Radar corporativo: os destaques das empresas nesta segunda-feira

Cláudia Zucare Boscoli
Jornalista formada pela Cásper Líbero, com pós-graduação em Jornalismo Econômico pela PUC-SP, especialização em Marketing Digital pela FGV e extensão em Jornalismo Social pela Universidade de Navarra (Espanha), com passagens por IstoÉ Online, Diário de S. Paulo, O Estado de S. Paulo e Editora Abril.
1

Crédito: Reprodução/Pixabay

O Radar corporativo desta segunda-feira (9) destaca o balanço do terceiro trimestre da Ânima (ANIM3), que reverteu prejuízo em lucro de R$ 1,8 milhão. Veja também os resultados de M. Dias Branco (MDIA3), SLC (SLCE3), BIOMM (BIOM3) e Tegma (TGMA3).

Ainda, que Petrobras (PETR4) concluiu a venda do campo de Baúna, em São Paulo. E a Vale informa aumento de participação acionária relevante pela Capital Research.

No mais, a Hapvida (HAPV3) anunciou a compra da Premium Saúde e a Azul (AZUL4) informou conclusão do procedimento de bookbuilding da emissão de debêntures conversíveis em ações no valor de R$ 1,745 bilhão.

Conheça a FinTwit, o maior fórum de finanças do mundo.

Hoje o Twitter é pauta na Money Week.

Já Copel (CPLE6) realiza hoje leilão de venda de sua subsidiária de telecomunicações.

Confira mais notícias.

Ânima (ANIM3) reverte prejuízo em lucro

A Ânima (ANIM3) reportou um lucro líquido de R$ 1,8 milhão no terceiro trimestre de 2020.

No mesmo período do ano passado, a Companhia havia registrado prejuízo de R$ 2,5 milhões.

Já nos nove primeiros meses de 2020, a Ânima registra um prejuízo líquido de R$ 8 milhões, ante um lucro de R$ 18,7 milhões um ano antes.

Multiplan: vendas em outubro ficam em 80% de outubro de 2019

O presidente da Miltiplan, grupo que reúne 19 shoppings no país, José Isaac Peres, informou que as vendas dos estabelecimentos registraram em outubro em média 80% do resultado de outubro de 2019, mostrando uma recuparação após a pior fase da pandemia. Segundo ele, três localidades estão com vendas acima do período pré-pandemia. Isaac espera uma reação surpreendentes nos meses de novembro e dezembro, segundo o Valor.

Via Varejo (VVAR3) adquire 16,6% de controladora de startup de tecnologia

A Via Varejo (VVAR3) adquiriu participação de 16,67% do capital da Growth Partners controladora da startup Distrito. A empresa conecta grandes empresas, startups, investidores e acadêmicos, para gerar novos modelos de negócios mais colaborativos, eficientes e sustentáveis.

De acordo com a Via Varejo, essa operação representa um salto na estratégia de aceleração da transformação digital da companhia.

BR Malls (BRML3) e Ancar desistem de associação

A BR Malls (BRML3) e Ancar Ivanhoe optaram na última sexta-feira (6) por não prosseguirem com as conversas a respeito de uma possível combinação parcial de seus portfólios.

No caso de uma fusão total, as companhias teriam, juntas, 55 shoppings espalhados pelo país. E uma área bruta locável de 1.025 metros quadrados.

Dias Branco (MDIA3) tem alta de 97,3% no lucro no 3TRI

A M. Dias Branco (MDIA3) registrou um lucro líquido de R$ 265,4 milhões no terceiro trimestre de 2020, um desempenho 97,3% superior ao registrado em igual período do ano passado.

De acordo com a empresa, o resultado foi impactado pelo aumento do Ebitda, pelos efeitos não recorrentes das receitas de créditos extemporâneos e pelo resultado positivo de variação cambial.

O volume de vendas atingiu 558,6 mil toneladas no trimestre, um aumento de 27% em relação ao terceiro trimestre de 2019.

SLC agrícola (SLCE3) tem queda de 63,2% no prejuízo

A SLC agrícola (SLCE3) registrou um prejuízo líquido de R$ 35,7 milhões no terceiro trimestre de 2020. Isso representa uma redução de 63,2% na comparação com igual período do ano passado.

De acordo com a empresa, o resultado foi impactado pela dinâmica de reconhecimento da variação e realização do valor justo dos ativos biológicos.

O resultado financeiro foi uma despesa de R$ 26,4 milhões, uma redução de 36,1% na comparação anual.

BIOMM (BIOM3) tem queda de 15,9% no prejuízo

A BIOMM (BIOM3) registrou um prejuízo líquido de R$ 12,3 milhões no terceiro trimestre de 2020, queda de 15,9% na comparação com igual período do ano passado.

No ano, o prejuízo totalizou R$ 46,1 milhões, contra prejuízo de R$ 43,8 milhões do mesmo período de 2019.

De acordo com a empresa, o resultado foi impactado pela desvalorização cambial.

Nesta segunda-feira (9), a empresa informou ainda que fechou com a empresa Enzene Biosciences Limited um acordo de exclusividade de licenciamento, fornecimento, comercialização e distribuição do medicamento biossimilar teriparatida, indicado para o tratamento da osteoporose.

CCR (CCRO3) tem queda de 6% no tráfego na última semana

A CCR (CCRO3) divulgou nesta sexta-feira (6) os números referentes ao tráfego nas rodovias administradas pela empresa na semana de 30 de outubro a 05 de novembro de 2020. A alta é de 6,2%, na comparação com o mesmo período de 2019. No acumulado do ano, ainda há decréscimo de 3,5% com relação ao ano passado.

Tegma (TGMA3) registra lucro de R$ 29,9 mi

A Tegma Logística (TGMA3) registrou um lucro líquido de R$ 29,9 milhões no terceiro trimestre de 2020.

Os números refletem uma queda de 67,2% sobre um ano antes, com lucro de R$ 91,4 milhões.

Já na comparação com o segundo trimestre de 2020, a Companhia reverteu um prejuízo de 4,4 milhões.

MGLU3 e VVAR3 entre os destaques da semana

A temporada de balanços segue movimentada nesta semana. De hoje (9) a sexta (13), serão 115 balanços divulgados e 87 teleconferências para explicações e análises dos números. Entre os destaques, Magazine Luiza (MGLU3) e Via Varejo (VVAR3).

Petrobras (PETR4) conclui a venda do campo de Baúna

A Petrobras (PETR4) informou que finalizou a venda da totalidade de sua participação no campo de Baúna, localizado em águas rasas na Bacia de Santos, em São Paulo.

A empresa que comprou a participação foi a Karoon, subsidiária da Karoon Energy.

A operação foi concluída com o pagamento de US$ 150 milhões para a Petrobras.

Copel (CPLE6) realiza leilão de telecom

A Copel faz hoje às 14h leilão de venda de sua subsidiária de telecomunicações, a Copel Telecom. Aguardado há tempos, o leilão faz parte da estratégia da companhia elétrica paranaense de se desfazer de negócios não considerados estratégicos.

Segundo o Valor Econômico, quatro grupo devem entregar propostas. Leva quem fizer a maior oferta. O lance mínimo deverá ser de R$ 1,4 bilhão.

A expectativa é de que o próximo ativo a ser vendido seja a distribuidora de gás Compagas.

Vale (VALE3) informa aumento de participação acionária

A Vale (VALE3) informou que a Capital Research and Management Company aumentou sua participação na mineradora.

A CWI administrava 259.183.389 ações ordinárias da companhia, correspondentes a 4,90% dessa espécie de ação. E passou a administrar um total de 265.956.781 ações ON da Vale, que representam 5,03%.

Hapvida (HAPV3) compra Premium Saúde

A Hapvida (HAPV3) informa que celebrou contrato de compra para aquisição de ações representativas de  100%  do  capital da operadora de  planos  de  saúde Premium  Saúde  S.A., com atuação em Minas Gerais e Distrito Federal. O valor da negociação é de R$ 150 milhões.

Azul define valor de distribuição de debêntures

A Azul informou que foi concluído o procedimento de bookbuilding da oferta pública de distribuição de debêntures conversíveis em ações preferenciais, cada uma com valor de R$ 1 mil. Serão emitidas 1.745.900 de debêntures, no valor de R$ 1,745 bilhão.

Allpark (ALPK3): FIP Brasil reduz participação

O fundo de investimento em participações Brasil de Governança Corporativa Multiestratégia, detentor de 17.869.796 ações ordinárias de emissão da Allpark, representativas de 9,22% do capital social da companhia foi liquidado.

Movida (MOVI3) conclui emissão debêntures

Movida (MOVI3) concluiu sua quinta emissão de debêntures simples, não conversíveis em ações, em duas séries, no valor de R$ 600 milhões.

As debêntures emitidas pela Movida possuem o valor nominal unitário de R$ 1.000,00 na data da emissão.

Os títulos da 1ª série correspondem ao valor total de R$ 250 milhões e farão jus a juros de 100% do DI, acrescido exponencialmente de uma sobretaxa de 2,50% ao ano (base 252 dias úteis), com vencimento em 15 de outubro de 2023.

Enquanto, as debêntures da 2ª série correspondem ao valor total de R$ 350 milhões e farão jus a juros a 100% taxa DI, acrescido exponencialmente de uma sobretaxa de 2,95% ao ano, com vencimento em 15 de outubro de 2025.

DTEX3 unificará Deca/Hydra e Revestimentos Cerâmicos

A Duratex (DTEX3) anunciou que a partir de 1º de janeiro de 2021, os negócios Deca/Hydra e Revestimentos Cerâmicos serão unificados em uma única Vice-Presidência, sob a gestão do Marcelo Izzo.

De acordo com a empresa, a Diretoria de Revestimentos Cerâmicos seguirá liderada por Gilmar Menegon, que passará a reportar ao Marcelo Izzo, sendo peça importante no processo de integração das atividades e aceleração das sinergias.

Copasa (CSMG3) discute desdobramento de ações

A Copasa convocou assembleia geral extraordinária (AGE), a ser realizada no dia 19 de novembro deste ano. A reunião visa deliberar sobre o desdobramento de ações, distribuição de dividendos e emissão de debêntures.

Caso aprovado, o desdobramento será na proporção de 1 ação ordinária para 3 ações da mesma espécie.

Dessa forma, a proposta é que o número de ações ordinárias que compõe o capital social seja alterado de 126.751.023 para 380.253.069, sem alterações no valor do capital social, que permanecem R$ 3,402 bilhões.

Ações em alta podem favorecer Totvs (TOTS3)

As altas atuais das ações da Totvs (TOTS3) podem favorece-la na disputa pela Linx (LINX3). É o que aponta relatório do Bradesco BBI.

Almeida Junior desiste de IPO

O grupo Almeida Junior, o maior de shopping centers de Santa Catarina, adiou pela segunda vez sua oferta inicial de ações (IPO). Agora, os planos devem ficar para março de 2021, informa o Valor.

O prospecto preliminar da oferta havia sido protocolado em fevereiro.