx na bolsa, ao segmento Novo Mercado.

DIRR3: Fidelity vende 6% do total de ações

A Direcional (DIRR3) comunicou que o Fundo Fidelity, de Boston, Estados Unidos, alienou de 9.373.819 ações ordinárias da empresa.

Tal montante representava a totalidade das ações da Direcional que o fundo detinha.

ENGI11: Ronaldo Cezar Coelho detém 19,82%

A Energisa (ENGI11) informou que, em 23 de outubro, Ronaldo Cezar Coelho, através de seu veículo de investimento Samambaia Master Fundo de Investimentos em Ações, passou a deter de 71.924.016 Units, representando aproximadamente 19,82% do total de Units emitidas pela companhia.

O que esperar das ações de turismo?

As ações das empresas do setor de turismo registram forte desvalorização no ano, motivadas pela falta de confiança dos investidores em relação a uma melhora na situação da Covid.

No caso da CVC, há fatores adicionais, além da pandemia, que já atrapalhavam a empresa, como erros contábeis que atrasaram a divulgação de balanços e jogou um véu de desconfiança sobre seus resultados.

Mas pode ser observado um movimento especulativo nas ações. As apostas nos papéis não estão ocorrendo necessariamente em cima dos resultados financeiros que permanecem ruins. Principalmente no caso da Azul e da Gol, que estão com boa liquidez, de acordo com a prévia de seus balanços.

Romi (ROMI3) aumenta capital

O Conselho de Administração da Romi (ROMI3) aprovou aumento do capital de R$ 145,7 milhões.

O capital social passou de R$ 504,9 milhões para R$ 650,7 milhões, mediante a capitalização da reserva de lucros.

O aumento de capital será efetivado com a emissão de 10.476.275 novas ações ordinárias, a título de bonificação na proporção de 1 nova ação para cada 6 ações existentes.

BRKM5: Alaska atinge 5,09% das ações

A Alaska Investimentos adquiriu, na data de 20 de outubro de 2020, através de fundos de investimento sob sua gestão, ações preferenciais classe A de emissão da Braskem, atingindo participação de 17.557.700 ações preferenciais classe A, representativas de 5,09%do total de ações preferenciais classe A.

A Alaska Investimentos também declarou possuir 3.000.000 instrumentos financeiros derivativos referenciados em ações da companhia.

Multiplan (MULT3) paga juros

A Multiplan comunica aos titulares de debêntures de sua 7ª Emissão Pública de Debêntures Simples, que acontece hoje (26) o pagamento de remuneração no valor de R$ 121,0154 por debênture.

BRF (BRFS3) encerra ação coletiva nos EUA

A BRF (BRFS3) chegou a um acordo para encerrar uma ação coletiva movida contra a companhia no Tribunal Distrital Federal dos EUA, em Nova York.

Segundo comunicado divulgado na Comissão de Valores Mobiliários (CVM), a companhia dispôs de US$ 40 milhões “para encerrar todas as demandas pendentes e que possam vir a ser propostas por pessoas ou entidades que compraram ou de outra forma adquiriram American Depositary Receipts – ADRs de sua emissão entre 04 de abril de 2013 e 05 de março de 2018”.

O acordo foi referente à terceira fase da operação Carne Fraca, que apontou um esquema fraudulento na companhia.

BB Seguridade (BBSE3) tem novo Diretor-Presidente

O Conselho de administração do BB Seguridade elegeu Marcio Hamilton Ferreira para ocupar o cargo de Diretor-Presidente.

Desde janeiro de 2020, Ferreira ocupava o cargo de Diretor-Presidente da Brasilprev, empresa investida da BB Seguridade. É funcionário do Banco do Brasil há 34 anos, onde foi Vice-Presidente de Negócios de Atacado.

Aegea (AEGP23) vence leilão de PPP

A Aegea Saneamento (AEGP23), que tem como sócio o fundo soberano de Cingapura, venceu a concessão da Parceria Público-Privada de serviços de esgoto em 68 cidades do Mato Grosso do Sul, organizado pela estatal local Sanesul na B3.

BTG: shoppings devem ter trimestre fraco

Em relatório, o BTG (BPCA11) escreveu que espera outro trimestre fraco para os shoppings, mas ressalta que as coisas estão melhorando. O relatório foi assinado pelos analistas Gustavo Cambauva, Elvis Credendio e Antonio Martins.

A pandemia do novo coronavírus prejudicou os resultados do terceiro trimestre deste ano, mas setembro foi muito melhor do que julho.