Radar corporativo: veja os destaques das empresas nesta quinta-feira

Cláudia Zucare Boscoli
Jornalista formada pela Cásper Líbero, com pós-graduação em Jornalismo Econômico pela PUC-SP, especialização em Marketing Digital pela FGV e extensão em Jornalismo Social pela Universidade de Navarra (Espanha), com passagens por IstoÉ Online, Diário de S. Paulo, O Estado de S. Paulo e Editora Abril.
1

Crédito: Reprodução/Pixabay

O Radar corporativo desta quinta-feira (10) destaca os recordes de produção da Petrobras (PETR4). Também, a possível venda da Biosev (BSEV3) para a Raízen. E ainda que o GPA (PCAR3) estuda separar e listar a rede Assaí na bolsa de valores. Confira mais notícias.

Radar corporativo: mercados

As altas de ontem, depois de três quedas sequenciais, deram um fôlego aos mercados. O Ibovespa fechou com ganhos de 1,24%, chegando a 101.292,05 pontos.

Mas nesta quinta-feira (10), os futuros de Nova York e as bolsas europeias começam em baixa.

Confira principais Ações para investir em Outubro

Os destaques do dia no exterior ficam por conta da reunião do Banco Central Europeu. Os investidores não aguardam corte nos juros ou mudanças na compra de títulos. Mas projetam alguma manifestação quanto à inflação, nos moldes do que fez o Federal Reserve (Fed), banco central americano.

Para hoje também são aguardados os novos pedidos de seguro-desemprego dos EUA, que devem ficar novamente abaixo de um milhão de reivindicações semanais. O mercado espera por 846 mil pedidos, ante 881 mil da semana passada.

Veja as cotações às 6h31:

Conheça os Fundos Imobiliários para investir em Outubro

  • S&P: -0,43%
  • Nasdaq: -0,50%
  • Dow Jones: -0,41%

Confira aqui a cobertura complete sobre a abertura dos mercados.

Radar: destaques corporativos

Veja as principais notícias das empresas.

BB (BBAS3) e Caixa contestam plano de recuperação da Oi (OIBR3 OIBR4)

A Oi (OIBR3 OIBR4) deverá enfrentar a contestação dos bancos às mudanças em seu plano de recuperação judicial, aprovadas em assembleia. O Banco do Brasil (BB), maior credor bancário da companhia, e a Caixa já decidiram que vão recorrer à Justiça, e outras instituições financeiras devem fazer o mesmo, aponta o Valor.

Banco do Brasil, Caixa Econômica Federal e Itaú têm, juntos, direito a uma fatia de R$ 7,83 bilhões da companhia. Os bancos contestam o desconto nos créditos que têm a receber e questionam a atuação dos detentores de títulos internacionais.

Segundo o Globo, a Oi deve vender sua operação de telefonia móvel para Vivo, Claro e TIM em um leilão, em que será definida a parte que caberá a cada uma das empresas. De acordo com o jornal, a decisão de “fatiar” a Oi desta forma foi decidida durante a assembleia.

PetroRio (PRIO3) emitirá US$ 450 mi em notes

A PetroRio (PRIO3) realizará a emissão US$ 450 milhões em notas representativas da dívida da PetroRio Luxembourg. Segundo a companhia, os notes serão colocados no mercado internacional, com vencimento em 2025. A PetroRio Luxembourg contratou o Credit Suisse Securities, Citigroup e o Santander como coordenadores da oferta.

Petrobras (PETR4) fará recompra de títulos globais

A Petrobras (PETR4) iniciou oferta de recompra de títulos globais, por meio da sua subsidiária integral Petrobras Global Finance B.V. A oferta para recompra é para a totalidade em circulação dos títulos globais e está limitada ao montante total de US$ 4 bilhões e expira às 17h, horário de Nova York, do dia 16 de setembro de 2020. O pagamento será feito no dia 21 de setembro de 2020.

Mills (MILS3) estuda emitir até R$ 84 mi em debêntures

A Mills Estruturas e Serviços de Engenharia (MILS3) comunicou ao mercado que está em processo de emissão de debêntures simples de até R$ 84 milhões. O prazo para distribuição pública é de 49 meses e a remuneração prevista de CDI + 4,25% ao ano.

GOL (GOLL4) registra aumento de 18% na oferta em agosto

A GOL (GOLL4) apresentou um crescimento de 18% na oferta de assentos e alta de 15% na receita bruta em agosto de 2020, conforme fato relevante publicado hoje (10). A companhia também elevou sua oferta para uma média de 190 voos/dia, um aumento de 20% na demanda em agosto.

Petrobras (PETR4) informa recorde de produção

A Petrobras (PETR4) anunciou que, pelo terceiro mês consecutivo, bateu o recorde de produção de Diesel S-10. Em agosto, as refinarias processaram 1,84 milhão de m³ do produto, volume ligeiramente maior ao de julho, quando atingiu 1,81 milhão de m³,e 15% superior à marca de junho, de 1,6 milhão de m³.

A comercialização de gás liquefeito de petróleo (GLP) também bateu recorde pelo terceiro mês. Foram 80.204 toneladas comercializadas, o equivalente a 6,16 milhões de botijões P13, contra 75.730 toneladas do recorde anterior, atingido em junho.

Biosev confirma venda das operações

A Biosev (BSEV3) confirmou que está em tratativas “preliminares” de negociação de uma possível venda para a empresa de açúcar e biocombustíveis Raízen Energia, joint venture da Cosan (CSAN3) e Shell.

GPA (PCAR3) propõe separar Assaí

O GPA (PCAR3) estuda separar e listar a rede Assaí na bolsa de valores. De acordo com o GPA, o propósito da operação é liberar o pleno potencial dos negócios de cash & carry e varejo tradicional da companhia, permitindo que operem de forma autônoma, com administração separada e foco nos seus respectivos modelos de negócios e oportunidades de mercado.

Petz define preço de ação em IPO

A Petz definiu o preço por ação de sua oferta de ações (IPO, na sigla em inglês) em R$ 13,75, movimentando R$ 2,2 bilhões.
A expectativa da companhia era de levantar mais de R$ 2 bilhões com a oferta.

CSU Cardsystem avalia oferta de ações

A CSU Cardsystem informou que está avaliando realizar uma oferta pública de ações. A possível oferta contaria com tranche primária e secundária de ações. O Credit Suisse seria o coordenador.

Technos (TECN3) informa redução acionária

A Technos (TECN3) divulgou que a River Mercantile Asset Management (Ramam) reduziu sua participação na empresa para 4,79%. A River passa a deter agora 3.765.900 ações ordinárias da empresa.

Hapvida (HAPV3) e Roche investem e centro de exames

A empresa de planos de saúde Hapvida (HAPV3) e a farmacêutica Roche anunciaram parceria para criar novo centro de processamento de exames.

O investimento será de R$ 46 milhões e atenderá 3,5 milhões de clientes. A parceria vai fornecer infraestrutura e serviços de diagnóstico laboratorial de última geração, além de uma unidade central.

Copasa (CSMG3): contrato com BNDES para desestatizar

A Copasa (CSMG3), Companhia de Saneamento de Minas Gerais, anunciou que recebeu comunicado da Secretaria de Estado de Desenvolvimento Econômico. E que foi informada que o Conselho Mineiro de Desestatização autorizou a assinatura de contrato com o BNDES (Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social) para efetivar o processo de desestatização da companhia.

CVM cancela registros

A Comissão de Valores Monetários (CVM) anunciou o cancelamento do registro das companhias abertas Invitel Legacy e Zain Participações.

BlackRock tem 4,95% da Via Varejo (VVAR3)

A Via Varejo (VVAR3) comunicou que recebeu correspondência da acionista BlackRock informando alteração na participação acionária da Companhia. A BlackRock alterou a sua participação acionária, mantendo, entretanto, o patamar de 4,95% do capital social da Via Varejo, totalizando 79.144.077 de ações ordinárias.

Eletrobras (ELET6) aprova alienação de participações acionárias

A Eletrobras (ELET6) comunicou a aprovação da alienação de 78% de participação acionária na companhia Santa Vitória do Palmar para a Ômega Geração. Segundo o comunicado, a transação foi realizada pelo valor de R$ 434,46 milhões.

A companhia aprovou ainda a alienação de 99,99% de participação acionária nas sociedades Hermenegildo I, Hermenegildo II, Hermenegildo III e Chuí IX, também para a Ômega Geração. A negociação envolveu R$ 134 milhões.

Cyrela (CYRE3): Cury define faixa de preço e pode captar mais de R$ 1,5 bi

A Cury joint venture com Cyrela (CYRE3), informou a faixa indicativa de preço de suas ações, que ficaram entre R$ 11 a R$ 14,30, conforme prospecto. Com base no preço médio da faixa indicativa, de R$ 12,65, e a colocação de 90.909.091 ações da oferta base, a oferta pode atingir R$ 1,150 bilhão.