Radar corporativo: os destaques das empresas nesta quinta-feira

Cláudia Zucare Boscoli
Jornalista formada pela Cásper Líbero, com pós-graduação em Jornalismo Econômico pela PUC-SP, especialização em Marketing Digital pela FGV e extensão em Jornalismo Social pela Universidade de Navarra (Espanha), com passagens por IstoÉ Online, Diário de S. Paulo, O Estado de S. Paulo e Editora Abril.
1

Crédito: Reprodução/Pixabay

O Radar corporativo desta quinta-feira (1) destaca que a CVC (CVCB3) teve prejuízo R$ 1,1 bi no 1º trimestre.

Também que a votação sobre a venda das refinarias da Petrobras (PETR4) será retomada hoje no STF.

Além disso, a Natura (NTCO3) fará um oferta global, com esforços restritos, estimada de R$ 6,207 bilhões.

Participe do maior evento de investimentos da América Latina

Já a varejista Lojas Americanas (LAME3) informou a emissão de debêntures, com esforços restritos, no montante de R$ 3,1 bilhões.

Veja mais destaques:

Radar: mercados

Os mercados globais iniciam a manhã desta quinta-feira (1) em tendência de alta. Nos Estados Unidos, a presidente da Câmara, Nancy Pelosi, e o secretário do Tesouro, Steven Mnuchin, não conseguiram chegar a um acordo sobre o novo pacote de estímulos, embora ambos afirmem que as negociações continuariam. Mnuchin descartou o pacote de US$ 2,2 trilhões desenhado pelos democratas, mas havia prometido uma solução até hoje.

Hoje serão anunciados os novos pedidos semanais de seguro-desemprego pelo Departamento do Trabalho. São aguardadas mais 850 mil reivindicações, ante 870 mil da semana passada. Se confirmada, será a quinta semana seguida com pedidos abaixo de 1 milhão. Amanhã (2) sai o payroll, folha de pagamentos não-agrícola, considerada o dado oficial de emprego nos EUA.

Hoje ainda tem Índice dos Gerentes de Compras (PMI na sigla em inglês) industrial de Brasil e EUA. Na zona do euro, a leitura veio em linha com o aguardado: ficou em 53,7 pontos, ante 51,7 de agosto. Vale lembrar que pontuações acima de 50 indicam avanço da atividade econômica; e o contrário indica contração.

Na Ásia, bolsas fechadas na China, Hong Kong, Coreia do Sul e Taiwan. A bolsa do Japão interrompeu as negociações por uma falha técnica na noite de ontem.

Destaques no Brasil

O vai e vem do Renda Cidadã prossegue hoje, com a repercussão da reunião misteriosa entre o presidente Jair Bolsonaro e a equipe econômica.

Ontem, o ministro da Economia, Paulo Guedes, criticou publicamente a ideia de buscar fundos para o programa assistencial dos precatórios (dívidas judiciais do governo), desqualificando a sugestão como um “puxadinho”, ou seja, uma solução mal arranjada, que não se sustenta no longo prazo.

O líder do Governo na Câmara dos Deputados, Ricardo Barros (PP-PR), no entanto, continua a garantir que fundos da educação e precatórios serão os financiadores do Renda Cidadã.

Ontem, a bolsa subiu 1,09%, indo a 94.603,38. Mas fechou o mês de setembro com baixa de 4,80%.

Veja as cotações às 6h42:

  • S&P: +0,74%
  • Nasdaq: +0,93%
  • Dow Jones: +0,73%

Confira aqui a cobertura completa da abertura dos mercados.

Radar: destaques corporativos

Veja as notícias das empresas.

CVC (CVCB3) tem prejuízo R$ 1,1 bi no 1º trimestre

Em balanço atrasado do primeiro trimestre, a CVC (CVCB3) reportou prejuízo consolidado de R$ 1,151 bilhão no balanço do primeiro trimestre.

Dessa forma, a empresa reverteu um lucro líquido pro forma de R$ 46 milhões do mesmo período do ano passado.

De acordo com a empresa, o resultado do balanço foi fortemente impactado por itens não recorrentes.

Natura (NTCO3) fará oferta de R$ 6 bilhões

A Natura informou que o Conselho de Administração aprovou a realização de oferta pública de distribuição primária de 121.400.000 ações ordinárias, inclusive sob a forma de American Depositary Shares (ADSs).

A oferta global a ser realizada no Brasil e no exterior está estimada em R$ 6,207 bilhões, com base no preço indicativo por ação de R$ 51,13 – fechamento das ações na B3 em 30 de setembro.

A Oferta Global tem por objetivo: acelerar o crescimento ao longo dos próximos três anos e implementação da Agenda 2030.

Além disso, otimizar a estrutura de capital, acelerando a desalavancagem e reduzindo o endividamento em dólares norte-americanos, volatilidade da taxa de câmbio e altos custos de juros, bem como eliminando obrigações contratuais restritivas.

Por fim, a empresa afirmou, em outro comunicado, que quaisquer projeções anteriormente divulgadas não devem ser considerados pelos investidores para fins de embasar sua decisão de investimento na Oferta Restrita.

Lojas Americanas (LAME4): emissão debêntures

A Lojas Americanas  pretende captar até R$ 3,1 bilhões em debêntures, com prazo de vencimento de 10 anos e 1 mês a contar da data de emissão, em 15 de setembro de 2020.

A remuneração dos títulos será feita por meio de juros pré-fixados correspondentes a 7,40%, cujos valores deverão ser pagos semestralmente, sempre no dia 15 dos meses de abril e outubro.

Votação sobre venda de refinarias da Petrobras (PETR4) será retomada hoje

O ministro Luiz Fux, presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), suspendeu ontem o julgamento sobre a venda de oito refinarias da Petrobras. Nesta quinta, devem ser apresentados os votos do ministro Edson Fachin, relator, e dos demais. Até aqui, são três votos contra a privatização.

Em caso de derrota, o presidente da estatal, Roberto Castello Branco, disse ao Valor que novos cortes de custos serão necessários.

Petrobras (PETR4) inicia venda da Biocombustível

A Petrobras (PETR4) anunciou que iniciou a fase vinculante sobre a venda de sua subsidiária integral Petrobras Biocombustível S.A. (PBIO).

“A operação está alinhada à estratégia de otimização do portfólio e à melhoria de alocação do capital da companhia, visando à maximização de valor para os seus acionistas”, diz a empresa, em comunicado.

Petrobras (PETR4) finaliza venda de polo no ES

Petrobras (PETR4) informou que finalizou hoje a venda da totalidade de sua participação nos campos terrestres do Polo Lagoa Parda, no Espírito Santo, próximo ao município de Linhares.

A venda do Polo foi para a Imetame Energia Lagoa Parda Ltda., afiliada da Imetame Energia.

Vale (VALE3) paga debêntures participativas

Vale (VALE3) comunicou que efetuará o pagamento de R$ 493,9 milhões, equivalentes a R$ 1,2712 por debênture participativa.

Esse montante é referente ao valor do prêmio total apurado para o período entre janeiro e junho de 2020, no primeiro semestre deste ano.

A Vale divulgou ainda atualização sobre as declarações de condição de estabilidade (DCEs) para estruturas geotécnicas às quais se aplicamos termos do Departamento Nacional de Produção Mineral, atual Agência Nacional de Mineração (ANM).

Veja mais sobre o relatório da Vale

Cielo (CIEL3) aprova incorporação da Braspag pela Stelo

Cielo (CIEL3) aprovou a autorização da incorporação da Braspag pela Stelo, subsidiárias direta e indireta, respectivamente. Dessa forma, foi deliberada a extinção da Braspag e cessão de todos os seus bens, direitos e obrigações para a Stelo.

JHSF (JHSF3): hotéis Fasano em MG e BA reabrirão

JHSF (JHSF3) informou que o Hotel Fasano Belo Horizonte e o Hotel Fasano Salvador retomarão as operações a partir de hoje e 8 de outubro, respectivamente.

Com isso, todos os hotéis Fasano no Brasil estarão abertos a partir de 8 de outubro.

Notre Dame (GNDI3) conclui emissão de debêntures de R$ 750 mi

A Notre Dame (GNDI3) anunciou a conclusão da 4ª emissão de debêntures simples da companhia, não conversíveis em ações, em série única, no total de R$ 750 milhões.

De acordo com a Notre Dame, as debêntures farão jus à remuneração fixa equivalente a 100% do DI, acrescida de spread ou sobretaxa de 2,65% ao ano, com prazo de vencimento de 5 anos.

Os recursos obtidos com a oferta serão utilizados para reforço de caixa da companhia para cobrir suas obrigações financeiras no curso normal dos negócios, podendo também serem destinados a aumentos de capital em suas subsidiárias.

BR (BRDT3) recebe R$ 34,7 mi da Eletrobras (ELET6)

BR Distribuidora (BRDT3) informou que recebeu parcela de R$ 34,7 mi de dívida da Eletrobras (ELET6). A empresa recebeu o montante correspondente à 29ª parcela da dívida.

Copasa (CSMG3): prorrogação de obra da Vale (VALE3)

Copasa (CSMG3) informou que a Vale (VALE3) pediu ao MP-MG a prorrogação do prazo de entrega de obra no Rio Paraopeba

A Vale argumenta que o pedido de adiamento ocorreu em função de fatores como as restrições de segurança impostas pela pandemia da Covid-19.

Banco do Brasil (BBAS3) conclui acordo com o UBS

Banco do Brasil (BBAS3) informou que o BB-Banco de Investimento, subsidiária do BB, e o UBS assinaram parceria para atuação em atividades de banco de investimento e de corretora de valores mobiliários.

O acordo vale para atuação no Brasil, Argentina, Chile, Paraguai, Peru e Uruguai.

Braskem (BRKM5) é alvo de ação por danos ambientais também na Bahia

Além das acusações de danos ambientais em Alagoas, relacionados à exploração de sal-gema em Maceió (AL), a Braskem é alvo de outra ação civil pública na Bahia, ajuizada em 2014 pelo Ministério Público Federal (MPF), por causa da contaminação do solo por mercúrio na península de Itapagipe, em Salvador.

Invepar (IVPR3B) aguarda definição sobre Lamsa para reestruturar dívida

O acordo fechado pela Invepar com credores para reestruturar uma dívida de R$ 2,5 bilhões só será concretizado depois que houver uma definição para a situação da Linha Amarela S.A. (Lamsa), diz o Valor.

No último dia 16 de setembro, o prefeito do Rio, Marcelo Crivella, determinou a retomada da Lamsa. No entanto, tanto Lamsa quanto Metrô do Rio seriam utilizados pela empresa para sanar a dívida com credores.

Cyrela (CYRE3) é multada por Lei de Proteção de Dados

A construtora Cyrela foi condenada a pagar uma indenização de R$ 10 mil por danos morais a um cliente ao infringir a Lei Geral de Proteção de Dados (LGPD), ao compartilhar dados com terceiros.

Itaú (ITUB4) leva leilão 15 agências físicas

Com as operações bancárias cada vez mais digitais, os grandes bancos de varejo começam a fechar agências físicas. Amanhã e na sexta-feira, o Itaú leva a leilão cerca de 15 agências, informa o Valor.

Hypera (HYPE3) paga JCP

A Hypera (HYPE3) informou que aprovou pagamento de juros sobre capital próprio no valor total de R$ 185,496 mi.

Esse montante equivale a R$ 0,2929 por ação ON. Ex-JCP valem a partir de 26 de outubro.

SulAmérica (SULA11): JCP de R$ 75 milhões

A SulAmérica (SULA11) comunicou que aprovou pagamento de juros sobre capital próprio de R$ 75 milhões. Esse valor representa R$ 0,1984 por unit e R$ 0,0661 por ação ordinária.

O pagamento será realizado em uma parcela única, em 16 de abril de 2021.

Daycoval: JCP de R$ 43,3 milhões

O banco Daycoval (DAYC3) informou que aprovou o pagamento no valor total de R$ 43,4 mi em juros sobre capital próprio.

Dessa forma, o montante equivale a R$ 0,023 por ação. A remuneração se refere ao período de 1º de julho de 2020 a 30 de setembro de 2020. Os valores estarão disponíveis aos acionistas a partir de 15 de outubro.

Dimed (PNVL4) remunera R$ 3,5 mi em JCP

Dimed (PNVL4) aprovou R$ 3,5 mi em juros sobre capital próprio. Assim, valor é equivalente a R$ 0,0252 por PN e R$ 0,0229 por ON. Serão pagos em parcela única em 31 de março de 2021.